Atos 11:1-30

EXPOSIÇÃO

Atos 11:1

Agora para e, A.V .; os irmãos por irmãos, A.V .; Também tivemos por A.V. Podemos imaginar com que rapidez as notícias da grande revolução chegariam à metrópole do cristianismo judaico, e que agitação ela mutilaria naquela comunidade. Não parece que visão Tiago e os outros apóstolos adotaram.

Atos 11:2

Os que eram da circuncisão. À primeira vista, essa frase, que era bastante natural em Atos 10:45, parece não natural na condição da Igreja, quando todos os membros dela eram "da circuncisão , "e não havia convertidos gentios. Mas a explicação disso pode ser encontrada na circunstância de o próprio São Lucas ser um gentio; talvez também, como Alford sugere, em seu uso de linguagem adequada ao tempo em que ele escreveu. É também uma indicação do propósito de São Lucas ao escrever sua história, viz. narrar o progresso do cristianismo gentio. Pedro, tendo completado suas rondas (Atos 9:32), retornou a Jerusalém, que ainda era a morada dos apóstolos. Ele estava, sem dúvida, ansioso para comungar com seus irmãos apóstolos sobre a questão importante dos convertidos gentios; mas ele foi imediatamente atacado pelo fanatismo dos judeus zelosos.

Atos 11:3

Você entrou, etc. A circunstância de comer com Cornelius e seus amigos não é expressamente registrada em Atos 10:1-48., Mas segue quase necessariamente o que é declarado. Fora considerado o principal ponto em seu relatório por aqueles que trouxeram a notícia a Jerusalém. Observe a total ausência de algo como dominação papal por parte de Pedro.

Atos 11:4

Começou e expôs o assunto para eles, a fim de ensaiar o assunto desde o início, e expôs por ordem para eles, A.V.

Atos 11:5

Descendente para descendente, A.V .; foram por A.V .; até para, A.V.

Atos 11:6

O quadrúpede para quadrúpede, A.V .; céu para o ar, A.V.

Atos 11:7

Também uma voz para uma voz, A.V. e T.R .; subir para subir, A.V .; kilt por dia, A.V.

Atos 11:8

Para sempre, a qualquer momento, A.V.

Atos 11:9

Uma voz respondeu pela segunda vez, pois a voz me respondeu novamente de A.V. e T.R .; fazer chamada, A.V.

Atos 11:10

Três vezes por três vezes, A.V.

Atos 11:11

A seguir, imediatamente, A.V .; três homens estavam diante da casa em que estávamos, já havia três homens na casa onde eu estava, A.V. e T.R .; tendo sido enviado para enviado, A.V.

Atos 11:12

Não fazendo distinção por nada duvidar, A.V. e T.R .; e ... também para além disso, A.V. Não fazendo distinção. A leitura adotada aqui na R.T. é διακρίναντα em vez de διακρινόμενον no T.R. O verbo διακρίνειν na voz ativa significa "fazer uma distinção" ou "diferença" entre um e outro, como em Atos 15:9. Mas na voz do meio, διακρίνεσθαι significa "duvidar" ou "hesitar", como em Atos 10:20. Parece altamente improvável que as duas passagens, que deveriam ser idênticas, devam assim diferir, enquanto empregam o mesmo verbo. Alguns manuscritos, que Afford segue, omitem completamente a cláusula μηδὲν διακρινόμενον. Esses seis irmãos; mostrando que Pedro havia trazido os irmãos de Jope (agora especificado como seis) com ele a Jerusalém para fundamentar sua conta; uma indicação clara de que ele antecipou alguma oposição.

Atos 11:13

Contado para mostrou, A.V .; o anjo para um anjo, A.V .; de pé em sua casa e dizendo em sua casa que estava e disse-lhe: A.V .; enviar para enviar homens, A.V. e T.R. buscar chamada, A.V.

Atos 11:14

Fale para contar, A.V .; serás salvo, etc., pois tu e toda a tua casa serão salvas, A.V.

Atos 11:15

Mesmo assim, A.V.

Atos 11:16

E eu lembrei, então lembrei de eu, A.V. Este é um novo incidente não mencionado em Atos 10:1-48. A referência é Atos 1:5. Essa afirmação de que o Senhor está sendo referido por Pedro parece que Pedro poderia ter fornecido muitos dos detalhes dos primeiros doze capítulos a Lucas.

Atos 11:17

Se por enquanto ... como, A.V .; a eles por eles, A.V .; fez também por fez, A.V .; quando nós para quem, A.V .; quem por quê, A.V. O ditado, quem era eu, que eu poderia suportar (κωλῦσαι)? corresponde a Atos 10:47, "Alguém pode proibir (κωλῦσαι) água?"

Atos 11:18

E quando por quando, A.V .; então, aos gentios também Deus concedeu, pois Deus também concedeu aos gentios, A.V. A adequação do método adotado pela sabedoria divina para efetivar esta primeira recepção de gentios na Igreja em pé de igualdade com os judeus é evidente pelo seu sucesso em acalmar os preconceitos ciumentos dos judeus e preservar a paz da Igreja. Ainda faltava muito tempo para que o espírito exclusivo do judaísmo fosse extinto (veja Atos 15:1-41. E Gálatas 1:6, Gálatas 1:7; Gálatas 2:4, Gálatas 2:11, Gálatas 2:12, Gálatas 2:13; Gálatas 5:2-12; Filipenses 3:2, etc.).

Atos 11:19

Eles, portanto, que por enquanto eles que, A.V .; tribulação por perseguição, A.V .; Fenícia para Fenícia, A.V .; falando para pregar, A.V .; salvo apenas para os judeus, mas apenas para os judeus, A.V. Espalhados no exterior; como em Atos 8:1, para qual momento a narrativa reverte agora. Tribulação (θλίψις). A palavra em Atos 8:1 para "perseguição" é διωγμός. Fenícia. "A faixa da costa, cento e vinte milhas de comprimento e cerca de doze de largura, do rio Eleutero" a um pouco ao sul de Carmel, até Dora, incluindo, portanto, Sidon e Tiro, mas excluindo Ceasarea. O nome foi preservado na grande colônia tirana de Cartago, como aparece nas formas étnicas Paenus, Punicus e Paeuicus, aplicadas aos cartagineses. Todos conhecemos as "guerras púnicas", a Punica fides, o 'Paenulus' de Plautus etc. O Chipre fica à margem da costa da Fenícia, à vista, e foi muito cedo colonizado pelos fenícios. Philo e Josephus falam da população judaica no Chipre. Antioquia, a capital do reino grego da Síria, no rio Orontes, construído pelo primeiro rei, Seleueus Nicater, em homenagem a seu pai Antíoco, que era um dos generais de Alexandre, o Grande. Situava-se a cerca de cento e oitenta milhas ao norte da fronteira norte da Fenícia. Havia uma grande população de judeus, que Seleuco atraiu para sua nova cidade, dando-lhes privilégios políticos iguais aos gregos. Josefo foi considerado a terceira cidade em importância de todo o império romano, sendo Roma e Alexandria as duas primeiras.

Atos 11:20

Mas havia alguns deles ... quem eram e alguns deles eram ..., quais, A.V .; os gregos também para os gregos, A.V. e T.R. Essa última é a variação mais importante da leitura - gregos para gregos, gregos, ou seja, judeus gregos ou helenistas. É apoiado, no entanto, por forte autoridade de manuscritos, versões e Pais, e é aceito por Grotius, Witsius, Griesbach, Lachman, Tischendorf, Meyer, Conybeare e Howson, Alford, Westcott, Bishop Lightfoot e o 'Comentário do Orador' (aparentemente) e a maioria dos críticos modernos. Também é fortemente argumentado que a evidência interna prova Ἑλλῆνας a leitura correta, porque a afirmação de que os homens de Chipre e Cirene pregaram o evangelho a eles é contrastada com a ação dos outros, que pregavam apenas aos judeus. Obviamente, portanto, esses helenos não eram judeus. Além disso, não havia nada de novo na conversão e admissão na Igreja dos Judeus Helenísticos (veja Atos 2:5, etc .; Atos 9:22, Atos 9:29). E esses mesmos pregadores eram provavelmente os próprios helenistas. O Bispo Wordsworth, no entanto, defende, embora com dúvida, a leitura Ἑλληνίστας; e argumenta que, mesmo que Ἑλλῆνας seja a leitura correta, deve significar o mesmo que Ἑλληνίστας. Ele também sugere que isso pode significar "prosélitos" (veja Atos 14:1, onde os helenos freqüentam a sinagoga, e Atos 17:4). Mas não há evidências de que esses eram prosélitos mais do que Cornélio. Os helenos, ou gregos, aqui provavelmente eram gregos incircuncisos que temiam a Deus, como Cornélio, e participavam do culto da sinagoga (ver Meyer em Atos 14:1). É muito provável que em Antioquia, onde os judeus ocupavam uma posição tão proeminente, alguns dos habitantes gregos fossem atraídos por suas doutrinas e adoração, repelidos, talvez, pelas superstições predominantes e leviandade da grande cidade.

Atos 11:21

Aquele que acreditava virou para crer e virou, A.V. e T.R. A mão do Senhor; ou seja, seu poder trabalhando com eles e através deles. Compare a frase frequente no Antigo Testamento, "com mão poderosa e braço estendido" (ver também Atos 4:30; Lucas 1:66).

Atos 11:22

E o relatório a respeito deles para então notícias dessas coisas, A.V .; para para até, A.V .; na medida em que ele deve ir tão longe quanto, A.V. e T.R. A notícia dessa adesão dos gentios à Igreja foi rapidamente levada a Jerusalém, com o mesmo motivo, provavelmente, que trouxe para lá o relato do batismo de Cornélio e sua família, como lemos em Atos 11:1-3 deste capítulo. A conduta da Igreja em enviar uma pessoa tão excelente e temperada. como Barnabé (como lemos no próximo versículo), o amigo de Saul (Atos 9:27) e um favor de pregar o evangelho aos gentios (Atos 13:1, Atos 13:2) para inspecionar o trabalho em Antioquia, é uma indicação de que eles já ouviram o relato da conversão de Cornélio pela boca de Pedro, e já foram levados à conclusão: "Então também os gentios Deus concedeu arrependimento à vida!" Não há nenhuma pista do tempo decorrido entre a fuga da perseguição e a chegada a Antioquia, exceto que Saul teve tempo de passar três anos na Arábia, de vir a Jerusalém e dali para se estabelecer em Tarso. , onde Barnabé o encontrou; deixando assim um tempo abundante para as operações de Pedro na Judéia e Cesaréia.

Atos 11:23

Foi procurado, A.V .; ele exortou por exortou., A.V. Vira a graça de Deus; isto é, tinha visto o número e a verdade das conversões dos gentios efetuadas pela graça de Deus. Ele exortou todos eles (παρεκάλει πάντας); mostrando assim a si mesmo um verdadeiro υἱὸς παρακλήσεως, filho de exortação (veja Atos 4:36, nota). Apegue-se ao Senhor; προσμένειν, para permanecer, continuar, perseverar em (comp. Atos 13:43; 1 Timóteo 5:5). Em 2 Timóteo 3:14 é simplesmente um exemplo. As frequentes exortações à perseverança e firmeza devem nos alertar para o grande perigo de nos afastarmos da fé, sob a pressão da tentação.

Atos 11:24

Um bom homem. A idéia predominante em isγαθός é simplesmente "bondade", excelência moral. Então, em Mateus 19:16, "Bom Mestre". A que nosso Senhor responde: "Não há nada bom senão um". Em Lucas 23:50 José de Arimatéia é ἀνὴρ ἀγαθὸς καὶ δίκαιος ", um homem bom e um justo." Em Mateus 5:45 πονηροὶ καὶ ἀγαθοί, "o mal e o bem" são contrastados. No grego clássico, a frase comum, καλὸς κἀγαθός, descreve um homem honrado e bom. É agradável ler este testemunho de Lucas, companheiro e amigo de Paulo, Cheio do Espírito Santo e de fé. Então, Stephen é descrito (Atos 6:5) como "cheio de fé e do Espírito Santo". O Espírito Santo é mencionado em ambos os lugares como um Espírito de poder e demonstração na pregação da Palavra. Nenhuma razão é aparente por que a R.T., tendo alterado o Espírito para o Espírito em Atos 6:5, retém o Ghost aqui. Muita gente etc .; a conseqüência direta da energia do Espírito Santo no ministério de Barnabé.

Atos 11:25

E ele saiu para depois partir Barnabé, A.V. e T.R .; procurar, por procurar, A.V. Observe a notável providência que fez uso da violência dos judeus helenistas em Jerusalém para levar Saulo a Tarso, onde ele estaria por perto para iniciar o trabalho tão inesperadamente preparado para ele em Antioquia. "Foi na primavera do ano 43 DC, ou apenas dez anos após a crucificação, que Barnabé procedeu a Tarso, encontrou Saulo e o levou a Antioquia" (Lewin, 1:96). De Selêucia até o porto de Tarso, seriam cerca de doze horas de vela; ou, por terra, uma viagem de oitenta milhas o levaria a Tarso de Antioquia.

Atos 11:26

Mesmo durante um ano inteiro por um ano inteiro, o A.V. e T.R .; eles foram reunidos porque se reuniram, A.V .; e que os discípulos e os discípulos, A.V. A frase ἐν τῇ ἐκκλησίᾳ ocorre novamente em 1 Coríntios 11:18 (TR), onde tem, como aqui, quase o sentido de "na igreja", como local de reunião . Deve estar "dentro", não "com". A "Igreja" é a assembléia de discípulos reunidos em sua casa de reunião. Foram chamados; χρηματίσαι, tinha o nome de. É um uso peculiar da palavra que ocorre no Novo Testamento apenas em Romanos 7:3 além disso, mas também encontrado em Políbio, Estrabão, Josefo e alguns outros escritores. Seu significado comum é, na voz passiva, "ser avisado por Deus", como em Atos 10:22, onde ver nota. Cristãos Foi um evento memorável na história da Igreja quando o nome dos cristãos, que os distinguiu por quase dezoito séculos e meio, foi dado aos discípulos de Cristo. Até então, haviam sido chamados entre si discípulos, irmãos e santos, e, pelos judeus, homens "do Caminho" (Atos 9:2) ou "nazarenos" ( Atos 24:5), mas agora eles receberam o nome de cristãos, como seguidores de Cristo, do mundo exterior, e o aceitaram (Atos 26:28; 1 Pedro 4:16). Da forma latina da palavra cristãos, ou seja, seguidores de Cristo, a designação mais foi inventada pelos gentios, seja pela corte romana ou pelo campo de Antioquia, seja pela população grega, influenciada como eram pelas formas romanas de fala atuais. entre eles (compare os nestorianos, arianos, gregos e orientais da Grécia). Podemos ter certeza de que os cristãos, ou seja, seguidores do Messias, não são um nome que provavelmente foi dado pelos judeus. Não há provas de que isso tenha sido dado em escárnio. O relato bem conhecido de Tácito é "Vulgus Christianos appella-bat. Auctor nominis ejus Christus, Tiberio imperitante, por Pontium Pilatum supplicio afectus erat" ('Annal.,' 15.44). Suidas diz que aqueles que antes eram chamados nazarenos e galileus, no reinado de Cláudio César, quando Euodius foi nomeado bispo de Antioquia por Pedro, tiveram seu nome alterado para cristão. Ele parece se referir à declaração de Malalas (citada por Conybeare e Howson, 1.131), de que aqueles que antes haviam sido chamados nazarenos e galileus receberam o nome de cristãos na época de Euodius, que sucedeu São Pedro como bispo de Antioquia, e que ele mesmo lhes deu esse nome. "Pensa-se que Malalas tenha vivido em algum lugar entre os séculos VI e IX, em Bizâncio. Uma bela passagem na Liturgia Clementina também é citada na p. 130:" Agradecemos por sermos chamados pelo nome de teu Cristo, e, portanto, são contados como teus ", onde a alusão é Tiago 2:7. O nome Christian é frequente nas epístolas de Inácio, o bispo de Antioquia; as palavras moribundas de Policarpo foram: "Eu sou cristão" (Bishop Wordsworth).

Atos 11:27

Agora para e, A.V .; desceu porque veio, A.V. (consulte Atos 18:22). Profetas; uma ordem reconhecida na Igreja naquele tempo (Atos 2:17, Atos 2:18 `Atos 13:1; Atos 20:23; Atos 21:9, Lei 21:10; 1 Coríntios 12:28, 1 Coríntios 12:29; Efésios 4:11). As notícias da adesão dos gentios à Igreja de Antioquia levariam naturalmente a que tais profetas fossem enviados pela Igreja de Jerusalém ou chegassem por vontade própria.

Atos 11:28

Uma grande fome por grande escassez, A.V .; por toda parte, A.V .; Claudius para Claudius Caesar, A.V. e T.R. O mundo; ἡ οἰκουμένη, a terra habitada, a expressão comum para todo o império romano. Mas a expressão deve ser entendida como hiperbólica, assim como Josephus diz que Acabe enviou mensageiros para procurar Elias, κατὰ πᾶσαν τὴν οικουμένην, onde, é claro, apenas os países vizinhos à Judéia podem ser entendidos estritamente ('Ant. Jud ., '8. 13.4). Mas não há evidências para mostrar que ἡικουμένη é sempre um termo técnico para a Judéia. Veja o uso da palavra por Lucas (Lucas 2:1; Lucas 4:5; Lucas 21:26; Atos 17:6, Atos 17:31; Atos 19:27; Atos 24:5). De fato, a fome prevista, que começou no quarto ano de Cláudio César (44 dC) e durou até 48 dC, recaiu sobre a Judéia exclusivamente, tanto quanto aparece em Josefo ('Ant. Jud.', Levítico 15:3; Levítico 20:2. 5, Levítico 20:5. 2), e foi muito grave lá. Ismael era sumo sacerdote na época; e Helena, rainha de Adiahene, buscou grandes suprimentos de milho do Egito e de figos do Chipre para Jerusalém, para suprir as necessidades do povo. Eusébio ('Eccl. Hist.,' 2.8) fala dessa fome como tendo prevalecido "sobre o mundo" e como sendo registrada por autores hostis ao cristianismo, mas não menciona nomes e não fornece detalhes ('Eccl. Hist.,' 2.8), mas no décimo segundo capítulo do mesmo livro ele o limita a τὴν Ιουδαίαν, Judéia. Havia várias outras fomes históricas no reinado de Cláudio, mas elas dificilmente podem ser incluídas na profecia de Ágabo. O profeta Ágabo é mencionado novamente em Atos 21:10, e novamente como vindo da Judéia. Renan atribui a condição de pobreza dos cristãos de Jerusalém a suas instituições comunistas.

Atos 11:29

E para então, A.V .; aquilo para o qual, A.V. Este é o primeiro exemplo da prática, tão encorajada por São Paulo, das Igrejas Gentias, contribuindo para as necessidades dos pobres cristãos da mãe Igreja de Jerusalém (Romanos 15:25-27; 1 Coríntios 16:1; 2 Coríntios 9:1-15 .; Gálatas 2:10 etc.).

Atos 11:30

Enviando e enviando, A.V .; mão por mão, A.V. Enviando (ἀποστείλαντες). Aqueles por quem eles enviaram foram ἀπόστολοι (2 Coríntios 8:23), mensageiros ou apóstolos, aos anciãos. Esta é a primeira menção de presbíteros, ou presbíteros, na Igreja de Jerusalém, que agora estava totalmente organizada. Tiago Menor foi o apóstolo residente (?) E bispo; com ele estavam os presbíteros (Atos 21:18); e sob eles novamente os sete diáconos (Atos 6:5, Atos 6:6). Os presbíteros da Igreja de Jerusalém são mencionados novamente em Atos 15:2, Atos 15:4, Atos 15:6, Atos 15:22, Atos 15:23; Atos 16:4; Atos 21:18; Tiago 5:13, onde, no entanto, os presbíteros de outras igrejas na Judéia podem estar incluídos. Surge uma dificuldade em relação à missão de Saul a Jerusalém com Barnabé, sobre como reconciliá-la com Gálatas 2:1, que fala da segunda visita de São Paulo a Jerusalém como sendo catorze anos após a primeira, enquanto essa visita não poderia ser superior a quatro ou cinco anos depois. Mas existem três hipóteses sobre a visita a Jerusalém mencionadas em Gálatas 2:1-21.

1. O primeiro identifica-o com o herói da visita gravado.

2. O segundo identifica-o com o relacionado em Atos 15:2 etc., que é suportado pela maioria das melhores autoridades antigas e modernas (consulte a nota em Atos 15:1-41.).

3. O terceiro, defendido por Lewin ('Life of St. Paul', vol. 1.302, etc.), identifica-o com a visita registrada em Atos 18:22. No que diz respeito à primeira, com a qual estamos preocupados agora, embora à primeira vista você tivesse examinado a próxima visita de São Paulo a Jerusalém após sua conversão, como a mencionada em Gálatas, ainda assim, as seguintes circunstâncias tornam isso impossível. .

(1) A data da visita nomeada em Gálatas, que é distintamente catorze anos depois da registrada em Atos 9:26 (ἔπειτα διὰ δεκατεσσάρων ἐτῶν πάλιν ἀνέβην κ.τ .λ.).

(2) Quando São Paulo foi a Jerusalém na ocasião anunciada em Gálatas, "ele colocou diante deles o evangelho que pregava entre os gentios". Mas, no momento dessa visita, ele ainda não havia começado seus trabalhos entre os gentios (ἐν τοῖς ἔθνεσι), para os quais foi chamado apenas após seu retorno (Atos 13:2).

(3) Na ocasião mencionada em Gálatas, Paulo e Barnabé foram recebidos pelos principais apóstolos e devem ter passado um tempo considerável em Jerusalém, com muitas consultas e reuniões, públicas e privadas. Mas nessa ocasião, até onde parece, a visita foi muito apressada, e eles não viram ninguém além dos presbíteros e voltaram assim que entregaram a coleção a eles (Atos 12:25). A conclusão, portanto, parece bastante certa de que essa não é a visita mencionada em Gálatas. E a natureza precipitada dessa visita explica imediatamente por que São Paulo não contou nada em sua declaração aos Gálatas. Não teve nenhuma influência no curso de seu argumento. Não era uma visita a Jerusalém no sentido em que ele estava falando, e ele não viu nenhum dos apóstolos. O estado da Igreja na época, Tiago, filho de Zebedeu, morto, Pedro na prisão ou recentemente escapou "para outro lugar" (Atos 12:17), provavelmente os outros apóstolos disperso, tornou impossível. Portanto, ele não levou em conta isso em sua declaração aos gálatas. Esta parece ser uma explicação suficiente. Não há ocasião para recorrer ao expediente violento de Renan e dizer que Saul não foi com Barnabé naquele momento.

HOMILÉTICA

Atos 11:1-28

O mistério.

O início e o final deste capítulo referem-se a eventos de caráter exatamente semelhante, que ocorreram quase simultaneamente, em todos os eventos sem concerto ou comunicação, na Palestina e na Síria; a recepção da Palavra de Deus pelos gentios e sua admissão na Igreja de Deus. É difícil para nós, depois do lapso de dezoito séculos e meio, durante o qual esse tem sido o domínio do reino dos céus, perceber a surpreendente estranheza de um evento assim, quando trazido ao conhecimento da então Igreja de Cristo. . Que uma parede de divisória, que parecia ter sido construída sobre fundações imóveis, e que havia desafiado todos os esforços para destruí-la por um período de um a dois mil anos, de repente caísse ao som da trombeta do evangelho, como os muros de Jericó antigamente; que um propósito oculto de Deus, que havia sido velado e oculto por tantas eras, repentinamente emergisse e permanecesse claramente revelado aos olhos da humanidade em dois pontos remotos da terra; deve ter atingido com espanto as mentes dos judeus daquela época. O próprio São Paulo, após muitos anos de trabalho bem-sucedido como apóstolo dos gentios, não pode falar sem emoção e admiração da grande revolução na religião da humanidade. A admissão dos gentios como participantes da promessa de Deus em Cristo pelo evangelho, e como concidadãos dos santos e da casa de Deus, foi o grande mistério que em outras épocas não havia sido divulgado aos filhos. dos homens, mas foi finalmente revelado aos apóstolos e profetas pelo Espírito. Seu coração inchou, e sua expressão se elevou quando ele recitou: "A mim, que sou menos que o menor de todos os santos, é essa graça dada, para que eu pregue entre os gentios as insondáveis ​​riquezas de Cristo; e para fazer todos os homens verem." qual é a comunhão do mistério, que desde o princípio do mundo se escondeu em Deus, que criou todas as coisas por Jesus Cristo: com a intenção de que agora os principados e potestades nos lugares celestiais sejam conhecidos pela Igreja como múltiplos sabedoria de Deus, de acordo com o propósito eterno que ele propôs em Cristo Jesus, nosso Senhor "(Efésios 3:1-11). E certamente não devemos permitir que a familiaridade com esta dispensação da sabedoria divina produza em nós qualquer desprezo ou negligência de sua infinita importância. Os destinos da raça humana, em suas variedades de intelecto, civilização, credo, moral e instituições sociais e políticas, devem sempre ser uma questão da mais profunda preocupação para nós. Temos o conhecimento certo de que a porta do arrependimento e da fé é aberta a toda a humanidade. Sabemos que Deus não faz acepção de pessoas, e sabemos que Jesus Cristo morreu pelos pecados do mundo inteiro. Se a Palavra de Deus pudesse ganhar seu caminho em uma coorte de soldados italianos alojados em uma cidade oriental; se muita gente, na cidade dissoluta de Antioquia, se apossava de todo tipo de superstição e extravagância de vício, luxo e prazer, ouvia os ensinamentos de Barnabé e Saulo e era acrescentada ao Senhor; certamente não devemos ter coragem de nos comunicar com o mundo inteiro, sejam pagãos, ou maometanos, ou budistas, a Palavra da verdade que recebemos de Deus. Oh, por uma respiração simultânea do Espírito Divino, que pode acelerar almas mortas em todas as nações debaixo do céu, e fazer com que as Igrejas de Cristo brotem em vigor e beleza em todos os lugares escuros da terra, para louvor da glória de Deus. graça em Jesus Cristo!

HOMILIAS DE W. CLARKSON

Atos 11:1-18

Retificação e ampliação.

Não era de se esperar que uma inovação tão grande como a da livre comunhão com um gentio passasse incontestada em Jerusalém. Nem escapou às críticas e condenações dos "apóstolos e irmãos" ali (Atos 11:1, Atos 11:2). Da cena interessante e animada descrita no texto, concluímos:

I. QUE BONS HOMENS SÃO OCASIONALMENTE ENCONTRADOS FAZENDO QUE PARECE ALTAMENTE CENSURÁVEL PARA OS DEUSES. Mal podemos perceber a intensidade da indignação que respirava e brilhava nas palavras acusadoras: "Entraste em homens incircuncisos e comeste com eles" (Atos 11:3). Peter havia cometido um ato totalmente irregular e positivamente ilegal. O que ele quis dizer com isso? Sabemos que ele simplesmente seguiu as instruções que recebera de Cristo, e que ele não poderia ter agido de outra maneira sem absolutamente desobediência. Quantas vezes, em que diversas esferas, sob que condições diferentes, homens bons se viram colocados por seus muita fidelidade em uma posição de "contenção" (Atos 11:2) com seus irmãos, respeitando

(1) um ponto de doutrina (por exemplo, "a Reforma"), ou

(2) uma questão de governo da Igreja (por exemplo, a maneira pela qual a Igreja deve ser dirigida ou a relação em que deve estar com o poder civil), ou

(3) um método de evangelização, ou

(4) a posição que deve ser tomada em relação a outras comunidades cristãs! Nesses e em assuntos semelhantes, o melhor e o mais sábio dos homens ocasionalmente se vêem compelidos a enfrentar as fortes censuras daqueles com quem estavam em comunhão. É uma posição muito dolorosa ter que excitar a indignação dos homens bons, mas pode ser nosso dever claro e limitado.

II ENTÃO, UMA NARRAÇÃO SIMPLES DOS FATOS É A MELHOR DEFESA POSSÍVEL. "Pedro ensaiou o assunto desde o início e expôs-o por ordem" (Atos 11:4). Ele contou a história toda em sua simplicidade (Atos 11:5-16). Foi o suficiente: desarmou seus acusadores; eles não tinham nada para responder; eles aceitaram sua defesa; "Eles mantiveram a paz" (Atos 11:18). Se alguns deles foram além de deixar de reclamar, outros reconheceram que um novo passo foi dado e que a Igreja tinha justificativa para "seguir adiante". Muitas vezes, se não sempre, o mais sábio de todos os planos é deixar os fatos simples falarem por nós. Se nossos irmãos queixosos soubessem tanto quanto nós, eles não condenariam. Temos apenas que deixar entrar a luz, e seremos absolvidos e talvez elogiados.

III QUE DEUS VINDICARÁ SEUS PRÓPRIOS. O grande argumento de Pedro foi que ele havia feito tudo sob a direção divina (veja Atos 11:5, Atos 11:9, Atos 11:12, Atos 11:15, Atos 11:16). Ele resumiu tudo na consideração forte e avassaladora: "O que eu era para resistir a Deus?" (Atos 11:17). Por sua interposição acentuada e manifesta, Deus sustentara seu servo e dera a ele os meios de justificar sua conduta quando ela se apresentava ao tribunal de seus companheiros. Se a sabedoria nem sempre for justificada para os filhos de uma só vez, será a tempo. Para a vertical, surgirá luz na escuridão (Salmos 112:4). Deus pode desejar que seu servo se coloque em uma atitude de oposição a seus amigos e suportar a dor de seus golpes; mas ele por fim - mais tarde, se não antes - reivindicará aquele servo e dará a ele maior honra pela vergonha que sentia por sua vontade.

IV QUE DEVEMOS MANTER-NOS LIVRES PARA A EXCULPAÇÃO DOS HOMENS E PARA O NOSSO PRÓPRIO ALARGAMENTO ESPIRITUAL. Os apóstolos e irmãos tinham que reconhecer que Pedro estava certo e, ao mesmo tempo, receber em sua mente uma visão maior e mais nobre da verdade cristã. Felizmente, eles estavam livres para fazê-lo; caso contrário, haveria uma separação amarga e uma ruptura prejudicial.

1. Por mais que os homens de bem pareçam estar errados, lembremo-nos de que é possível que somos nós e não eles que estamos enganados. Podemos estar muito confiantes de que estamos certos, mas os mais positivos são os mais falíveis dos homens.

2. Vamos estar prontos para ampliar nossa visão como Deus nos dá luz. "Ele tem ainda mais luz e verdade para romper com sua Palavra." A sabedoria não habita conosco. Do tesouro celestial ainda há riquezas da verdade a serem dispensadas. Uma Igreja dócil estará sempre aprendendo e adquirindo. Existem alguns homens que, por sua teimosia culpada, bloquearão o caminho da carruagem de Deus; há outros que pegam as pedras e preparam o caminho que ela pode seguir rapidamente em seu curso benigno. Seja o espírito dos apóstolos e irmãos em Jerusalém, que, ouvindo e aprendendo, disseram: "Então Deus também concedeu arrependimento à vida aos gentios." - C.

Atos 11:19-26

Os muitos caminhos e a única obra de Deus.

É interessante ver como Deus trabalha de várias maneiras em direção a um fim, e como, desde o primeiro dia da era cristã, ele tem agido no mundo e na Igreja, fazendo com que tudo se mova para uma questão gloriosa.

I. OS MUITOS CAMINHOS DO TRABALHO DE DEUS. Podemos ser lembrados:

1. Como ele derrota seus inimigos. "Os que estavam espalhados no exterior após a perseguição ... viajaram ... pregando a Palavra", etc. (Atos 11:19). Se os inimigos da verdade tivessem sido seus melhores amigos, eles não poderiam ter seguido um curso mais favorável à sua circulação e estabelecimento do que aquele que eles tomaram. Deus anula os desígnios de seus inimigos e transforma seus ataques ao reino em apoio real. Repetidas vezes a inimizade, a crueldade, a violência, a astúcia do pecado foram compelidas a preservar os interesses da justiça. A travessura fere o grão da verdade, mas, ao fazê-lo, semeia sementes vivas das quais uma grande colheita se elevará.

2. Como ele ensina seus 'demônios'. Os que foram espalhados pelo exterior foram "pregar a Palavra a ninguém, senão somente aos judeus" (Atos 11:19). Eles não entendiam que o evangelho era destinado à humanidade: essa era uma ampliação de visão que a Igreja Cristã deveria então obter. Seu Mestre Divino teve que ensinar a lição mais necessária. Como ele deveria fazer isso? Ele poderia ter feito isso

(1) pela inspiração direta de seu Espírito Santo; ou

(2) manifestando-se a algum dos apóstolos e transmitindo através dele sua mente sobre o assunto. Mas ele escolheu fazer isso

(3) pelo ensino de sua providência. "Alguns deles" - não sabemos quem, alguns cujos nomes estão perdidos e nunca serão descobertos - alguns homens de Chipre e Cirene ", quando chegaram a Antioquia, falaram aos gregos [não 'gregos'], pregando, o Senhor Jesus. " E esse trabalho irregular e imprevisível provou ser maravilhosamente bem-sucedido (veja Atos 11:21). Quando a Igreja em Jerusalém ouviu falar desses procedimentos não autorizados, eles enviaram Barnabé para investigar o assunto (ver Atos 11:22). A nobreza de seu caráter e a excelência de seu espírito triunfaram sobre a estreiteza de seus pontos de vista e, em vez de negar e desencorajar a obra, ele reconheceu sua origem divina e a elevou ao auge de seu poder. E, assim, o selo da sanção apostólica foi fixado no objetivo mais amplo e na maior esperança. Assim, Deus nos leva ao seu reino da verdade. Ele nos coloca em tais circunstâncias que tomamos as medidas corretas sem perceber todas as conseqüências nelas envolvidas, e então nossas convicções aumentam o auge de nossas ações.

3. Como Deus usa seus servos. "Então partiu Barnabé ... para procurar Saulo" (Atos 11:25). Barnabé serviu a Deus e sua raça de uma maneira, Saul de outra. Barnabé não era o homem a fazer o que Paulo depois fez. Ele não possuía a faculdade literária evangelizadora, organizadora e organizadora em nada parecido com o mesmo grau em que seu ilustre colega a possuía. Mas ele serviu a Igreja e o mundo à sua maneira. Foi uma contribuição valiosa para a causa de Cristo e do reino de Deus introduzir o convertido desconfiado na confiança da Igreja (Atos 9:27) e dar-lhe tais uma abertura para o exercício e treinamento de seus variados poderes, como ele agora desfrutava em Antioquia; foi um serviço eminente e precioso, portanto, colocar em pé e trazer ao primeiro plano o homem que deveria ser o meio de realizar o trabalho que Paulo realizou para a humanidade. Que serviço incomensurável os pais, mães e professores de nossos grandes reformadores, evangelistas, pregadores etc. deram sua raça! Outros homens têm outras esferas para preencher; a de Paulo era a esfera da atividade abundante. Podemos ter certeza de que ele tinha muito o que fazer durante esses doze meses em Antioquia, "ensinando muitas pessoas" (Atos 11:26). Alguns em cenas mais calmas, outros em cenas mais ativas; alguns em virtude do intelectual, outros por meio de dons morais e espirituais; alguns por sua influência sobre alguns homens influentes, outros por sua ação sobre a multidão; alguns imprimindo suas convicções sobre os homens por apelo pessoal direto, outros organizando e organizando; todos no caminho escolhido por Deus e agradável a ele, desempenham seu papel e realizam seu trabalho na hora da oportunidade.

II A ÚNICA OBRA DE DEUS. Em Antioquia, tornou-se conveniente distinguir os convertidos à nova fé por algum nome que os distinguia dos judeus; eles foram chamados "cristãos". É uma marca que fala da maré crescente da verdade. Isso nos lembra que Deus estava elaborando um grande projeto, muito, muito além da elevação de uma nação favorecida, a saber. a redenção de toda a raça humana pela fé em Jesus Cristo; ele estava e está empenhado em "reconciliar o mundo consigo mesmo em Cristo". - C.

Atos 11:27-30

A graça de Deus e nosso bem-estar.

A referência, nesses versículos, a "uma grande escassez em todo o mundo" (Atos 11:28), e ao envio de alívio pelos discípulos, de acordo com suas diversas habilidades , aos irmãos na Judéia (Atos 11:29), pode sugerir-nos pensamentos sobre a provisão que Deus fez para nós em sua bondade divina e também em sua sabedoria divina. Nós olhamos para-

I. SUA DISPOSIÇÃO PARA O NOSSO BEM-ESTAR TEMPORAL. As grandes multidões da humanidade, as centenas de milhares de milhões de pessoas são alimentadas, ano após ano, idade após idade; e muitas centenas de milhões a mais poderiam ser sustentadas se todo o uso fosse feito, que poderia ser uma das oportunidades abertas para nós. Deus, em sua generosidade, fornece o que queremos

(1) solo frutífero e extensivo,

(2) conjunto multiplicador,

(3) conhecimentos agrícolas (Isaías 28:26),

(4) materiais para implementos de criação,

(5) todas as agências de nutrição e amadurecimento.

II SUA CONSIDERAÇÃO DE NOSSA PIETY. Deus nos dá nosso pão, nossa manutenção, de tal maneira que somos quase obrigados a reconhecer sua mão na colheita. Evidentemente, não produzimos o solo nem fizemos a semente; evidentemente, não podemos fazer com que fertilize e cresça; evidentemente é o sol que brilha e a chuva que cai sobre os nossos campos. Os processos comuns pelos quais a semente é multiplicada são tais que direcionam nossos olhos para o céu. E, muitas vezes, em sua sabedoria, ele segura sua mão, retira o sol ou retém suas nuvens, envia fome como "nos dias de Cláudio César" (Atos 11:28 ), e então os homens são forçados a lembrar que há trabalho sendo feito no solo e no céu que eles não podem controlar e em relação aos quais devem olhar para Deus, o Doador de todos, cuja terra é a sua plenitude. , e peça a ele, e suplique a ele, e, se possível, humilhe-se diante dele.

III SUA consideração pelo bem-estar intelectual e moral.

1. Intelectual. Deus nos ensina (Isaías 28:1-29.), Mas ele deixa muito a ser descoberto por nosso próprio trabalho mental. A agricultura fornece um campo muito amplo e muito nobre para observação, experimento, artifício; ele tarefa e treina a mente.

2. moral. Não podemos garantir nossas colheitas sem

1) indústria,

(2) combinação

(3) paciência (Tiago 5:7). A abundância, e de fato superabundância, da produção da Terra é tal que

(4) existe o suficiente para o suprimento de pessoas envolvidas em outras atividades; portanto, há espaço para todos os tipos de trabalho além do da agricultura - para a busca da arte e para o ensino da verdade religiosa e o treinamento na vida religiosa. Aqueles que receberam o pão da vida eterna dos lábios de outros podem fornecer, como Antioquia agora fornecia a Jerusalém, o pão desta vida temporal àqueles a quem eles estão sob obrigação espiritual. A abundância que prevalece em alguns distritos - e a fome nunca é universal - dá a oportunidade de

(5) mostrando bondade prática. Nesta ocasião, havia na Síria o suficiente para sua própria necessidade e para a angústia na Judéia, e os cristãos de Antioquia contribuíram para suprir as necessidades dos que estavam em Jerusalém.

Deveríamos:

(1) receber as misericórdias temporais de Deus com a gratidão que pertence à piedade;

(2) distribuir nossa abundância àqueles que nos reivindicam, seja por causa dos favores espirituais que eles conferiram ou em virtude de sua necessidade especial. - C.

HOMILIES DE E. JOHNSON

Atos 11:1-18

O espírito da seita e o espírito do evangelho.

I. SUSPEIÇÕES SETORIAIS. Na Judéia, está a sede desse espírito sectário. Lá, ele se centra e irrita. As próprias notícias que enchem o espírito generoso de alegria enchem o sectário de ciúmes. Eles ouvem que os gentios receberam a Palavra de Deus. Boas noticias! Que pena que alguém os deva considerar de outra maneira! Mas, para as idéias do sectário, qualquer mudança é terrível, que ameaça derrubar a cerca e o muro da seita e obrigá-lo a ampliar a extensão de sua comunhão. Então os sectários brigam com Pedro. A acusação deles é que ele visitou os pagãos incircuncisos e comeu com eles.

II A VERDADE ELICITADA PELA OPOSIÇÃO. Deus anula todas as coisas para o bem, faz com que a ira do homem o louve, traz a verdade para uma manifestação mais clara pelos próprios meios de resistência a ela. Não sejamos muito severos com o sectário, se ele for honesto em sua oposição. Muito mais pernicioso o amigo hipócrita do que o inimigo sincero e sincero. Se todas as inovações fossem submetidas a doações sem investigação, o progresso não seria tão sólido. É superando os objetores que a verdade triunfa, não os silenciando. E, novamente, os fatos são os melhores argumentos. Mais uma vez, Peter relata a visão em Jope. Para superar as objeções dos outros, a melhor maneira é mostrar como nossas próprias objeções foram superadas. O grande ponto de oposição é a repugnância, inata e fortalecida pela educação, do judeu a certos objetos vistos por ele como comuns ou impuros. A grande dificuldade de superar o sentimento está no fato de ele estar entrelaçado com todas as melhores associações da mente. O homem, tendo aprendido a idéia de santidade por meio de uma nítida distinção física, teme que ele próprio perca a idéia se essa distinção for obliterada. Não há meros argumentos em palavras. Mas Peter pode exibir o argumento dos fatos. Seu encaixe um no outro com uma lógica divina invencível não pode ser negado nem refutado. A coincidência da revelação ao centurião e a Pedro já foi mencionada nas seções anteriores. O fim é a queda do Espírito Santo sobre os discípulos no exato momento em que os judeus e os gentios são reunidos e Pedro abre a boca para falar.

III A VERDADE DO PRESENTE ILUMINA AS DECLARAÇÕES PROFÉTICAS DO PASSADO. Palavras profundas no significado dormem na mente até que o evento revelador ocorra. Então eles são repentinamente vivificados e começam com todo o seu poder. Pedro se lembra da palavra do Senhor no batismo do Espírito Santo. É um contraste com o de João na abertura da era evangélica. Ultrapassou o de João, pois o positivo supera o negativo; a entrada na bênção, a negação e a saída do mal. A conclusão, então, do todo é que os fatos são irresistíveis. Nestas residem as claras sugestões da vontade providencial. Nem apóstolo nem anjo podem lutar contra modismos, se referem ao mundo exterior e são interpretados pela lei científica, ou ao mundo interior e são conhecidos pela alma devota como revelações e inspirações. O gentio é colocado em igualdade com o judeu em referência às bênçãos do evangelho; um não fica no vestíbulo, o outro no interior do novo templo, mas ambos estão reunidos no coração de Deus, que nos reconcilia consigo mesmo por Jesus Cristo. Uma fé comum nele confere a todos nós o nome de "filhos de Deus" e, portanto, irmãos entre si: "Vocês todos são um em Cristo Jesus". Assim, quando chega a hora, Deus silencia controvérsia, faz com que apenas sua voz seja ouvida e, atualmente, gera uma explosão de louvor dos corações humanos. Sim; no fundo, o coração ama a verdade e anseia pela revelação do amor. "Deus então deu às nações o arrependimento para a vida!" Os sinais dos tempos apontam para uma revolução semelhante do espírito amplo e generoso do evangelho. Que estejamos prontos para enfrentá-lo, e não seja encontrado entre os que lutam contra a luz e lutam contra Deus, mas entre os que anunciam com alegria e gratidão a aproximação do novo amanhecer; pois o Sol da Justiça surgirá para aqueles que temem o seu Nome com cura nas asas. - J.

Atos 11:19-26

Fundação da Igreja em Antioquia.

I. AS CAUSAS SECUNDÁRIAS DA FUNDAÇÃO. Os cristãos foram dispersos pela perseguição. E assim houve um fluxo de fiéis através da Fenícia, Chipre e do distrito de Antioquia, encarregados da mensagem divina, seminários vivos da palavra de amor. A perseguição, ao desmembrar comunidades, difunde seu conteúdo espiritual, como quando a caixa de precioso unguento é quebrada, um perfume doce é difundido no exterior. Como regra, esses emissários se dirigiam apenas aos judeus. Mas havia alguns que haviam apreendido a verdade maior do evangelho e do tempo, e proclamado o evangelho também aos gregos. No dia de Pentecostes, os homens de Cirene são nomeados como presentes, testemunhas do poder do Espírito Santo. Eles estão mais bem equipados para levar o evangelho a seus compatriotas do que aos judeus. Deus sabe onde encontrar os trabalhadores adequados para qualquer colheita que esteja amadurecendo.

II O SUCESSO DA MISSÃO. A mão do Senhor, o poder Divino, estava com eles e, em grande número, convertidos e crentes estavam chegando. A mão do Senhor nunca está estendida quando sua bênção é buscada, seus mandamentos obedecidos? Por todos esses detalhes profundamente interessantes, não vemos claramente que Deus exige cooperação humana? Amarramos as mãos de Deus - para usar uma figura ousada - quando não entregamos fielmente a sua verdade, a verdade que o tempo está nos oferecendo para pronunciar. Foram os generais e a aplicação mundial do evangelho que foram seguidos pela sanção e bênção divina. Como era então, podemos esperar que seja agora e sempre.

III A VISITA DE BARNABAS.

1. A Igreja de Jerusalém, levando o progresso da verdade em Antioquia, envia Barnabé para lá. Eles são dispostos de outra maneira do que em uma ocasião anterior (Atos 11:1, sqq.). Peter teve então que enfrentar uma tempestade de objeções a manter relações sexuais com os pagãos. Mas agora a mesma Igreja envia sem hesitação Barnabé para promover o bom trabalho. Assim, gradualmente, Deus desdobra seus caminhos, e a oposição cede diante de seus conselhos manifestos, à medida que o frio do gelo neva diante do sol da primavera.

2. E quando Barnabé viu a graça de Deus, ficou satisfeito. O olho espiritual discerne as coisas espirituais. Como Deus não faz acepção de pessoas, nem é quem vive na comunhão da mente de Deus. Não se trata do instrumento humano, mas dos resultados divinos; não dos canais da graça, mas daquela pura graça em si.

3. Barnabé prova ser fiel ao seu nome e caráter e prova de aptidão para a missão. Bom e santo, suas exortações tendem à bondade e santidade. Apeguem-se a Deus com todo o propósito do coração. Sempre um conselho salutar - seguir a mesma regra, pensar na mesma coisa, permanecer nos velhos modos e procurar os caminhos bem trilhados. A religião é uma atitude da alma, um hábito da vontade. O constante Objeto Divino requer constância em nós; sejamos fiéis a ele como o ímã do poste. É bom ser cristão, melhor ser cristão, o melhor de tudo é perseverar como cristão e herdar a promessa da coroa, da vida. Aqui também vemos as qualidades do verdadeiro professor - serem boas e retas nas conversas da vida, cheias da santa confiança que a fé inspira e daquela inspiração contagiosa que a habitação de Deus transmite.

IV O RESULTADO DA BÊNÇÃO. Uma "multidão considerável adicionada ao Senhor". E isso, ao que parece, em consequência da visita de Barnabé. Quão poderoso é o poder de uma vontade energética, de um coração fiel, de um homem que pode dizer com todo o coração: "Creio", e cuja vida apóia sua palavra! O trabalho é tão bem-sucedido, tão cheio na rede do pescador do evangelho, que Barnabé precisa procurar a ajuda de Saul. Outra prova do temperamento puro e humilde de Barnabé. Evidentemente, ele não queria se tornar o grande homem de Antioquia. A grandeza do trabalho e de seu mestre absorveu seus pensamentos. Nem Saul se empurra para a frente, mas vem quando é procurado. É uma figura de amizade e camaradagem a serviço de Cristo. Platão rapsodizou o esforço conjunto de duas almas em busca do conhecimento e da verdade; mas mais nobre e mais doce é o esforço conjunto de duas almas para servir o Salvador dos homens e promover seu reino de paz e amor nas almas. Ano memorável nos anais do cristianismo! Aqui estavam os discípulos primeiro chamados cristãos - seguidores de Cristo, do Ungido; ungidos pelo mesmo Espírito e para a mesma obra da vida. Voltemos à origem do nosso nome, para que possamos entender seu significado. As notas do verdadeiro cristão são e sempre foram, a unção do Espírito Santo e com poder, e a vida vista como ocupada, como a do Mestre, em "fazer o bem". - J.

HOMILIES BY R.A. REDFORD

Atos 11:1-18

A Igreja de Deus estabeleceu o novo fundamento da liberdade.

I. O único fundamento estável da Irmandade Espiritual. Confiança mútua. Dependência comum do Espírito de Deus. Discurso livre. Compreensão total da regra da vida. O próprio Pedro não pode violar os princípios aceitos sem ser chamado a prestar contas. Ele explica e justifica francamente sua conduta. O velho fermento do judaísmo estava em ação; mas o antídoto estava lá - obediência ao Espírito.

II As verdadeiras condições do AVANÇO ESPIRITUAL. O indivíduo não se despotou em silêncio, mas chamou seu verdadeiro lugar como membro da comunidade, membro do corpo, suprindo sua porção de nova luz. O padrão de referência, não a Opinião particular de Pedro, ou a decisão da Igreja após discussão, mas a manifestação do Espírito em fatos e testemunhos indubitáveis. Havia sete testemunhas confiáveis. "Quem era eu para resistir a Deus?" Diferença entre essa revelação e essas afirmações privadas e isoladas de inspiração, como a de Swedenborg e outras.

III O rompimento da "parede central da partição" entre judeus e gentios; Glória a Deus. A velha circuncisão substituída pelo novo batismo. Arrependimento concedido a todos. O dom gratuito do Espírito.

Atos 11:19-26

Um novo centro de trabalho evangelístico. Antióquia.

Outro domínio sobre o mundo gentio. Mais importante que Cesareia. Ao lado de Alexandria. Cultura intelectual; comercial. Uma esfera preparada para Saul.

I. O MINISTÉRIO EMPREGADO. Agência leiga. Perseguição obrigando a Igreja a ampliar suas fronteiras. As circunstâncias que abrem a porta para os gentios. Provavelmente pouco sucesso entre os judeus. As multidões de gregos em Antioquia. A mente grega se preparou para a investigação. O estado do mundo pagão bem representado lá.

II O TESTEMUNHO DIVINO DADO. A mão do Senhor com eles. O Espírito derramou. Possivelmente não tanto em sinais milagrosos, mas em conversões.

III A MENSAGEM PREGADA. "O Senhor Jesus." Não especulações para capturar filósofos, mas fatos para apoderar-se de corações, não pregados em tom de autoridade eclesiástica, mas por leigos cheios do Espírito Santo.

IV OS DOIS CENTROS UNIDOS - JERUSALÉM E ANTIGO. Ministério apostólico e agência leiga. Barnabas, um homem representativo intermediário. O tipo de homem necessário; não negligente em suas visões da verdade, mas "um homem bom", cheio de espírito bondoso, um homem inspirado, um crente firme. Assim, a expansão da Igreja não era rasgar o corpo de Cristo, mas o simples crescimento, a vida espiritual buscando seu desenvolvimento.

V. A ESCOLA DA IGREJA ABERTA. Antioquia, um grande centro catequético. Barnabé visava instrução e edificação, para que se apegassem ao Senhor. Ele chamou Saul, que era mais eminentemente adaptado do que ele para trabalhar nessa esfera. A humildade de ambos os homens exemplificou. Ambas equipadas para serem mestres, porque ambas são simples. O ensino deve acompanhar a evangelização, ou o trabalho será fragmentado. Um ano inteiro eles ensinaram muita gente; daí a sua firmeza em Antioquia.

VI O TESTEMUNHO DO MUNDO À NOVA VIDA. "Chamados cristãos". Antioquia viu surgir uma sociedade distinta; deu-lhe um nome, separou-o em pensamento, tanto do judaísmo quanto do paganismo. Reconheceu que a substância disso era Cristo; que seus membros eram como Cristo e viviam para Cristo. A nomeação providencial do nome sinalizou o novo começo da Igreja em sua missão, com Saul à frente, para evangelizar o mundo. Uma linha interessante de progresso de Jerusalém para Antioquia. Orientação divina.

Atos 11:26

O nome cristão.

"E os discípulos foram chamados cristãos primeiro em Antioquia." Três grandes cidades identificadas com a história cristã de uma maneira especial - Jerusalém, Antioquia e Roma. O nascimento da religião; seu triunfo em plena masculinidade sobre o mundo; e entre esses dois pontos, seu batismo como religião do Oriente e do Ocidente. Descreva a posição e a influência da cidade. O nome não dado pelos judeus, como reconhecimento de que Jesus era o Messias. Não pelos discípulos, como outros nomes em uso - "crentes ... irmãos", "santos", "amigos". Nem pela direção divina. Era um nome de censura ou uma designação conveniente de uma sociedade em rápido crescimento. Considerar-

I. O nome dado.

1. Pessoal, testemunhando a preeminência de Cristo na primeira pregação. Os fatos vieram antes das doutrinas, como sempre deveriam.

2. Um nome de distinção. Separação do mundo. Batismo em seu nome. Adoração a Cristo. Espírito de Cristo. "Veja como esses cristãos se amam." Contraste com o mundo pagão.

3. Profético. Cristo esperava voltar. Juiz de toda a terra. Desânimo a principal característica do paganismo. Os cristãos pregavam esperança. A ressurreição e ascensão. Não como os outros, filhos da noite, mas filhos da luz.

II O nome honrado. "Chamados cristãos".

1. A vida deve ser evidente antes de ser nomeada. A regeneração batismal é condenada por esse fato.

2. Se o mundo olhar para a vida, ele o nomeará; vamos fazer com que ele o nomeie após Cristo. Deve ser o sinal da conversa e o testemunho de um trabalho espiritual.

3. O privilégio é usar o nome. Temos vergonha disso? Discípulos secretos uma anomalia. Conecte a profissão ao ensino de Antioquia, e o próprio nome será uma publicação da verdade.

4. Não é o que somos chamados que decidirá nosso estado final, mas o que somos. Deixem todos os que nomearem seu nome afastem-se da iniqüidade. "Cristandade" é uma zombaria vazia. Busque o batismo do Espírito Santo.

Atos 11:27-30

Simpatia prática entre judeus e gentios.

I. O teste da UNIÃO REAL deve ser um apelo ao auto-sacrifício. Antioquia era rica; A Judéia era pobre. Os profetas vieram de Jerusalém; o retorno foi um alívio enviado aos irmãos pobres, tanto como sinal de obediência ao Espírito quanto como penhor da futura unidade. Não havia mais evidências decididas de que os convertidos gentios estavam realmente incorporados à Igreja apostólica.

II O elemento profético bastante consistente com a manutenção de uma ordem estabelecida na vida espiritual. As extraordinárias manifestações do Espírito devem ser distinguidas da obra comum da Igreja. O alívio recebido foi enviado aos "anciãos". As mãos de Barnabé e Saulo o carregaram. Assim, a nova comunidade gentia em Antioquia não se separou do centro original em Jerusalém. O objetivo de Saul não era reconhecer aqueles que o haviam precedido; mas, mantendo cuidadosamente a conexão, preservando a independência.

III O princípio da caridade da Igreja. "Todo homem de acordo com sua capacidade." "Deus ama um doador alegre." Nenhum sinal de taxa eclesiástica. Até a Igreja se tornar corrupta, ela não precisaria de nenhuma outra lei além da lei espiritual.

HOMILIES BY P.C. BARKER

Atos 11:18

Uma reunião modelo da Igreja.

Os piores obstáculos à propagação do cristianismo e ao seu domínio sobre o mundo sempre foram encontrados, não tanto a oposição nativa do coração humano, nem o conflito direto com Satanás e com o pecado, mas com os conflitos indiretos que envolvem por:

1. As inconsistências dos cristãos em sua vida individual.

2. As "contendas" dos cristãos em sua vida mútua ou coletiva. Temos diante de nós um exemplo ameaçador deste último tipo e um exemplo agradável da maneira como foi evitado. Aviso prévio-

I. UMA AMEAÇADORA INSTÂNCIA DE CONTENÇÃO ENTRE UM CORPO DE CRISTÃOS. Lemos que "quando Pedro subiu a Jerusalém, os que eram da circuncisão disputaram com ele". Embora a mudança mais desfavorável da palavra como agora usada por nós não precise ser pressionada, ela certamente implica, como está, insatisfação com o que ele havia feito, e não com a maneira mais gentil ou mais suave exibida ao chamá-lo para prestar contas.

1. As contendas nas comunidades cristãs são justificáveis ​​em seu princípio mais simples. Não é preciso dizer deles, como ofensas: "Ai daquele por quem vierem!" embora possa dizer, quase, quase que deles, que "virão". É por esse motivo, porque a Igreja na Terra é, como entre seus próprios membros, seu próprio guardião. Reconhece a liderança de Cristo. Ele reconhece a regra do Espírito. Não reconhece nenhum senhor terreno, nenhum vigário de Cristo, nenhuma autoridade soberana terrena. Por isso, é responsável por sua própria doutrina e por sua própria disciplina sob seus próprios limites. E investigação, debate, sim, toda a formalidade do julgamento judicial (de modo que nem motivos, métodos nem armas são carnais) estão dentro de sua província.

2. As contenções dentro das comunidades cristãs geralmente surgem em algum terreno plausível, para dizer o mínimo. Certamente era assim agora. É altamente importante discriminar, tanto quanto possível, o que é realmente legítimo e o que é meramente plausível. Dos primeiros são -

(1) zelo pela doutrina das escrituras e fatos revelados;

(2) zelo por uma vida santa e consistente.

Mas do segundo são

(1) mero amor ao precedente;

(2) atribuição de motivos;

(3) caridade geralmente escassa.

3. As contenções nas comunidades cristãs fixam uma responsabilidade severa sobre quem as mexe, apenas perdendo para aquelas que as causam, quando isso é realmente feito.

4. As contendas nas comunidades cristãs exigem tanto, tão solenemente quanto qualquer posição na vida, singularidade dos olhos e consciência pura. Sentimento, sentimento pessoal, sentimento de festa, sentimento sacerdotal e até a perfeição de um preconceito ignorante, provavelmente, na mais triste preponderância da história, pisotearam profanamente o chão e o fizeram com tristeza. Tampouco há mais hipocrisia oca, mais zombaria miserável, blasfêmia mais ofensiva do que quando esses zelos falsificados pelo Senhor dos Exércitos e uma consciência pura e sensível.

II UM GRANDE EXEMPLO DO MÉTODO PELO QUE FOI EVITADO. São necessárias duas pessoas para fazer uma barganha e duas para fazer uma briga; e, para que uma reconciliação seja genuína e tenha os elementos duradouros, ambas as partes devem fazer sua parte. Era assim agora.

1. Pedro fez o que estava nele para remover a causa da ofensa e explicar a dificuldade.

(1) Ele parece ter sido tributado de maneira um tanto à queima-roupa. No entanto, ele não se recompõe, apesar de se controlar. Ele não se sustenta em sua dignidade e não recusa nenhum relato de si mesmo ou de suas ações até que seja abordado de um modo um pouco mais ameno e mais respeitoso.

(2) Ele não afirma simplesmente que o que ele havia feito, ele havia feito sob uma convicção avassaladora "de dever" - uma frase entre as frases mais morais abusadas.

(3) Ele não afirma positivamente, apesar de ter o direito de conhecê-lo, que o que ele fez foi certo e correto, e não há duas opiniões sobre o assunto com qualquer homem de entendimento e princípio.

(4) Descartando todos os começos irritantes e agravantes, ele até renuncia a qualquer expressão de reivindicação à confiança dos "irmãos" e, em vez disso, conciliando imediatamente conta sua história. Ele conta tudo do começo ao fim de forma sucinta. Ele narra as revelações feitas a ele (Atos 11:5-10). Ele afirma os fatos, que poderiam ser facilmente refutados se incorretos (Atos 11:11). Ele testemunha seus companheiros "seis irmãos", que foram testemunhas de tudo o que ele havia feito, e estavam agora na posição de testemunhas para ele (Atos 11:12). Ele tenta a memória deles apenas citando a sua (Atos 11:16). E, para encerrar, ele não pronuncia um veredicto dogmático por si próprio, mas pede um veredicto, e se seus ouvintes pensam que o caso admite qualquer veredicto diferente do que ele tinha em sua conduta praticamente dado. É digno de nota o quão diferente o resultado poderia ter sido se Peter tivesse, em um tom de hectoring, começado com esta pergunta. Mas ele não começou com isso; e quando, com gentileza cristã, ele agora se fecha, todos estão prontos em sua resposta para absolvê-lo da culpa. Eles vêem com os olhos e são um com ele.

2. Por outro lado, aqueles que a princípio haviam questionado peremptoriamente a conduta de Pedro podem ser observados com algum elogio agora. Presumivelmente, esses eram alguns de seus colegas "apóstolos e irmãos" (Atos 11:1, Atos 11:2). E de sua disposição, deve-se notar favoravelmente que:

(1) Se eles começaram a se enganar um pouco no que diz respeito ao seu tom, eles não persistem nele. O ferido é frequentemente o último a ceder e perdoar. A ocorrência é tão frequente e cheia de malícia, que isso pode ser chamado de um dos "artifícios de Satanás", que até os homens cristãos se apegam ao que disseram, muito menos ao assunto, porque já tiveram uma vez. disse de uma maneira errada. Os olhos, a mente e o coração ficam selados em deferência a um fato humilhante, que emitiram tanto som em tom errado. Bem, esse não era o caso agora com aqueles que chamaram Peter para prestar contas.

(2) Eles dão a Peter um paciente, e sem dúvida o que logo se tornou uma audição fascinante.

(3) Eles aceitam inquestionavelmente todas as afirmações que ele faz, na medida em que pretendiam ser uma afirmação de fato. Não há queixas nem tentativas de questionamentos cruzados. Isso era devido a Pedro em qualquer circunstância. Mas até os irmãos cristãos são, às vezes, cautelosos em matéria de justiça um com o outro.

(4) No ponto de escoamento correto, eles produzem com entusiasmo. "Manter a paz" foi uma grande vitória da bondade. Melhor do que isso, enquanto eles "mantêm a paz" de culpar Pedro, eles abrem a boca para "glorificar a Deus", seu modo de produzir revela a verdade e a honestidade neles a princípio, se mesmo eles se manifestavam de alguma maneira um pouco. sem cerimônia. Dúvida, perplexidade, um pouco de irritação, sobrancelha nublada, tudo se passou em um momento. Ansiedade e desconfiança reprimidas são aliviadas. Eles ficam felizes em ouvir e serem persuadidos pelas coisas agora "ensaiadas para eles" de Pedro. Eles não são invejosos e ainda exclusivos, mas acolhem a admissão da grande irmandade gentia na família de Deus e o "arrependimento para a vida". E o final dessa reunião foi paz e alegria - sim, paz e alegria no Espírito Santo. Podemos deixar que nossos melhores sentimentos fluam e nossa imaginação mais elevada brinque enquanto pensamos na reconciliação, calorosa e não fingida, que aqueles momentos felizes testemunharam entre Pedro e os irmãos. Tampouco duvidaremos que, por sua fidelidade e consistência inabalável em um momento tentando "má denúncia", ele passa a ser mantido em maior honra e confiança mais segura pelos mesmos irmãos.

Atos 11:23, Atos 11:24

As surpresas da graça de Deus.

Cerca de seis ou sete anos se passaram desde o martírio de Estevão e "a perseguição que surgiu sobre Estevão". Os ventos da perseguição haviam agora produzido amplamente as sementes da verdade e da fé cristãs. Somente no "terreno" dos corações judaicos, porém, a maior parte desse tempo havia caído a semente, na medida em que as intenções e propósitos dos homens a haviam espalhado. Em casos individuais, no entanto, inevitavelmente havia caído em outro lugar; e, além disso, como transportado por alguns "gregos" do número de "dispersos", foi concedido livremente, pelo menos por estes, a gregos novamente, que não eram dos puros "hebreus" e nem dos "circuncidados" . " Muitos "gregos" assim "creram e voltaram-se para o Senhor" (versículo 21). A história sagrada volta, em certo grau, aos seus passos para falar sobre essas coisas e registrar, após o sinal dado da plenitude dos gentios que foram trazidos, como estava, entretanto, se saindo com esses gregos mais indefinidos. Há um certo grau de enigmático nesses dois versículos. Para remover isso, ao mesmo tempo, revelará a verdade que o Espírito pode ter pretendido ensinar neste lugar. Parece que estamos vendo ...

I. UM ELEMENTO DE AUTORIDADE ECLESIÁSTICA. As "notícias" que, presumivelmente, eram do melhor tipo e que só podiam significar boas, aparentemente não são recebidas como tal e são visitadas com algum tipo de escrutínio. Os fatos são exatamente assim. Mas deve-se notar que a autoridade que se moveu foi aquela que se moveu, e não é um exemplo de uma autoridade eclesiástica usurpadora individual. A autoridade não é arbitrária ou de mão externa. É a própria igreja. E é a Igreja que delega alguém evidentemente em alta honra, embora não seja apóstolo, para percorrer uma longa distância para investigar as "novas" que chegaram a Jerusalém.

II UM EXERCÍCIO INOPORTUNO DA AUTORIDADE ECLESIÁSTICA. Se as notícias lhes eram boas, credíveis na natureza das coisas, ou melhor, na natureza do que a Igreja agora bem sabia ser a operação do Espírito Divino, por que a Igreja precisa assumir a atitude de cautela? a ação de aparente suspeita?

1. É muito grato notar o primeiro exercício de poder infantil e discrição da parte da Igreja. Isso aprendeu em parte "de cima", em parte também por sua própria experiência amarga e humilde. Ele já tinha os infiéis dentro dele e as tentativas do pior mundanismo (como no caso de Simon Magus) de entrar em seu rebanho sagrado.

2. A verdadeira essência da ansiedade e do questionamento proposto se voltaram, sem dúvida, para esse grande novo evangelho que agora estava chegando sobre aqueles que haviam recebido o evangelho com muita ação e que apenas abalaram sua fé (se isso abalasse sua fé). fé) para que não seja grande demais, boa demais para ser verdadeira. As "obras poderosas" de Deus estão sendo realizadas sobre todos os gentios e gregos, como no dia de Pentecostes em Jerusalém. Bem, que a Igreja pare e se desvie para ver esta grande visão e descobrir com certeza que não é uma visão e que eles não sonham.

3. A Igreja, como os resultados provaram, não agiu por mera cautela ou por mero esclarecimento, principalmente por amor a críticas frias e suspeitas, mas, se as coisas fossem reais e verdadeiras, também para dar a destro da comunhão com aqueles que, como seus próprios membros atuais, foram "chamados".

III UM CRITÉRIO ESPECIAL PROCURADO POR BARNABAS, E O GUIANDO. Não há detalhes na página para nós, nenhuma instrução selada é mencionada, nenhuma instrução aberta, nem sugestões de despedida; e nada é dito sobre todos os pensamentos e sentimentos que se perseguiam ou em meio aos quais a própria alma de Barnabé refletia enquanto viajava para longe. Não; mas não somos deixados sem a pista necessária. Ele chegou ao seu destino e, aparentemente, não detém nem se oferece para realizar nenhum tribunal, e chama testemunhas, e investiga de maneira inquisitiva e inquisidora o estado das coisas. Com um olho grande e aberto, ele examina a cena. Ele olha e vê as provas da "graça de Deus" dada a eles em Antioquia, até mesmo dos "incircuncisos". Ele escuta e ouve os sons que atestam "a graça de Deus" dada a eles. Ele se mistura com eles e vê as obras que ninguém poderia fazer a menos que "a graça de Deus" lhes fosse dada. E ele está satisfeito. A árvore é conhecida por seus frutos, e não pode haver erro quanto ao que são os frutos agora. Queria que a mesma simplicidade do método de julgar um ao outro fosse o único método conhecido e seguido agora e sempre! Pois esta bela expressão, "a graça de Deus", não representa meros sentimentos e experiências ou profissões dos mesmos, mas sim aquelas "obras" e "frutos do Espírito" que somente poderiam advir da graça transmitida por Deus. .

IV A MUITO ALEGRIA DO CORAÇÃO DE UM HOMEM SANTO. Diz-se enfaticamente: "Ele estava feliz".

1. Foi um alívio para uma mente ansiosa e indagadora, sobre um assunto de interesse emocionante. Como isso pesou na mente de Barnabé durante toda a sua jornada - a pergunta em si e sua responsabilidade como delegada a examiná-la!

2. Foi um alívio para Barnabas pensar que ele pudesse falar com tanta confiança, e em nenhum tom hesitante, com aqueles que o enviaram, quando ele deveria prestar contas a eles.

3. Foi uma alegria para o coração dele pensar em como finalmente o dia se abalou no mundo inteiro. Que perspectivas surpreendentes e arrebatadoras às vezes devem ter sido reveladas pelo Espírito aos apóstolos e aos primeiros discípulos e irmãos daqueles dias!

V. A ternura de um homem santo, mesmo quando excitada pela alegria.

1. Barnabé estava atento ao seu próprio dever, ao falar a palavra de exortação, mesmo no meio de uma cena cheia de brilho, esperança e confiança presentes.

2. Ele estava consciente da tentação sempre existente de voltar ao mundo, de amar o mundo, de ceder na hora do entusiasmo, mas de recair nos longos dias de calor, labuta e provações. E, portanto, o ônus de sua exortação era que eles "se apegassem ao Senhor" e que "com propósito de coração, se apeguassem ao Senhor".

VI UMA MISTURA INOPORTUNA DE COMENDAÇÃO DE BARNABAS E SEU PERSONAGEM INDIVIDUAL COM MUITO MAIS SÉRIO. Deixe parecer; que seja assim. No entanto, essa é a condescendência de Deus. Essa é a simpatia de Jesus. Esta é a ajuda e a honra consoladoras do Espírito, mostradas aos que são verdadeiros. No entanto, como a página sagrada e permanente das Escrituras inscreve essas coisas para a honra e glória de Barnabé, no meio da questão que se resumia apenas à honra e glória de Deus, podemos observar que o caráter aqui dado a Barnabé:

1. Justificou sua seleção para uma embaixada nova, delicada e importante.

2. Explica a alegria profunda, plena e genial de seu coração, sua abertura à convicção e sua liberdade da menor e última mancha da inveja e exclusividade judaicas.

3. Prova também que era o Espírito de Deus que estava "trabalhando dentro" dele, quando ele veio, quando foi visto, quando julgou corretamente, quando ficou profundamente impressionado, quando ficou satisfeito com o fundo do coração, e também quando ele não se esquecia do dever e dos tempos solenes de provação entre as simpatias e os parabéns das horas brilhantes. Pois ele estava "cheio do Espírito Santo". - B.

Atos 11:25, Atos 11:26

Um co-pastorado precoce.

A cronologia do período que vai do martírio de Estevão à missão de Barnabé e Antioquia é obscura e, atualmente, de fato se recusou a ceder-nos datas - como, por exemplo, datas principais que afetam Saul - do maior interesse. É, no entanto, extremamente provável que seis anos completos se passaram desde a conversão de Saul. Durante todo esse tempo ele esteve - podemos dizê-lo sem dúvida, embora talvez não tenha sido fácil encontrar capítulos e versos reais para a declaração - "pregando a Cristo". Ele foi removido de uma estação para outra por razões de segurança duas vezes. Ultimamente, ele está há algum tempo em Tarso, sua terra natal, e é de seu emprego durante sua estada em Tarso que sabemos menos. Embora, como já foi dito, dificilmente haja espaço para duvidar de que enfaticamente ele estaria pregando a Cristo, parece um pouco notável se o fizesse durante um período de um ou dois anos com impunidade. No entanto, agora Barnabé chega para procurar um colega e ajuda eficiente em seu trabalho em Antioquia. Muito breves são os toques da caneta que nos transmitem a situação aqui. Mas eles retratam, no entanto, algo tão natural e quase acolhedor, que não é difícil, e é agradável e instrutivo, preencher os detalhes da imagem.

I. BARNABAS ENCONTRA UM INESPERADO E UM GRANDE CAMPO DE TRABALHO NO ANTIGO.

1. Ele veio em uma missão; ele fica em outro, e isso é uma grande empresa. Ele veio perguntar sobre a justificabilidade de certos acontecimentos. Ele é forçado a tornar-se parte integrante deles, e a embarcar neles coração e mão e voz.

2. Ele observa "que uma grande porta e eficaz se abre diante dele" (1 Coríntios 16:9). Antioquia, por sua situação, seus edifícios e seu povo muito variado e importante - por sua população judaica, por sua moda grega e suas forças armadas romanas, e suas conexões comerciais e comerciais - não pode ser superada como um local de importância para a pregação de Cristo. desde o primeiro momento em que é evidente que não apenas os judeus, mas também os gentios, grego e romano, devem ser acolhidos dentro das bênçãos da aliança.

3. Quando já "muita gente foi acrescentada ao Senhor" e "um grande número havia crido e se voltado para o Senhor", seu coração é "tocado com compaixão" (como o seu mestre costumava ser) quando viu "o ovelhas sem pastor "e" os campos brancos para a colheita ", e a colheita com promessa superlativa", mas poucos trabalhadores ". E sem dúvida ele" orou ao Senhor da colheita "e obteve sua resposta.

II BARNABAS CONSULTA A UMA COISA SOZINHO.

1. Ele deseja, se possível, compor o trabalho.

2. Ele não conhece nenhum grão de inveja, ciúme ou ambição egoísta.

3. Ele perderá algumas semanas se puder voltar mais bem armado para o trabalho, pois se considera (ou de outra forma, em resposta a sua oração foi lembrada divinamente) de uma conversão notável e de energia excedente. Ele será um provável ajudante. Barnabé já andou de braços dados com ele em Jerusalém e foi garantido por ele na Igreja em Jerusalém. Com esse homem forte, que agora foi julgado, amadureceu em aposentadoria comparativa e passou pelo julgamento, ele desejaria ser associado a sitiar, com vistas a tomar, esta tentadora cidadela de Antioquia. Ele está mantendo seu caráter como nos foi dado nos versículos anteriores. Ele é "cheio do Espírito Santo e de fé". Seu olho é único, sua melhor razão e julgamento mental são dados à pergunta diante dele. Seus motivos são puros e sua consciência sensível.

4. Ele vai ter o seu homem. Ele não sentirá falta de Saul. Ele viaja atrás dele para procurá-lo. Ele não acredita em mensagens nem proxies. Ele o encontra e o leva a Antioquia.

III BARNABAS E SAUL ACREDITAM NA COOPERAÇÃO.

1. Eles acreditam no amor fraterno. Era algo algo novo em que acreditar, em alguns aspectos. Não são poucos os tipos naturais de amor que nos unem. Mas o amor fraterno veio em grande parte com os seguidores de Jesus, viz. esse tipo de amor que levou dois homens a trabalharem juntos para fins religiosos.

2. Eles acreditam nas vantagens práticas de dois trabalhando juntos.

(1) Um sustenta o propósito do outro.

(2) O lado fraco de um personagem é compensado pelo forte do outro.

(3) Muitas empresas precisam se apoiar por falta de apoio suficiente de uma só pessoa, o que pode ser facilmente medido por duas, e deixar ainda energia sobrando.

3. Eles não acreditam em rivalidades indignas, em comparações, em ambições pessoais. No entanto, agora, dezoito séculos depois, essas mesmas coisas são ocasionalmente ouvidas como uma das objeções padrão de dois discípulos de Jesus Cristo serem unidos em igual serviço por ele.

IV BARNABAS E SAUL DAM-SE POR UM ANO INTEIRO PARA EDIFICAR E EDIFICAR A IGREJA EM ANTIGO.

1. A importância da vida da Igreja começa a ser reconhecida, por si mesma e por seu testemunho, no meio de um grande povo de fora.

2. Até a própria natureza "está reivindicando a necessidade e a vantagem de professores e pastores e exemplos". "Eles se reuniram com a Igreja e ensinaram muita gente." Não foi toda evangelização, nem todas as jornadas missionárias, mesmo nos primeiros dias do cristianismo. E isso é mais notável à luz de um exemplo, quando lembramos que o bom trabalho em Antioquia havia surgido do que em breve poderia ser chamado de "semente semeada por si próprio". Aqueles da dispersão cujos corações ardiam dentro deles haviam sido, sob o Espírito, o começo do trabalho. E foi por causa das proporções em que seu trabalho havia crescido e a fama dele que viajou a Jerusalém, que Barnabé foi enviado para visitar Antioquia. O rebanho só precisa estar com fome para procurar um pastor, e o rebanho faminto não deixa de olhar para o pastor que o alimenta.

3. O amor de Barnabé e Saulo deve ter sido encontrado com muito amor por parte daqueles que "entraram e saíram entre os quais" foram, ensinando-lhes muitas coisas. Este é o amor da igreja. Este é o segredo da harmonia da Igreja. Este é o começo humilde da santidade e da felicidade da Igreja acima.

V. O CONJUNTO MINISTÉRIO DE BARNABAS E SAUL É ABENÇOADO. É abençoado em duas direções.

1. Não se pode dizer que seja uma conclusão muito remota ou absurda quando afirmamos que há evidências do testemunho de que o ministério era para o mundo exterior. Que "os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez em Antioquia" e, neste momento, significa nada menos do que essas duas coisas.

(1) Eles assumem um status no mundo; e isso foi verificado pelo histórico. Em todo o mundo, seu nome é conhecido.

(2) Esse status é dado a eles, mesmo que em ridículo parcial, pelo mundo. A Igreja dos discípulos, dos santos, dos irmãos, dos seguidores de Jesus, dos nazarenos, deixou uma marca neles na Antioquia ocupada, próspera e inteligente. Eles não são um regimento irregular, nem uma corda de areia, nem uma camarilha litigiosa e briguenta. Eles estão trabalhando e vivendo de forma consistente.

2. Esse ministério preparou aqueles entre os quais foi exercido que sentissem prontamente compaixão por seus irmãos que seriam visitados pela fome e pobreza na Judéia, mostrando-o também prontamente por uma caridade e generosidade práticas e também para transmitir essa expressão de amar de maneira devagar e agradecida. Grande era a bondade de Barnabé, e grande e bom era o ministério e a obra unidos dele e de seu colega escolhido e procurado, Saul.

HOMILIAS DE R. TUCK

Atos 11:4-17

A resposta eficiente aos opositores.

Um homem sempre segue uma linha individual, na opinião ou na conduta, em perigo de ser mal compreendido e chamado a prestar contas por seus companheiros. E, no entanto, o avanço intelectual e moral da raça é feito apenas pela pressão de indivíduos que, de alguma forma, se recusam a seguir as velhas linhas e persistem em seguir seu próprio caminho, mesmo em distritos marcados por sentimentos comuns como "perigosos". . " Freqüentemente, a missão precisa da juventude é verificar a tendência fortemente conservadora à sua volta e expressar uma verdade nova ou, pelo menos, a verdade de novas formas. Isso é ilustrado no caso de São Pedro. Ele havia compreendido uma verdade que era uma heresia do seu ponto de vista mais antigo e uma heresia para aqueles com quem ele trabalhava; mas ele sabia que era verdade, então, com o perigo de ser mal interpretado, agiu de acordo com a verdade. Ele agora sabia que o evangelho de Cristo era tanto para os gentios quanto para os judeus, por isso entrou sem medo na casa dos gentios, e ali pregou a Palavra da vida e batizou a casa dos crentes. E ele foi incompreendido e chamado a prestar contas. A passagem diante de nós é sua defesa efetiva: para ela não poderia haver resposta. Ele ensaia todo o assunto e diz: "Deus me guiou, e eu o segui. Deus me ensinou e eu acreditei. Deus selou minha obra com o testemunho de seu Espírito, e eu sei que tenho sua aceitação". Esta é a resposta que o homem sincero que age fora da linha comum pode dar a todos que se opõem ou se opõem. "Eu sigo apenas as orientações e os ensinamentos divinos; Deus dá meu testemunho, e o testemunho que presto deve ser pelo menos uma parte da verdade de Deus."

I. DEUS AINDA ABRE SUA VERDADE A ALMAS INDIVIDUAIS. Na verdade, não esperamos novas revelações. Há um sentido em que a revelação do livro nas Escrituras é completa: ninguém pode acrescentar ou retirar dela; e o testemunho de ninguém pode ter qualquer valor, exceto se puder ser testado pela Palavra revelada. E, no entanto, embora isso possa ser totalmente admitido, podemos reconhecer o fato de que, por discernimento espiritual ou por habilidade intelectual, os homens trazem à luz coisas perdidas e ocultas, ou colocam verdades recebidas em formas novas e por suas a novidade prende o pensamento e até desperta oposição. Dessa maneira, toda verdade da revelação divina é trazida proeminentemente aos pensamentos dos homens a cada poucos anos. Deus envia entre nós grandes líderes de pensamento; agita, por suas pregações ou escritos, a estagnação do pensamento religioso, e revigora e vive para nós verdades que se tornaram meras formalidades mortas. São Pedro possuía apenas uma nova verdade antiga, revelada há muito tempo pelo salmista e profeta: ainda assim, ele tinha um domínio tão novo que o tornava um poder; até o agente que cumpriu a vontade de Cristo e "abriu o reino dos céus a todos os crentes".

II O INDIVÍDUO COM UMA VERDADE FRESCA DEVE ESPERAR OPOSIÇÃO. Certamente virá de:

1. Seus colegas de trabalho, que sentirão um ciúme secreto por terem sido feitos o meio das comunicações divinas, e que sentirão profundamente como a nova verdade interfere em seus ensinamentos.

2. Aqueles de tendência conservadora, que pensam que a verdade absoluta e final está a seu cargo.

3. As pessoas sinceras, mas tímidas, que temem que tudo que é novo deve colocar em perigo a verdade de Deus.

4. Os amigos de sistemas teológicos ou eclesiásticos, que consideram seus sistemas completos e não precisam de mudanças, nem têm lugares abertos em que uma nova verdade possa se encaixar. São Pedro descobriu que um relatório imperfeito de suas ações em Cesaréia havia sido apresentado a Jerusalém, e quando ele chegou à cidade santa, foi atacado da plataforma mais estreita e acusado de pecar muito pequeno, do nosso ponto de vista. , mas pecado muito grande do ponto de vista judaico, de "comer com os incircuncisos". Ele sabiamente recusou uma discussão sobre essa mera característica do assunto e explicou completamente o que havia acontecido. Aqueles que argumentam frequentemente tomam um mero ponto de detalhe e são melhor atendidos e respondidos colocando a questão em disputa nos fundamentos mais amplos e profundos.

III Prova de liderança divina deve silenciar todas as oposições. Esta é a grande lição da conduta e da narrativa de São Pedro. Durante todo o processo, ele alega que só reconheceu e seguiu a vontade divina, como revelada a ele e aos outros. Deus falou com ele em transe, e visão, e providência, e impulso interior. Deus falou com Cornélio por forma de anjo e voz de anjo. Deus selou a obra de São Pedro com o dom de seu Espírito e, como homem fiel e verdadeiro, ele só pôde ir aonde Deus o levara e falar como Deus o ordenara. Para o seu público, era a melhor de todas as respostas, a que desarmaria toda a oposição. Um judeu sincero deve ser leal à vontade de Deus, por mais que seja revelado e por mais estranho que pareça. E esta é essencialmente a resposta que todo líder de pensamento e todo professor avançado agora deve estar preparado para fazer e provar. Se ele apenas fala, como homem, de algumas fantasias e sentimentos religiosos, somos justamente céticos; mas se é claro para nós que um homem foi "ensinado por Deus", e se podemos ver sinais de aceitação e bênção divina em sua obra, também devemos ouvir seu testemunho com mentes abertas e sem preconceitos, buscando a graça para permitir expressarmos nossa antiga fé na nova forma ou acrescentarmos o novo pensamento às nossas doutrinas recebidas. Deus pode, de fato, não nos falar agora por sonho, transe, visão ou voz; mas não precisamos, portanto, pensar que a comunicação direta com a nossa alma é impossível. Ainda podemos dizer: "Fala, Senhor; porque o teu servo ouve"; e ainda temos conosco o Espírito Santo, cuja obra é "nos levar a toda a verdade e nos mostrar o que está por vir". E deve ser nossa convicção e inspiração permanente que "o Senhor tem ainda mais luz e verdade para romper com a Sua Palavra". - R.T.

Atos 11:16

Memórias bem armazenadas.

Um tópico sugerido pela expressão de São Pedro: "Então me lembrei da palavra do Senhor". Alguma explicação pode ser dada à "memória" como uma faculdade mental distinta, mas aquela da qual a aquisição e o aumento do conhecimento dependem grandemente. Uma faculdade capaz de cultura, morcego tendo características diferentes em indivíduos diferentes. Alguns têm memórias verbais, outros, por princípios. Alguns treinaram memórias em assuntos específicos, mas pouco poder para reter conhecimentos gerais. Sugestões de auxílio formal à memória são sugeridas, mas sua verdadeira cultura está em seu uso. Como faculdade mental, está sujeita à santificação cristã, bem como ao uso cristão. Na educação comum, é dada atenção ao treinamento desse poder, e na cultura Divina é igualmente necessária atenção a ele. Pode-se até dizer da preparação de nosso Senhor dos apóstolos para a obra deles, que ele armazenou suas memórias com suas palavras e suas obras, para que houvesse o material sobre o qual o Espírito Santo poderia trabalhar daqui em diante ", trazendo todas as coisas à tona. lembrança "em ocasiões apropriadas. Considerar-

I. ARMAZENAMENTO DE MEMÓRIAS. Ilustre que trabalho ansioso é esse para os pais, o professor da escola e o professor. É feito o devido esforço para garantir

(1) lojas adequadas;

(2) lojas bem organizadas;

(3) lojas claramente apreendidas;

(4) histórias morais.

Duas coisas são necessárias para manter as coisas na memória -

(1) devem ser claramente apreendidos;

(2) devem ser suficientemente repetidos.

Verifica-se que mantemos as coisas em medidas de segurança dependentes da quantidade de atenção que demos a elas. Aplique esses princípios ao armazenamento de nossas memórias com fatos e princípios religiosos; insistindo na importância de exigir que os jovens aprendam as Escrituras, de exigir de nossos professores cristãos clareza de afirmação e repetição eficiente; mostrando que, como no caso de São Pedro, um homem só tem a verdade ou o princípio certo sob comando, em ocasiões de necessidade, se estes tiverem sido previamente alojados na memória. A habilidade com que nosso Senhor, em seu tempo de tentação, buscou as armas certas do arsenal das Escrituras com o qual derrotar e silenciar seu inimigo, revela-nos o fato de que sua memória foi bem armazenada nas Escrituras durante sua infância e juventude. O dever de ver que nossa mente está bem mobiliada e que as mentes diretamente sob nossa influência estão bem mobilizadas, com fatos das Escrituras, verdades e princípios, devem ser fervorosamente pressionados. Não podemos prestar um melhor serviço aos jovens do que encher seus pensamentos e corações com "pensamentos de Cristo e coisas divinas".

II MANTENDO LOJAS DE MEMÓRIA. Existe uma grande lei que se aplica à retenção eficiente de qualquer tipo de conhecimento que possamos ter. É que continuamos adicionando mais lojas do mesmo tipo. Nós praticamente perdemos os fatos de memória relacionados à botânica ou à astronomia, a menos que continuemos acrescentando a eles novos fatos botânicos ou astronômicos. E a mesma lei se aplica às coisas religiosas - elas desaparecem e parecem desaparecer da memória, a menos que as adicionemos constantemente. Retemos aumentando. Mostre como esse deve ser um motivo poderoso que nos impele a manter nossa cultura da alma diária, nossa leitura da Palavra, nossas meditações na verdade Divina, nossa presença nos meios da graça. Não podemos manter o que temos, a menos que nos preparemos para obter mais.

III USANDO LOJAS DE MEMÓRIA. É exatamente isso que São Pedro faz em relação ao nosso texto. Ocorreu algo que sugeria uma sentença que seu Senhor já havia empregado. Ele mal sabia que o colocara entre suas reservas de memória, mas estava atento a todas as palavras que caíam dos lábios de seu Mestre, e elas surgiram diante dele no momento em que ele as usava com sabedoria. Muitas vezes pensamos que deve haver muito mais em nossas memórias do que jamais pode ser útil para nós, e até pensamos que é inútil ensinar aos jovens tanto das Escrituras, do Catecismo e dos hinos. Mas nenhum homem pode prever que situações o desenvolvimento da vida pode fazer para ele, ou que exigências morais ela apresentará. Tire qualquer vida, e ela será encontrada cheia de surpresas, e é uma coisa muito boa garantir que estamos razoavelmente preparados para todas as situações possíveis. São Pedro não poderia ter se imaginado na casa de Cornélio e usado essa frase em particular. Então, descobriremos, à medida que a vida progride, que

(1) ocasiões vêm para o uso de nossas lojas de memória;

(2) circunstâncias ajudam a lembrá-las; e

(3) O Espírito de Deus os traz diante de nós e nos ajuda a encontrar sua aplicação e uso adequados.

A memória divina bem mobilada não é por acaso. É uma parte da cultura cristã e, portanto, para nós mesmos e para aqueles a quem somos chamados a exercer nossa influência, passamos por responsabilidades solenes e pesadas. Uma ilustração interessante do uso de uma memória piedosa em tempos de pressão e necessidade é encontrada em Esdras 8:21-23, onde a lembrança de Esdras das promessas de Deus e maneiras graciosas com seu povo na antigamente, deu-lhe forças para um empreendimento árduo e perigoso.

Atos 11:18

"Arrependimento para a vida."

Essa expressão não é a que devemos esperar que os irmãos cristãos usem nas circunstâncias. A frase nos pareceria mais clara se se lesse: "Então Deus também concedeu aos gentios a admissão no reino de Cristo" ou "para participar da salvação de Cristo". O destaque da palavra "arrependimento" e seu lugar como passo inicial para a "vida" são notáveis ​​e sugestivos. O arrependimento não é de tanta importância em nossas apresentações do evangelho como foi pelos apóstolos, mas, para o seu uso, podemos encontrar algumas razões adequadas.

1. Os ensinamentos de João Batista e sua exigência de arrependimento como preparação para a recepção do Messias mantiveram sua influência sobre eles.

2. Quando o Mestre deles os enviou em sua missão de julgamento, ele lhes deu a seguinte mensagem: "Arrependam-se: porque o reino dos céus está próximo".

3. Quando o Senhor deles foi vergonhosamente crucificado, pelos planos dos líderes e representantes da nação, e eles foram confirmados em sua crença no Messias por sua ressurreição e ascensão, eles sentiram que o assassinato judicial do Messias era o o maior dos crimes nacionais, e assim eles perceberam o quão essencial era o arrependimento como precedendo uma profissão de fé nele. Eles haviam conversado com judeus que, como nação, por meio de seus representantes, disseram: "Seu sangue esteja sobre nós e sobre nossos filhos" e, portanto, São Pedro, ao responder à pergunta deles: "O que devemos fazer?" no dia de Pentecostes, disse: "Arrependei-vos e cada um de vocês seja batizado em Nome de Jesus Cristo para remissão dos pecados" (Atos 2:38). E em seu sermão após a cura do coxo, ele disse: "Arrependei-vos, portanto, e se convertam" (Atos 3:19). E quando chamado a implorar perante o grande conselho, ele declarou ainda a respeito de Cristo: "Ele exaltou Deus com a mão direita para ser um príncipe e um salvador, para dar arrependimento a Israel e perdão dos pecados" (Atos 5:31). Tendo isso em destaque na mente como a essência e a essência da mensagem do evangelho, os discípulos de Jerusalém falaram de acordo com ela quando aceitaram as explicações de São Pedro e disseram: "Então Deus também aos gentios concedeu arrependimento à vida". A força da combinação desses termos, "arrependimento" e "vida", será sentida se considerarmos:

I. O ARREPENDIMENTO COMO O PRIMEIRO EVANGELHO EXIGIR. O significado distinto do termo deve ser observado, e o significado exato dos dois equivalentes gregos para a nossa palavra "arrependimento" pode ser apontado. É no sentido mais alto que o termo é usado pelos apóstolos e inclui

(1) convicção do pecado;

(2) tristeza pelo pecado;

(3) desejo de ser libertado do pecado;

(4) propósito sério de afastar e resistir ao pecado.

Se o evangelho fosse apenas algum esquema educacional ou mesmo moral para elevar a raça, não seria necessário exigir "arrependimento". É um esquema para a libertação dos homens da penalidade e do poder do pecado, e isso nunca poderá ser salvo, pois pode funcionar na linha da vontade do próprio homem. E o único sinal e expressão do sentimento de pecado e desejo de um homem de se libertar dele é esse "arrependimento" que o evangelho exige. É a única atitude que o evangelho pode encontrar, o único estado de espírito e sentimento com o qual ele pode lidar. Um homem é fechado e apoiado contra a salvação divina, redenção pela graça, até que "se arrependa verdadeira e sem fingimento" e, assim, sinta a necessidade e o valor do perdão, cura e vida divinos. Esse ponto pode ser totalmente ilustrado e aplicado, e pode ser demonstrado que ainda a pregação do evangelho falha, o que não exige primeiro o arrependimento. O grande discurso de São Paulo aos atenienses cultos tem isso por seu objetivo e aplicação: "Os tempos dessa ignorância que Deus piscou; mas agora ordena a todos os homens em todos os lugares que se arrependam" (Atos 17:30).

II O arrependimento é o primeiro sinal de vida. A maneira pela qual nosso Senhor familiarizou seus discípulos com o termo "vida" deve ser apontada. As relações corretas com Deus são mencionadas como "vida", "vida eterna". As relações nas quais podemos chegar através do Senhor Jesus Cristo são enfaticamente reconhecidas como "vida", a única vida verdadeira, eterna e espiritual. É nesta "vida" que os discípulos reconhecem que os gentios são admitidos. Quando isso for totalmente compreendido, o lugar do arrependimento em relação à vida será facilmente reconhecido. Sentir o pecado e a necessidade de um Salvador é o primeiro sinal da vida; é sua primeira respiração; com isso a vida necessariamente começa. Os homens absorvidos pelo eu encontram uma nova vida quando o eu é esmagado no pó. Homens "mortos em ofensas e pecados" são ressuscitados, para olhar, respirar e falar, quando a tristeza pelo pecado lhes chega. Isso está bem ilustrado no poema familiar de T. Moore, "Paraíso e perigo", "Lalla Rookh". A coisa mais preciosa da terra, que pode até abrir a porta do céu para o pertubado banido, é a lágrima que cai dos olhos do pecador penitente.

III O arrependimento dá lugar à vida. É aqui chamado "arrependimento para a vida". O arrependimento é um passo em frente para outra coisa. O arrependimento é uma condição temporária da mente e do sentimento, através da qual um homem passa para algo melhor, algo permanente. Mostrar como passa

(1) no alegre senso de perdão;

(2) na vida abençoada de confiança no Salvador que está morrendo; e

(3) na felicidade infinita de depositar nosso amor em Cristo e nos encontrar santificados pelas respostas e obras graciosas de seu amor por nós. Concluindo, insista que o arrependimento ainda seja o único limiar da vida. "Humilhados", devemos estar "sob a mão graciosa de Deus", antes que possamos ser "exaltados no seu devido tempo". Não ousamos reter hoje a exigência de nosso Senhor de "arrependimento para a vida": - R.T.

Atos 11:24

Bom Barnabé.

Já tivemos esse homem apresentado a nós, mas seu caráter é descrito mais detalhadamente nesta passagem. Pode-se razoavelmente perguntar por que São Lucas, ao escrever o Livro dos Atos, deve aproveitar esta oportunidade para registrar a opinião recebida sobre Barnabé. A resposta mais simples é que ele posteriormente registrou a disputa entre São Paulo e São Barnabé sobre Marcos e, portanto, estava ansioso para garantir que seus leitores não tivessem uma impressão errada, a partir daquele incidente, do temperamento e do espírito. do parente de Mark. Profundamente, por lamentarmos esse triste mal-entendido entre os dois missionários sinceros, não devemos deixar que ele lance sombras sombrias sobre Barnabé, pois "ele era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé". A ocasião imediata de enviar Barnabé a Antioquia foi explicada de maneira diferente. Observa-se, no versículo 19, que os discípulos dispersos foram "até Antioquia", mas "pregaram a Palavra a ninguém senão somente aos judeus". Percebe-se então que alguns pregadores vieram de Chipre e Cirene a Antioquia, e eles pregaram aos gregos. Agora, esse termo pode significar judeus helenísticos ou gentios. Os melhores manuscritos têm a palavra gregos, e isso deve ser claramente referido à população pagã ou gentia. Se foi assim que esses discípulos pregaram o evangelho aos gentios, e as notícias disso chegaram à Igreja em Jerusalém logo após o relato de São Pedro sobre o que havia acontecido em Cesaréia, havia boas razões para enviar Barnabé para investigar questões em Antioquia, para explicar a nova visão do escopo do evangelho revelada por São Pedro e garantir um trabalho harmonioso entre aqueles que trabalharam para os judeus e aqueles que trabalharam para os gentios. Se essa era a missão de Barnabé, é importante que sejamos informados sobre seu caráter pessoal; pois disso o sucesso de sua missão dependeria em grande parte. Somente um homem de grande bondade e sentimento generoso provavelmente enfrentaria corretamente as dificuldades que seriam apresentadas. Existem muitas circunstâncias na vida em que o "caráter" pode fazer mais e melhor que o "talento", e o talento ganha seus mais nobres triunfos quando é unido e santificado pelo caráter divino. Três coisas são notadas especialmente em relação a Barnabé.

I. Ele era bom é caráter. "Um bom homem." Nossa atenção é dirigida por este termo às suas excelências naturais de disposição. Havia amabilidade, bondade de propósito e maneira, generosidade de espírito, consideração pelos outros e disposição até de sacrificar suas próprias coisas para o bem dos outros. Ele era exatamente o tipo de homem que ganhava a confiança e a estima de todos aqueles entre os quais trabalhava; e parece que seu próprio fracasso, na questão de sua disputa com São Paulo, surgiu do calor de sua afeição por seu jovem parente Mark, e sua disposição demais para dar desculpas por ele. "O próprio fracasso dele se inclinou para o lado da virtude." Sua "bondade" pode ser vista e ilustrada em cada um dos incidentes em que ele é apresentado a nós.

1. Ele parece ter dado o exemplo de dedicar sua propriedade às necessidades da Igreja primitiva (Atos 4:36).

2. Foi ele quem venceu a suspeita apostólica do recém-convertido Saul, na generosidade de sua disposição confiante. Quando todos tinham medo de Saul, "Barnabé o pegou e o levou aos apóstolos" etc. etc. (Atos 9:26-28).

3. Sua confiança é demonstrada ainda mais ao fazer Saul, o novo convertido, seu companheiro em seus trabalhos missionários. Pode-se insistir que, embora o cristianismo domine e corrija disposições naturalmente ruins, ele vence seus mais nobres e belos triunfos quando inspira e santifica a disposição naturalmente amável, generosa e confiável. É algo que devemos sempre agradecer a Deus com devoção, se Ele nos deu personagens que podem conquistar o amor, a estima e a confiança de nossos semelhantes.

II Ele estava cheio de fé. Isso é algo mais do que confiança natural, embora intimamente aliado a isso. Duas coisas podem ser incluídas.

1. Ele tinha um forte domínio da verdade do evangelho, e não estava preocupado com dúvidas enfraquecedoras e deprimentes. Ele realizou, rápida e firmemente, o Messias e a ressurreição de Jesus Cristo, e tudo o que eles envolviam. E somente homens de fé podem ser homens de poder real como testemunhas e pregadores de Deus. Os homens não querem ouvir os ministros sobre seus questionamentos e dúvidas. O grande clamor é: "O que você sabe sobre Deus, verdade e dever? Em que você acredita?"

2. Ele tinha uma visão clara dos aspectos mais amplos do sistema cristão. Ele era um seguidor de Stephen. Ele estava preparado para a admissão dos gentios a privilégios cristãos. E, portanto, ele era apenas o homem que descia a Antioquia e lidava com as dificuldades que poderiam surgir ao quebrar os velhos cativeiros judaicos. E há uma demanda constante por esses homens de fé, que esperançosamente podem aceitar as mudanças passageiras de pensamento e sentimento dentro da Igreja, mesmo quando não podem simpatizar pessoalmente com eles. Precisamos de homens de fé no sentido de uma visão ampla e de grande esperança para o futuro.

III Ele estava cheio do fantasma santo. Esse Espírito Santo veio como o selo de todos os crentes sinceros, mas é sugerido aqui que as medidas e os graus de seu gracioso trabalho interior dependem diretamente dos humores, atitudes e caráter do homem. E aqui reside a aplicação prática do nosso assunto. Barnabé, por ser um homem bom e cheio de fé, também estava cheio do Espírito Santo. E descobriremos que a cultura ansiosa e cuidadosa do caráter cristão também abrirá nossos corações, vidas e operações às energias completas de Deus, o Espírito Santo. - R.T.

Atos 11:26

Cristãos antioquenos.

"E os discípulos foram chamados cristãos primeiro em Antioquia." Antes desse período, eles pareciam não ter um nome reconhecido. Outros podem tê-los chamado "nazarenos" ou talvez "galilmans". Eles falaram de seus ensinamentos como "o Caminho", mas não parecem ter encontrado outro nome para si mesmos além dos de "discípulos". Foi deixado às circunstâncias fornecer um nome que todos pudessem aceitar e, embora a origem do nome "cristão" seja muito estranha, sua adequação foi reconhecida universalmente. A própria essência do evangelho é a apresentação de Cristo aos homens, e a pressão de suas reivindicações ao amor e à confiança dos homens; e, portanto, aqueles que recebem a Cristo como seu Salvador e o obedecem como seu Senhor são apropriadamente denominados "cristãos". É comum chamar discípulos pelo nome de seu mestre ou professor, como pode ser visto nos termos "maometano", "budista", "wesleyano" etc. etc. Às vezes, as classes de homens recebem o nome do princípio central que adotaram . Isso não podemos fazer, porque nosso princípio central é "Cristo" - nem mesmo alguma verdade sobre Cristo, mas o próprio Cristo. Portanto, não podemos ter outro nome senão o que o povo de Antioquia encontrou ao descobrir quão proeminentemente Cristo foi estabelecido nas primeiras pregações.

I. O pensamento daqueles que primeiro nomearam os discípulos de "cristãos". Muitas vezes foi apontado que o nome foi iniciado como um apelido. A idéia de fazer tanto de alguém que era conhecido por ter sido crucificado como malfeitor e impostor pode muito bem ter excitado o ridículo de pessoas bem-humoradas, e sabemos com que frequência os discípulos eram insultados em adorar o Crucificado. Uma caricatura dos primeiros tempos foi descoberta, representando uma pessoa, com a cabeça de um jumento, esticada sobre uma cruz e uma figura ajoelhada diante dela. Embaixo está esta inscrição: "Alexamenos adorando seu Deus". Nesse espírito, o nome foi dado pela primeira vez, assim como o termo "metodistas" foi aplicado aos seguidores de Wesley.

II O pensamento daqueles que aceitaram o nome: Talvez em sua modéstia eles não se considerassem dignos de levar o nome de seu mestre; mas quando outros deram a eles, sentiram que podiam aceitá-lo. E nenhum nome poderia ser para eles tão honrado. Sua hesitação, no entanto, pode ter surgido de outra causa. Aceitar um título distinto era romper com o judaísmo e assumir uma posição como seita separada e independente. Podemos entender bem como os discípulos hesitariam em aceitar uma posição tão definida. Eles se consideravam judeus ainda, buscando, alguns diriam, a reforma do judaísmo; e outros diriam, a realização espiritual do judaísmo; mas qualquer coisa que provasse sectarismo ou separação seria angustiante para eles. No entanto, muitas vezes na história da Igreja, os homens foram compelidos a tomar posições decididas contra suas próprias vontades, mas sua distinção e separação provaram ser para o bem permanente do mundo.

III O PENSAMENTO DOS QUEM AGORA PERTO DO NOME. Para tantas pessoas, seu significado mais profundo desapareceu. É tão universalmente aplicado, e tão inclusivo, que se tornou um termo sem sentido. E, no entanto, quão cheio de força e inspiração deve ser para nós

(1) pelo bem da história que o termo incorpora - a longa história do testemunho e da luta cristã; e

(2) para as profundezas do significado que agora podemos encontrar nela, pois para nós pode significar não apenas "seguidores ou discípulos de Cristo", mas homens e mulheres semelhantes a Cristo, que estão sendo diariamente "mudados à sua imagem. glória em glória e que querem ser "como ele em todas as coisas"! - RT