EXPOSIÇÃO

A "Introdução histórica" ​​a Jó se estende a dois capítulos. No primeiro, são relatados, primeiramente, suas circunstâncias externas - sua morada, riqueza, família, etc; e de seu caráter (Jó 1:1); segundo, das circunstâncias em que Deus permitiu que ele fosse provado por aflições (Jó 1:6); terceiro, das próprias aflições anteriores (Jó 1:13); e, quarto, de seu comportamento sob eles (Jó 1:20). O segundo capítulo fornece, em primeiro lugar, o fundamento de seu julgamento adicional (Jó 2:1); segundo, a natureza e o comportamento dele (Jó 2:7); e terceiro, a vinda de seus três amigos para ele e o comportamento deles (Jó 2:11). A narrativa é caracterizada por notável simplicidade e franqueza. Ele tem um ar decidido de antiguidade e apresenta poucas dificuldades linguísticas.

Jó 1:1

Havia um homem. Esta abertura nos apresenta o Livro de Jó como um trabalho desapegado, separado e independente de todos os outros. Os livros históricos são geralmente unidos um ao outro pelo seu conectivo. Na terra de nós. Uz, ou Huz (hebraico, עוּץ), parece ter sido originalmente, como Judá, Moabe, Amom, Edom, etc; o nome de um homem. Foi suportado por um filho de Nahor, irmão de Abraão (Gênesis 22:21), e novamente por um filho de Dishan, filho de Seir, o horeu (Gênesis 36:28). Alguns o consideram também um nome pessoal em Gênesis 10:23. Mas desse uso passou para os descendentes de um ou mais desses patriarcas e deles para o país ou países em que habitavam. É mencionada a "terra de Uz", não apenas nesta passagem, mas também em Jeremias 25:20 e Lamentações 4:21 . Esses lugares citados pela última vez parecem mostrar que a "terra de Uz" de Jeremias ficava em Edom ou próximo a ele e, portanto, ao sul da Palestina; mas como os uzitas, como muitas nações desses portos, eram migratórios, não precisamos nos surpreender se o nome Uz fosse, em momentos diferentes, associado a várias localidades. A tradição árabe considera a região de Hauran, a nordeste da Palestina, como o país de Jó. Os outros nomes geográficos do Livro de Jó apontam para um local mais oriental, um não muito distante do sul do Eufrates, e as partes adjacentes da Arábia Sheba, Dedan, Teman, Buz, Shuah e Chesed (Casdim). localidade. Por outro lado, há uma passagem nas inscrições de Asshur-Banipal que, associando os nomes de Huz e Buz (Khazu e Bazu), parece colocá-los na Arábia Central, não muito longe de Jebel Shnmmar. Minha própria conclusão seria que, embora o nome "terra de Uz" designasse em vários períodos várias localidades, a "terra de Uz" de Jó ficava um pouco a oeste do Eufrates, nas fronteiras da Caldéia e da Arábia. Cujo nome era Jó. No hebraico, o nome é "Iyyob", de onde o "Eyoub" dos árabes e o "Hiob" dos alemães. É um nome bastante distinto daquele do terceiro filho de Issacar (Gênesis 46:18), que é corretamente expresso por "Jó", sendo יוֹב. Iyyob deve derivar de aib (אָיִב), "ser hostil" e significar "cruel ou hostilmente tratado", em que facilidade devemos supor que foi o primeiro dado ao patriarca em sua vida posterior e substituíram alguns outros, como "Pedro" substituiu "Simão" e "Paulo" substituiu "Saulo". De acordo com uma tradição judaica, adotada por alguns dos pais cristãos, o nome original de Jó era "Jobab", e sob esse nome ele reinou como rei de Edom (Gênesis 36:33). Mas essa realeza dificilmente é compatível com a opinião que ele tem no Livro de Jó. A suposta conexão do nome de Juba com a de Jó é muito duvidosa. E aquele homem era perfeito. Tam (תָּם), a palavra traduzida como "perfeita", parece significar "completa, inteira, sem querer em nenhum aspecto". Corresponde ao grego τέλειος e ao inteiro latino (comp. Horace, 'Od.,' 1,22. 1, "Integer vitro, scelerisque purus '). Não significa" absolutamente sem pecado ", que Jó não era (comp. Jó 9:20; Jó 40:4). E na vertical. Este é o significado exato de yashar (יָשָׁר). "O Livro de Jasher" era "o Livro dos Retos" (βιβλίον τοῦ εὐθοῦς, 2 Samuel 1:18). Alguém que temia a Deus e evitava o mal; literalmente, temendo a Deus e se afastando do mal. O mesmo testemunho é dado por Jó pelo próprio Deus no versículo 8, e novamente na Jó 2:3 (comp. Também Ezequiel 14:14, Ezequiel 14:20). Devemos supor Jó alcançou a perfeição mais próxima possível do homem na época.

Jó 1:2

E lhe nasceram sete filhos e três filhas. Os números três e sete, e seu produto, dez, são certamente números sagrados, considerados como expressivos da perfeição ideal. Mas isso não impede que eles também sejam históricos. Como observa Canon Cook, "Coincidências impressionantes entre fatos externos e números ideais não são incomuns nas partes puramente históricas das Escrituras". Existem doze apóstolos, setenta (7 × 10) discípulos enviados por nosso Senhor, sete diáconos, três evangelhos sinópticos, doze profetas menores, sete príncipes da Pérsia e da Mídia, dez filhos de Hamã, três de Noé, Gomer, Terá, Levi. e Zeruia, sete de Japhet, Mizraim, Seir, o horeu, Gade e Jessé (1 Crônicas 2:13), doze de Ismael, doze de Jacó, etc. Nosso Senhor tem trinta anos (3 x 10) anos quando ele começa a ensinar, e seu ministério dura três anos; ele cura sete leprosos, expulsa de Maria Madalena sete demônios, fala na cruz sete "palavras", pede a Pedro que perdoe seu irmão "setenta vezes sete", etc. etc. Portanto, não é apenas na visão ou na profecia, ou na linguagem simbólica , que esses "números ideais" vêm à frente com muito mais frequência do que os éteres, mas também nas histórias mais práticas.

Jó 1:3

Sua substância também; literalmente, sua aquisição (de ,ה, adquirirere), mas usada geralmente de riqueza. Sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentos jugo de bois e quinhentas jumentas. Observe, em primeiro lugar, a ausência de cavalos ou mulas nessa lista - uma indicação de alta antiguidade. Os cavalos não eram conhecidos no Egito até a época dos reis pastores, que os apresentaram da Ásia. Ninguém é dado a Abraão pelo Faraó contemporâneo dele (Gênesis 12:16). Não ouvimos falar de nenhum possuído pelos patriarcas na Palestina; e, no geral, não é provável que eles fossem conhecidos na Ásia Ocidental muito antes de serem introduzidos no Egito. Eles são nativos da Ásia Central, onde ainda são encontrados selvagens, e passam gradualmente pela exportação para as regiões mais ao sul, Armênia, Ásia Menor, Síria, Palestina e Arábia. Observe, em segundo lugar, que os itens da riqueza de Jó estão de acordo com os itens de Abraão (Gênesis 12:16). Terceiro, observe que a riqueza de Jó no gado não está além da credibilidade. Um senhor egípcio da época da quarta dinastia relata que possuía acima de 1.000 bois e vacas, 974 ovelhas, 2.235 gols e 760 jumentos. Além disso, a proporção de camelos é notável e implica uma residência nas margens do deserto (veja o comentário no versículo 1). e uma família muito boa; literalmente, e um serviço muito bom, ou séquito de servos. Os emires e xeques orientais consideram necessário que sua dignidade mantenha um número de atendentes e retentores (exceto, talvez, nos tempos feudais), bastante desconhecidos para o Ocidente. Abraão tinha trezentos e dezoito servos treinados, nascidos em sua casa (Gênesis 14:14). Os lares egípcios estavam "cheios de produtos domésticos", compreendendo atendentes de todos os tipos - noivos, artesãos, funcionários, músicos, mensageiros e afins. Um sheik, situado como Jó, também exigiria um certo número de guardas, enquanto para o gado ele precisaria de um grande corpo de pastores, bois e similares. Para que este homem fosse o maior de todos os homens do leste. O Beney Kedem, ou "homens do leste", literalmente, filhos do leste, parece incluir toda a população entre a Palestina e o Eufrates (Gênesis 29:1; Juízes 6:3; Juízes 7:12; Juízes 8:10; Isaías 11:14; Jeremias 49:28, etc.). Muitas tribos de árabes são similarmente designadas nos dias atuais, p. o Beni Harb, o Beni Suhr, o Bani Naim, o Bani Lain, etc. Parece que os fenícios devem ter se chamado Beni Kedem quando se estabeleceram na Grécia, já que os gregos os conheciam como "cadmeisns" e os fizeram descendentes de um mítico "Cadreus" (Herodes; 5,57-59). O nome "sarracenos" é, em certa medida, análogo, pois significa "homens da manhã".

Jó 1:4

E seus filhos foram e se deleitaram. "Festejou e festejou" parece significar "tinha o hábito de festejar" (Rosenmuller, Lee). Nas casas deles. Cada um tinha sua própria residência, e a residência não era uma barraca, mas uma "casa". Jó e seus filhos não eram meros nômades, mas pertenciam à população estabelecida. O mesmo está implícito no "arar os bois" (verso 14) e, de fato, no "jugo de bois" de Jó no verso 3. Todo dia. A maioria dos comentaristas considera essas festas como festas de aniversário. Cada filho, por sua vez, quando chegou seu aniversário, entreteve seus seis irmãos. Outros pensam que cada um dos sete irmãos teve seu próprio dia especial da semana em que ele recebeu seus irmãos à mesa, para que o banquete fosse contínuo. Mas isso dificilmente se adequa ao contexto. E admite-se que "o dia dele" (na Jó 3:1) significa "o aniversário dele". A celebração de aniversários por meio de um banquete era um costume muito difundido no Oriente. E mandaram chamar as três irmãs para comerem e beberem com elas. Isso por si só é suficiente para mostrar que as festas eram ocasionais, não contínuas. A ausência constante de filhas, dia após dia, do conselho dos pais é inconcebível.

Jó 1:5

E foi assim, quando se passaram os dias de sua festa; antes, quando os dias da festa haviam chegado; ou seja, sempre que um dos aniversários chegou no devido tempo e o banquete ocorreu. Que Jó os enviou e os santificou. No mundo antigo, fora da Lei mosaica, o pai da família era o sacerdote, a quem pertencia apenas para abençoar, purificar e oferecer sacrifício. Jó, após cada festa de aniversário, enviava, ao que parece, para seus filhos, e os purificava pelas abluções habituais, ou possivelmente por algum outro processo cerimonial, considerando-o provável que, no decorrer de sua festa, eles tivessem contraído alguma contaminação. Parece pela cláusula seguinte que a purificação ocorreu no final do dia de festa. E levantou-se de manhã cedo, e ofereceu holocaustos. As ofertas queimadas foram instituídas logo após o outono, como aprendemos com Gênesis 4:4, e eram de uso comum muito antes da Lei Mosaica ser dada. A prática era comum, tanto quanto parece, a todas as nações da antiguidade, exceto os persas (Herodes; 1: 132). De acordo com o número de todos eles Um, aparentemente, para cada criança, pois cada um pode ter pecado da maneira sugerida. As ofertas eram claramente isso. tendia como expiatório. Pois Jó disse: Talvez meus filhos tenham pecado e amaldiçoado Deus em seus corações. Dois bons significados são atribuídos pelos bons hebraístas à expressão ברך אחים. Segundo alguns, ברך tem o sentido usual de "abençoar" e אלהים significa "falsos deuses" ou "ídolos"; de acordo com os outros, que formam a grande maioria, אלהים tem seu senso usual de "Deus" e ברך tem o senso incomum de "maldição". Como a mesma palavra passa a ter os dois sentidos totalmente opostos de "abençoar" e "amaldiçoar" foi explicada de maneira diferente. Alguns pensam que, à medida que os homens abençoavam seus amigos por recebê-los e dar-lhes adeus, a palavra ברך tinha a sensação de "dar adeus a", "dispensar" e "renunciar". Outros consideram o uso de ברך para "amaldiçoar" como um mero eufemismo, e comparam o uso de sacer e sacrari em latim, e expressões como "abençoe o homem estúpido!" "Que aborrecimento abençoado!" em inglês. O sentido crítico parece ser estabelecido por Jó 2:9 e 1 Reis 21:10. Por "amaldiçoar Deus em seus corações", Jó provavelmente significa "esquecê-lo", "tirá-lo da vista", "não lhe dar a honra que lhe é devida". Assim fez Jó continuamente; literalmente, como na margem, todos os dias; ou seja, sempre que ocorreu um dos dias do festival.

Jó 1:6

Agora houve um dia em que os filhos de Deus vieram se apresentar diante do Senhor. Por "filhos de Deus", é geralmente admitido que, neste lugar, os anjos são significados (então novamente em Jó 38:7). O significado da frase é provavelmente diferente em Gênesis 6:2. Anjos e homens são "filhos de Deus", criados por ele, à sua imagem, para obedecê-lo e servi-lo. Cristo, o "Unigênito", é seu Filho em um sentido bem diferente. Podemos deduzir, talvez, deste lugar e Jó 2:1 que há momentos fixos em que a hoste angélica, muitas vezes enviada pelo Todo-Poderoso em tarefas distantes, precisa se reunir , todos diante do grande trono branco, para prestar homenagem ao seu Senhor e provavelmente para dar conta de seus feitos. E Satanás também veio entre eles. A palavra "Satanás" tem o artigo prefixado aqui e em outros lugares em Jó, como em Zacarias 3:1, Zacarias 3:2 e em Lucas 22:31; Apocalipse 12:9. Assim acompanhado, é menos um nome próprio do que um apelante - "o adversário". Na 1 Crônicas 21:1, sem o artigo, é sem dúvida um nome próprio, como no Novo Testamento, passim. A acusação de homens diante de Deus é um dos ofícios especiais do espírito maligno (ver Zacarias 3:1, Zacarias 3:2), quem é "o acusador dos irmãos, aquele que os acusa diante de Deus dia e noite" (Apocalipse 12:10). As acusações que ele faz podem ser verdadeiras ou falsas, mas são tão falsas que seu nome comum no Novo Testamento é ὁ διάβολος, "o difamador". A existência de um espírito maligno deve ser conhecida por todos que leram ou ouviram a história da queda do homem (Gênesis 3:1.), E o epíteto descritivo ", o Adversário , "é provável que esteja em uso desde uma data muito precoce. A noção de que o Satanás do Antigo Testamento é um reflexo do Ahriman persa, e que os judeus derivaram sua crença sobre o assunto dos persas, é bastante insustentável. O caráter e a posição de Satanás no sistema hebraico são bastante diferentes dos de Ahriman (Angro-mainyus) na religião dos zoroastrianos.

Jó 1:7

E o Senhor disse a Satanás: De onde vens? Deus condescende em abordar o espírito maligno e faz perguntas - não que algo possa ser acrescentado ao seu próprio conhecimento, mas que os anjos que estavam presentes (Jó 1:6), pode ouvir e chamar sua atenção para as ações de Satanás, que precisariam ser observadas por eles e, às vezes, serem reprimidas ou impedidas. Então Satanás respondeu ao Senhor e disse: De um lado para o outro na terra, e de andar para cima e para baixo nela. Satanás, portanto, não é ele mesmo, como a maior parte de seus anjos maus, "reservado em cadeias eternas sob as trevas para o julgamento do último dia" (Judas 1:6). Ele procura a terra inteira continuamente, nunca passando, nunca descansando, mas "andando", como diz São Pedro (1 Pedro 5:8) ", como um leão que ruge, buscando quem ele pode devorar, "esperando até a vinda dos" mil anos ", quando um anjo" o amarra com uma grande corrente e o lança no poço sem fundo "(Apocalipse 20:1, Apocalipse 20:2). Será um dia feliz para a Terra quando chegar a hora.

Jó 1:8

E o Senhor disse a Satanás: Consideraste? literalmente. Puseste sobre teu coração? equivalente a "Você deu atenção a você?" (comp. Isaías 41:22; Ageu 1:5, Ageu 1:7 ) Meu servo Jó; isto é, "meu verdadeiro servo, fiel em tudo o que faz" (comp. Hebreus 3:5). É uma grande honra para qualquer homem que Deus o reconheça como seu servo (veja Josué 1:2; 1 Reis 11:13, etc.) Que não há ninguém como ele na terra; pelo contrário, porque não há ninguém como ele (veja a versão revisada). Isto é dado como uma razão pela qual Satanás deveria ter prestado atenção especial ao seu caso, e é uma espécie de desafio: "Tu que sempre espiasses algum defeito ou outro em um homem justo, notaste meu servo Jó e descobrimos qualquer culpa nele? " Um homem perfeito e reto, que teme a Deus e evita o mal (veja o comentário no versículo 1).

Jó 1:9

Então Satanás respondeu ao Senhor e disse: Jó teme a Deus por nada? Satanás insinua que o motivo de Jó é puramente egoísta. Ele serve a Deus, não por amor a Deus, ou por amor à bondade, mas pelo que consegue com isso. Satanás é muito perspicaz para se esforçar, como fazem os amigos de Jó mais tarde, para abrir buracos na conduta de Jó. Não; isso é exemplar. Mas o verdadeiro caráter dos atos é determinado pelo motivo. Qual é o motivo de Jó? Ele não serve a Deus para obter sua proteção e bênção? Da mesma forma, nos tempos modernos, os homens ímpios argumentam que as pessoas religiosas e devotas são religiosas e devotas, com vistas ao seu próprio interesse, porque esperam ganhar com isso, seja neste mundo, no próximo, ou em ambos. Esta é uma forma de calúnia da qual é impossível escapar. E homens maus, conscientes de nunca agirem exceto por motivos egoístas, podem muito bem imaginar o mesmo dos outros. Raramente essa insinuação pode ser refutada. No presente caso, Deus vindica seu servo e cobre o adversário de vergonha, pois os outros adversários e caluniadores da justiça serão cobertos no último dia.

Jó 1:10

Você não fez uma cobertura sobre ele? ou seja, "o cercou, o protegeu, fez uma espécie de cerca invisível sobre ele, através da qual nenhum mal poderia rastejar". Isso era sem dúvida verdade. Deus o havia protegido. Mas a questão não era sobre esse fato, mas sobre o motivo de Jó. Era mera prudência? - desejo de garantir uma continuidade dessa proteção? E sobre a casa dele; ou seja, "sua família" - seus filhos e filhas - os membros de sua casa. E sobre tudo o que ele tem por todos os lados. Suas posses - terras, casas, gado, gado de todos os tipos, móveis, mercadorias e bens móveis. Abençoaste o trabalho de suas mãos (comp. Salmos 1:3, onde é dito do homem justo. Que "tudo o que ele faz, prosperará"). O mesmo aconteceu com Jó. A bênção de Deus estava sobre ele, e o sucesso coroou todos os seus empreendimentos. "O trabalho de suas mãos" incluirá tudo o que ele tentou. E sua substância é aumentada na terra. Na cláusula anterior, temos a causa, a bênção de Deus; no segundo, o efeito, um grande aumento na "substância" de Jó ou "gado" (leitura marginal). (Sobre o número final de seu gado, veja o versículo 3.)

Jó 1:11

Mas estenda a mão agora; literalmente, envie sua mão, como um homem que dá um golpe (comp. Gênesis 22:12; Êxodo 3:20; Êxodo 9:15, etc.). E toque tudo o que ele tem; ou fere tudo o que ele tem; ou seja, arruiná-lo, despojá-lo de seus bens. E ele te amaldiçoará na tua face. O professor Lee traduz: "Se não, ele te abençoará na sua cara;" o LXX; "Certamente ele te abençoará na tua face;" Canon Cook, "Veja se ele não te renuncia abertamente". Mas a maioria dos hebraístas concorda com a versão autorizada. Satanás sugere que, se Jó for despojado de seus bens, ele amaldiçoará abertamente a Deus e renunciará a sua adoração. Aqui ele não caluniava nem mentia, mas mostrava os maus pensamentos que estavam em seu próprio coração. Sem dúvida, ele acreditava que Jó agiria como ele disse.

Jó 1:12

E o Senhor disse a Satanás: Eis que tudo o que ele tem está em teu poder; literalmente, na tua mão, como na margem. Deus retira sua proteção dos bens de Jó; ele próprio não os tira, como Satanás sugerira (versículo 11); mas ele permite que Satanás, que não pode fazer nada sem a sua permissão, trate deles como quiser. Como Deus distribui bênçãos através do exército angélico (Salmos 91:11, Salmos 91:12; Hebreus 1:14), para que ele, às vezes, permita que os espíritos do mal sejam os ministros de seus castigos. Somente sobre si mesmo não estenda a mão. A pessoa de Jó não deveria ser tocada ainda. Ele seria ferido apenas em seus pertences. Então Satanás saiu da presença do Senhor. Tendo obtido uma permissão que ele pensou que serviria a seu propósito, Satanás não demorou, mas partiu imediatamente, para tirar proveito da permissão que lhe fora dada. Estar na presença de Deus deve ser uma dor intensa para o maligno.

Jó 1:13

E houve um dia em que seus filhos e filhas estavam comendo e bebendo vinho na casa do irmão mais velho. Um dos aniversários, provavelmente do irmão mais velho, havia chegado, e a reunião comum (ver Jó 1:4) ocorreu - a festa e a bebida começaram, enquanto o pai , permanecendo em sua própria casa, talvez tenha intercedido com Deus por seus filhos, ou considerando ansiosamente a possibilidade de que, em sua alegria alegre, eles pudessem afastar Deus completamente de seus pensamentos, e por isso praticamente o renunciaram, quando o uma série de calamidades começou. Quantas vezes a calamidade chega até nós quando menos esperamos, quando tudo parece quieto sobre nós, quando tudo está prosperando - ou melhor, mesmo quando chega uma hora de festa alta e os sinos da alegria soam em nossos ouvidos, e nossos 'corações são exaltados dentro de nós! De qualquer forma, Jó poupou o mergulho repentino da alegria exuberante para as profundezas da angústia. Era seu hábito preservar um temperamento equilibrado, e nem ser grandemente exaltado, nem, a menos que sob um extremo de sofrimento, ficar grandemente deprimido. Ele estava agora, no entanto, prestes a ser submetido a um julgamento ardente.

Jó 1:14

E chegou um mensageiro a Jó, e disse: Os bois estavam lavrando, e os jumentos (literalmente, os jumentos) se alimentavam ao lado deles (literalmente, na mão deles). Observe que, apesar do festival, o trabalho continuava; não houve feriado geral; os bois estavam trabalhando no campo, talvez não todos, mas o maior número, pois o tempo de lavra é curto nos países orientais e o "brinco" é feito ao mesmo tempo. A maior parte dos trabalhadores de Jó provavelmente estava envolvida no negócio, e eles trouxeram os burros com eles, provavelmente para mantê-los sob seus olhos, para que os ladrões não os levassem, quando a catástrofe relacionada no versículo seguinte ocorreu.

Jó 1:15

E os sabéias (literalmente, Sabá) caíram sobre eles e os levaram. Os Sabeans eram o principal povo da Arábia nos tempos antigos, e o nome parece ser usado algumas vezes no sentido geral de "Árabes" (ver Salmos 72:10, Salmos 72:15; Jeremias 6:20). Podemos supor que a bainha, ou o sentido geral, seja intencionado, ou, se o específico for, então que, na data em que a história de Jó pertence, havia Sabeans no leste e no sul da Arábia, nas vizinhanças do país. Alto Golfo Pérsico, bem como nas proximidades do Oceano Índico. Os hábitos de pilhagem de todas as tribos árabes são bem conhecidos. Strabo diz que os sabeanos, mesmo no auge de sua prosperidade, fizeram excursões pelo saque à Arábia Petraea e até à Síria (Strab; 16.4) Sim, eles mataram; antes, mataram ou feriram. Os servos; literalmente, os jovens; isto é, os trabalhadores que estavam envolvidos na lavoura e estariam no dever de resistir à retirada do gado. Com a ponta da espada. A lança é a principal arma dos beduínos modernos, mas pode ter sido diferente antigamente. Ou a expressão usada pode significar apenas "com armas de guerra". E eu só escapei sozinho para te dizer. O professor Lee traduz: "E dificilmente escapei sozinho para te dizer".

Jó 1:16

Enquanto ele ainda estava falando; literalmente, ele ainda falando; XXτι τούτον λαλοῦντος, LXX. O escritor apressa suas palavras para expressar a rapidez com que um anúncio se seguiu a outro (veja Jó 1:17, Jó 1:18). Veio também outro, e disse: O fogo de Deus caiu do céu. "O fogo de Deus" é sem dúvida um relâmpago (comp. Números 11:1; 2 Reis 1:10, 2 Reis 1:14; Salmos 78:21). Este Satanás, sob permissão, pode exercer, como sendo "o príncipe do poder do ar" (Efésios 2:2): mas há, sem dúvida, algo muito extraordinário em uma tempestade que se estende sobre os pastos ocupados por nove mil ovelhas e destrói todas elas (Cook). Ainda assim, não se pode dizer que tal tempestade seja impossível; e talvez o dano causado não tenha sido maior do que o que se seguiu à sétima praga egípcia (ver Êxodo 9:18). E queimou as ovelhas e os servos; literalmente, os jovens; ou seja, os pastores que estavam presentes nas ovelhas. E os consumiu; literalmente, os devorou. Dizem que o fogo "devora" o que destrói. "Os egípcios", diz Heródoto, "acreditam que o fogo é um animal vivo, que come tudo o que pode apreender e, então, cheio de comida, morre com a matéria de que se alimenta" (Herodes; 3,16). E só escapei para te dizer (veja o comentário em Jó 1:15).

Jó 1:17

Enquanto ele ainda estava falando, veio também outro (veja o comentário em Jó 1:16). A repetição exata de uma cláusula, sem a alteração de uma palavra ou letra, é muito arcaica (comp. Gênesis 1:4, Gênesis 1:8, Gênesis 1:13, Gênesis 1:19, Gênesis 1:23, Gênesis 1:31; e para outra repetição, Gênesis 1:10, Gênesis 1:12, Gênesis 1:18, Gênesis 1:21, Gênesis 1:25). E disse: Os caldeus; literalmente, o Casdim (כַשְׂדִים), que é a palavra usada uniformemente no hebraico onde a Versão Autorizada tem "Caldeus" ou "Caldeus". O nome nativo parece ter sido Kaldi ou Kaldai, de onde o grego Χαλδαῖοι e o latim Chaldaei. É muito difícil explicar que os hebreus substituíram um sibilante pelo líquido; mas certamente foi realizado desde o período mais antigo de sua literatura (Gênesis 11:31) até o mais recente (ver Targums, passim). Alguns derivam o hebraico Casdim de "Chesed", um dos filhos de Nahor (Gênesis 22:22); mas Abraão deixou Ur dos caldeus antes de Chesed nascer (Gênesis 22:20). E não há evidências de nenhuma conexão entre Chesed, que nasceu em Haran, e os caldeus da Babilônia. Os caldeus provavelmente foram primeiros colonos na Babilônia; aos poucos, foram pressionados para o sul e deram o nome de Caldéia à Baixa Babilônia, ou o trecho mais próximo ao Golfo Pérsico (Strab; 16.1, § 66; Ptolomeu, 'Geographia', 5.20). Desde uma data remota, eles eram um povo estabelecido e civilizado; mas sem dúvida originalmente eles tinham os mesmos instintos predadores que seus vizinhos. Criou três bandas. O professor Lee traduz "nomeado três capitães", que é um possível significado das palavras; mas o peso da autoridade suporta a renderização da versão autorizada. E caiu sobre os camelos. Talvez a parte mais valiosa dos bens de Jó. Três mil camelos seriam considerados uma captura esplêndida por qualquer corpo de saqueadores orientais. E os levou embora, e matou os servos (literalmente, os jovens, como no versículo 16) com o fio da espada; e só escapei para te dizer (compare o comentário no versículo 15).

Jó 1:18

Enquanto ele ainda estava falando, veio também outro, e disse (teus comentários e comentários), teus filhos e tuas filhas estavam comendo e bebendo vinho na casa do irmão mais velho. (comp. Jó 1:13). É um provérbio comum que "infortúnios nunca vêm sozinhos". Shakespeare diz que "não vêm inimigos isolados, mas em batalhões". Ainda assim, uma série tão esmagadora de calamidades que caem sobre um único indivíduo em um único dia não pode deixar de considerar aqueles que os ouviram anormais e quase certamente sobrenaturais. Então, os amigos de Jó concluíram (Jó 5:17).

Jó 1:19

E eis que veio um grande vento do deserto; antes, do outro lado do deserto - um vento que começava na região do outro lado do deserto, e varria através dele, chegava com força total ao trato habitado onde Jó e seus filhos estavam morando. Os ventos do deserto são frequentemente muito violentos. Geralmente eles são carregados de nuvens pesadas de areia fina, que causam desconforto e sede intoleráveis; mas quando varrem uma região rochosa e gravemente coberta de vegetação, são simplesmente de extrema violência, sem outra característica angustiante. Eles então se assemelham aos furacões ou tornados das Índias Ocidentais. Podemos razoavelmente conectar esse furacão à tempestade do versículo 16. E ferir os quatro cantos da casa, e ela caiu. As "casas" do Oriente não são as estruturas sólidas de madeira pesada, tijolo e pedra a que nós do Ocidente estamos acostumados, mas tecidos leves de tábuas e paliçadas, cobertas principalmente de junco. Casas desse tipo, quando a chuva cai e os ventos sopram e batem contra elas (Mateus 7:6), caem rapidamente. Sobre os rapazes; antes, os jovens. Na'ar (נער) é de ambos os sexos no hebraico antigo (veja Gênesis 24:14, etc.). E eles estão mortos; e só escapei sozinho para te dizer. Mais uma vez, a calamidade tem uma completude que a marca como sobrenatural. A queda de uma casa geralmente não destrói todos os presos.

Jó 1:20

Então Jó se levantou. Jó não se manifestou até a última calamidade. A perda de sua riqueza pouco o comoveu. Mas, quando soube que seus filhos foram destruídos, todos "de uma só vez", ele não aguentou mais, mas levantou-se do assento em que estava sentado e demonstrou sua tristeza. Primeiro, ele alugou seu manto, "o manto externo usado por homens de patente" (Cook) - um sinal costumeiro de pesar no mundo antigo (Gênesis 37:29, Gênesis 37:34; Gênesis 44:13; 1Rs 21:27; 2 Reis 19:1; Ester 4:1; Joel 2:13; Herodes; 8,99; Livy, 1,13, etc.); depois raspou a cabeça - outro sinal de sofrimento menos usual, mas ainda não incomum, proibido pela Lei dos Judeus (Le Jó 21:5; Deuteronômio 14:1), mas amplamente praticada pelos gentios (Isaías 15:2; Jeremias 47:5; Jeremias 48:37; Herodes; 2.36; 9.24; Plut., 'Vit. Pelop.,' § 34; Q. Gurt., 'Vit. Alex.,' 10.5, § 17) . E caiu no chão, e adorou. Depois de dar vazão à sua dor natural, Jó fez um ato de adoração. Reconhecendo o fato de que a adversidade, assim como a prosperidade, vem de Deus, e se submetendo à vontade divina, ele "adorou". Quantas vezes seu ato passou pela mente dos cristãos. e lhes permitiu, na hora escura, imitá-lo e repetir suas palavras: "O Senhor deu", etc.!

Jó 1:21

E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei para lá. Existe alguma dificuldade na palavra "para lá", pois nenhum homem retorna ao ventre de sua mãe (João 3:4), na morte ou de outra maneira. A expressão não deve ser pressionada. Surge da analogia, constantemente sentida e reconhecida, entre a "mãe" terra e a mãe real de um homem (organização. Sl 129: 1-8: 15). O Senhor deu, e o Senhor tirou. Jó é aqui representado como conhecendo Deus por seu nome "Jeová", embora em outros lugares o "grande Nome" apareça apenas uma vez nas palavras de Jó (Jó 12:9), e nunca em as palavras de seus amigos. A conclusão natural é que o nome era conhecido na terra de Uz na época, mas era muito raramente usado - dificilmente, exceto em momentos de excitação. Bendito seja o nome do Senhor; literalmente, que o nome de Jeová seja abençoado! A palavra erfática é mantida para o final. Segundo Satanás, Jó deveria ter "amaldiçoado Deus na sua face" (versículo 11). O evento é que ele abertamente e resolutamente abençoa a Deus. O fato de a mesma palavra ser usada em seus dois sentidos opostos acentua bastante a antítese.

Jó 1:22

Em tudo isso Jó não pecou. Foi apenas o começo da liberdade condicional; mas até agora, de qualquer maneira, Jó não havia pecado - ele preservara sua integridade, falara e agira corretamente. Nem acusou a Deus tolamente; literalmente, não deu loucura a Deus, o que é explicado como significando "não atribuiu a Deus nada inconsistente com sabedoria e bondade" (Delitzsch, Merx) ou "não proferiu nenhuma loucura contra Deus" (Ewald, Dillmann, Cook) . O último é provavelmente o verdadeiro significado (comp. Jó 6:6; Jó 24:12).

HOMILÉTICA

Jó 1:1

O herói do poema.

I. O NOME DA PATRIARCA. Trabalho.

1. Histórico. Não é fictício, mas é real (Ezequiel 14:14; Tiago 5:11). Mesmo que o Livro de Jó tenha procedido do brilhante período salomânico, a pessoa de Jó deve ser procurada em tempos patriarcais remotos.

2. Significativo. Significando "Perseguido" ou "Arrependido", se não estiver melhor conectado com uma raiz que denota "exultação alegre". Os nomes das escrituras sugerem frequentemente traços de caráter (por exemplo, Jacó, Pedro, Barnabé) ou pontos da história (por exemplo, Abraão, Israel, Benjamin, Samuel).

3. Ilustre. Aliado ao dos príncipes (Gênesis 46:13; Gênesis 36:33), como quem provavelmente descendia do pai da fiel (Gênesis 25:6). A piedade, não menos que as doações intelectuais, dos ancestrais às vezes reaparece em sua posteridade.

4. Honrado. Elogiado por Deus (Ezequiel 14:14), elogiado por São Tiago (Tiago 5:11), imortalizado pelo bardo hebreu.

II O PAÍS DA PATRIARCA. Uz.

1. Pagão. Embora consideravelmente civilizados, como atestam os monumentos sobreviventes, os filhos do Oriente não foram acolhidos dentro do pacto abraâmico, pelo qual ficaram atrás dos filhos de Israel (Romanos 9:4). Para os países, assim como para os indivíduos, as instituições religiosas são uma honra mais alta e um privilégio maior do que as bênçãos da civilização. Ainda:

2. Não foi abandonado por Deus. Se os compatriotas de Jó, como os de Abraão, eram viciados em idolatria (Jó 31:26). é aparente que um remanescente ainda aderiu à fé primitiva da humanidade. Provavelmente, nenhuma era ou povo jamais foi totalmente desprovido de luz do céu ou das influências graciosas do Espírito de Deus. Nos tempos mais sombrios e na maioria das terras idólatras, Deus conseguiu encontrar uma semente para servi-lo (1 Reis 19:18; Romanos 11:4, Romanos 11:5).

III A PIETY DA PATRIARCA.

1. Perfeito. Utilizado em Noé (Gênesis 6:9) e em Abraão (Gênesis 17:1); descreve o caráter religioso do patriarca com referência a si próprio como

(1) completo, orbitado, bem proporcionado, bem simétrico, possuindo todos os atributos e qualidades indispensáveis ​​à masculinidade espiritual - um ideal após o qual os santos do Antigo Testamento lutaram (Salmos 119:6) e os crentes do Novo Testamento aspiravam (Atos 24:16), e que por Cristo (Mateus 5:48), Paulo (1 Tessalonicenses 5:23), e por St. James (Tiago 1:4) é proposto como o objetivo da conquista cristã; e como

(2) sincero, claro e transparente por motivos, único e indiviso em objetivo, puro e sem mistura de afetos, sem dolo, sem hipocrisia, sem duplicidade - uma qualidade novamente exemplificada por David (Salmos 26:1), Zacarias e Elisabeth (Lucas 1:6), Natanael (João 1:47), São Paulo ( 2 Coríntios 4:2), e prescrito por Cristo como uma obrigação perpétua (Colossenses 3:22; 1 Timóteo 1:5).

2. Vertical. Definir a piedade de Jó em sua relação com a lei do direito, como a que era "direta" ou sem desvio (ou seja, consciente; Eclesiastes 7:20), na flora do pensamento ou do ato o caminho prescrito do dever e também o distingue dos "caminhos tortuosos" dos ímpios (Salmos 125:4, Salmos 125:5; Provérbios 2:15), contra o qual os santos são avisados ​​(Josué 1:7; Provérbios 4:25, Provérbios 4:27) e que eles se esforçam para evitar (Salmos 101:3; Hebreus 13:18).

3. Temente a Deus. Expondo o aspecto que a piedade de Jó mantinha em relação a Deus - uma perspectiva não de terror sombrio e servil, mas de reverência filial e reverência santa. uma veneração tão solene e profunda como uma contemplação do caráter Divino é adequada para inspirar (Salmos 89:7; Salmos 99:3), como Abraão acalentava (Gênesis 22:12), como é inculcado nos cristãos (Hebreus 12:28), e como está na base de toda a verdadeira grandeza (Salmos 111:10; Jó 28:28; Provérbios 1:7).

4. Odiar o pecado. Completando o retrato do caráter religioso do patriarca, retratando a atitude em que ele representava o mal moral, seja em si mesmo ou no mundo ao redor, que não era uma posição de indiferença ou neutralidade, mas de hostilidade ativa e determinada - uma característica necessária o caráter do homem bom, conforme descrito nas Escrituras (Salmos 34:14; Salmos 37:27; Provérbios 14:6; Efésios 5:11; 1 João 3:3, 1 João 3:6).

IV A PROPRIEDADE DA PATRIARCAÇÃO.

1. Extensivo. Compreendia sete mil ovelhas, indicando um opulento mestre de rebanho; três mil camelos, implicando que ele agia como um comerciante principesco; quinhentos jugo de bois, apontando para uma grande fazenda; e quinhentas jumentas, muito valorizadas pelo leite; enquanto, junto com eles, abrangia "uma família muito grande" ou uma multidão de servos, como lavradores, pastores, cameleiros, além de guardas, superintendentes, traficantes e escribas; da qual é certo que o patriarca não poderia ter sido um ocioso - mostrando assim que a piedade não é incompatível com grandes atividades comerciais, ou as ocupações comuns da vida necessariamente prejudiciais à cultura da alma (Romanos 12:11).

2. Valioso. Os diferentes itens do catálogo acima mostram claramente que Jó era rico, sendo a riqueza material, no seu caso, aliada a tesouros espirituais, provando assim que, embora os homens bons nem sempre sejam ricos, como infelizmente os homens ricos nem sempre são bons, ainda é bom. não significa impossível ser os dois; testemunhe Abraão (Gênesis 13:2), IsaActs (Gênesis 26:13, Gênesis 26:14), Jacó (Gênesis 32:10), José de Arimatéia (Mateus 27:57).

3. Removível. Como o evento mostrou, e como é o caso de todos os homens, grandes ou pequenos, na terra (Tiago 1:10, Tiago 1:11; 1 João 2:17).

V. A FAMÍLIA DO PATRIARCA.

1. Numerosos. Sob a economia do Antigo Testamento, uma grande família foi prometida como recompensa especial aos piedosos (Salmos 113:9; Salmos 127:4, Salmos 127:5; Salmos 128:1>), e embora uma prole abundante não seja mais um sinal de graça ou evidência de religião todavia, as crianças estão entre os mais preciosos presentes do Céu, e feliz é o homem que tem sua aljava cheia deles.

2. feliz. Se os entretenimentos que eles deram eram comemorações de aniversário, ou retornavam periodicamente festas religiosas ou banquetes semanais, eles obviamente formaram um lar alegre e genial. Festividade inocente não é imprópria nem irreligiosa, pois não é verdade que "o homem foi feito para lamentar" (Burns), enquanto é verdade que o povo de Deus é ordenado a se alegrar cada vez mais (Eclesiastes 9:7; Salmos 100:1; Filipenses 4:4).

3. Amar. Se a família de Jó era alegre, eles também eram harmoniosos e unidos. Poucos espetáculos na Terra são mais bonitos do que famílias cujos membros são queridos um pelo outro por afeto recíproco (Salmos 133:1); e, no entanto, homens bons muitas vezes viram suas famílias dilaceradas por conflitos indecorosos; por exemplo. Adão, Abraão, Isaac, Jacó, Davi.

VI O SOLICITUDE DA PATRIARCA.

1. razoável. Alegria e alegria, embora inocentes em si mesmos e sancionados pela religião, tendem a fazer com que o coração se esqueça de Deus. Aqueles que freqüentam banquetes sociais e se deliciam com as delícias do mundo tendem a se tornar amantes do prazer mais do que amantes de Deus (2 Timóteo 3:4); por exemplo. Salomão, Mergulhos, Demas.

2. Tornando-se. Como homem piedoso, Jó dificilmente deixaria de se preocupar com o comportamento de tantos jovens, principalmente quando participava de um banquete. Como pai, ele foi duplamente constrangido a respeitar o bem-estar espiritual e eterno. Ainda mais, é dever dos pais educar seus filhos e filhas na criação e advertência do Senhor do que prover sua educação e estabelecimento na vida (Efésios 6:4 )

3. sério. O pai que poderia ter tanto esforço e despesa com a educação religiosa de seus filhos como Jó parece ter o calcanhar era claramente sincero, e poderia ser lucrativamente adotado como padrão pelos pais cristãos. Compare a negligência dos pais de Eli (1 Samuel 2:29).

4. Habitual. Como o zelo de Jó era rápido, da mesma forma era constante. A prática piedosa da adoração divina era mantida com regularidade indiferente, semana após semana, ou pelo menos no final de cada ocasião festiva. Como a responsabilidade dos pais por seus filhos não termina com a infância, também não devem cessar seus esforços para promover seu bem-estar com a chegada ao estágio de masculinidade e feminilidade.

Aprender:

1. Deus pode ter filhos fora dos limites da Igreja visíveis.

2. Prosperidade e piedade, embora não sejam comumente conjuntas, não são de modo algum incompatíveis.

3. O povo de Deus deve visar a posse de uma piedade "perfeita e completa, sem querer nada".

4. As famílias dos homens bons devem ser boas.

5. Os pais piedosos devem treinar seus filhos no temor de Deus e na observância de seus preceitos.

Jó 1:1

Trabalho.

I. UM PRÍNCIPE ORIENTAL.

II UM HOMEM RICO.

III UM SANTO EMINENTE.

IV UM PAI DEUS.

V. UM PADRE SACRIFICADOR.

Jó 1:3

Riqueza e piedade.

I. SUAS CARACTERÍSTICAS COMUNS.

1. dons de Deus; e, portanto, ser recebido com gratidão.

2. ornamentos do homem; e, portanto, ser portado humildemente.

3. Os talentos de um cristão; e, portanto, para ser usado com fidelidade.

II Suas relações recíprocas.

1. Riqueza e piedade não são necessariamente incompatíveis.

2. Riqueza e piedade são frequentemente mutuamente destrutivas.

3. Riqueza e piedade podem ser reciprocamente úteis

III SUAS EXCELÊNCIAS COMPARATIVAS.

1. A piedade pode ser obtida por todos; a riqueza pode ser garantida apenas por alguns.

2. A piedade é útil para todos; a riqueza é prejudicial para alguns.

3. A piedade permanecerá com todos; a riqueza pode permanecer com nenhuma.

LIÇÕES.

1. Os que têm piedade podem prescindir da riqueza.

2. Os que têm riqueza não podem prescindir da piedade.

Jó 1:4

Banquetes.

I. UM CLIENTE ANTIGO.

II UMA APROVAÇÃO PERMITIDA.

III UMA AÇÃO NATURAL.

IV UMA OCUPAÇÃO PERIGOSA.

Jó 1:5

Adoração em família.

I. DEVE PRECEDER OS NEGÓCIOS DO DIA. Jó se levantou de manhã cedo.

II DEVE SER EXECUTADO NO DOMÉSTICO MONTADO. Jó reuniu todos os seus filhos para suas devoções.

III DEVE SER CELEBRADO APÓS DEVIDO PREPARAÇÃO. Jó santificou seus filhos pelas abluções costumeiras.

IV DEVE SER INSPIRADO PELA FÉ NO SACRIFÍCIO EXPONENTE. Jó ofereceu ofertas queimadas.

V. DEVE SER ACOMPANHADO POR OBLAÇÕES LIBERAIS. Jó apresentou as vítimas ao número de todas.

VI DEVE SER MARCADO POR CONFISSÃO E INTERCESSÃO. Jó intercedeu por seus filhos.

VII DEVE SER MANTIDO COM A REGULARIDADE NÃO BORRACHA. Jó o fazia continuamente.

Aprender:

(1) O dever,

(2) a propriedade,

(3) a necessidade e

(4) o valor do culto em família.

Jó 1:6

A controvérsia fundamental do poema.

I. A OCASIÃO DA CONTROVÉRSIA. A presença de Satanás entre os filhos de Deus.

1. A assembléia celestial.

(1) Os seres que a compõem. Filhos de Deus, ou seja, anjos (vide Jó 38:7 e cf. Salmos 29:1), aqui denominados "filhos de Elohim, "para indicar sua natureza, como derivando sua existência de Deus (cf. Lucas 3:38); sua dignidade, como desfrutando de uma posição exaltada na escala de ser (cf. Daniel 3:25); e seu cargo, na qualidade de ministros do Supremo (cf. Salmos 82:6).

(2) O objetivo de sua reunião. "Apresentar-se perante o Senhor;" não ajudar nas deliberações da Mente Infinita Isaías 40:13, Isaías 40:14; Romanos 11:34), mas como embaixadores que retornam de seus respectivos circuitos para prestar contas de seus ministérios e receber comissões para execução futura. Mesmo assim, todas as criaturas inteligentes de Deus na Terra devem aparecer diante do pavoroso tribunal dos céus (2 Coríntios 5:10), e todos devem prestar contas de si mesmos a Deus (Romanos 14:12).

2. O visitante inesperado.

(1) A importação do seu nome. "Satanás" o adversário, o caluniador, o acusador; não o gênio do mal da teologia posterior dos judeus, mas o espírito sombrio e sombrio da revelação divina, que liderou a revolta no céu contra a autoridade de Deus (Apocalipse 12:7), seduziu nossos primeiros pais a pecar (Gênesis 3:1; Gênesis 2:1 Gênesis 11:3), tentou Jesus Cristo (Mateus 4:1), guerreou contra ele durante toda a sua carreira na Terra (Mateus 13:39; Lucas 10:18; João 12:31), agora governa as crianças de desobediência (Efésios 2:2) e luta contra os filhos da luz (Efésios 6:11).

(2) a natureza de sua ocupação. "Indo e vindo pela terra, e subindo e descendo nela;" que indica seu domínio - este mundo inferior, concebido como alienado de Deus e envolvido em trevas morais e espirituais (Efésios 2:2; 1 João 5:19; Apocalipse 16:10); sua atividade - embora atualmente, em alguns casos, esteja reservada em cadeias (Jud Romanos 1:6)), ele ainda tem uma grande liberdade (1 Pedro 5:8); sua diligência - ele nunca interrompe seus negócios, mas processa suas tarefas infernais, indo de um lado para o outro e subindo e descendo; sua inquietação, tendo, como depois ganho, caído sob a proibição de perambular, o que o condenou a estar sempre buscando descanso, mas não encontrando nenhum (Mateus 12:45), desde então seus filhos são como o mar agitado que não pode descansar (Isaías 57:20, Isaías 57:21).

(3) O objetivo de sua vinda. Se apresentar-se diante do Senhor com os outros filhos de Deus (Jó 2:1), ou seja, relatar sobre suas maquinações perversas, sua aparência, podemos estar certos, é totalmente involuntária e obrigatório, que pode nos lembrar que Satanás, não menos que outras criaturas, está sujeito à autoridade divina; que os procedimentos de Satanás no mundo estão sob a vigilância perpétua do Todo-Poderoso; e que Satanás não pode viajar mais longe nem trabalhar por mais tempo do que recebe comissão expressa que Jeová deve fazer. Mas é provável que o motivo subjacente da invasão de Satanás à assembléia celestial não tenha sido prestar conta de qualquer missão que lhe fora confiada, mas processar sua obra diabólica de caluniar os filhos de Deus que ainda estavam na terra (cf. Apocalipse 12:10; Zacarias 3:1).

II AS PARTES DA CONTROVÉRSIA. Jeová e Satanás.

1. Jeová.

(1) A Deidade auto-existente e totalmente suficiente (Êxodo 3:14).

(2) O Senhor dos anjos (Jó 4:18).

(3) O medo dos santos (Gênesis 31:42; Jó 1:1).

(4) O governador do universo (Jó 9:12; Jó 34:13; Jó 36:23; Jó 41:11).

2. Satanás.

(1) A criatura de Deus.

(2) a representação do mal.

(3) O adversário de Cristo.

(4) O acusador dos irmãos.

III O ASSUNTO DA CONTROVÉRSIA. O caráter desinteressado de piedade ou religião.

1. O desafio divino. "Você considerou meu servo Jó, que não há ninguém como ele na terra?" A linguagem de:

(1) A condescendência divina não está apenas observando uma criatura, mas inclinando-se para conversar com um adversário, sim, com um diabo (Salmos 113:6).

(2) Observação divina, particularizando Jó pelo nome, e dilatando seu caráter, o que demonstra que o conhecimento de Deus sobre seu povo se estende a mínimos detalhes, como os nomes que eles carregam, as profissões que fazem, os personagens que possuem (Êxodo 33:12; Isaías 49:1; João 10:3).

(3) Admiração divina, elogiando a piedade de Jó de modo a mostrar que ele se orgulhava do valor de seu servo, como sempre faz (Sofonias 3:17).

(4) Afeto divino, ao falar do patriarca a fim de demonstrar que ele era um objeto especial da consideração divina, chamando-o de "meu servo", como Cristo depois denominou seus seguidores de "meus amigos" (João 15:14).

(5) E proteção divina, a pergunta que sugere instintivamente o cuidado ciumento de Jeová por seu servo (Zacarias 2:8).

2. A resposta satânica. "Jó teme a Deus por nada?" etc. Contendo:

(1) Uma admissão relutante - que Jó temia a Deus e que, em relação à aparência externa, pelo menos em relação à religião, ele havia alcançado uma eminência incomparável. Os santos devem ter como objetivo possuir uma piedade tão visível que, por mais que deseje, não pode ser contradita, nem mesmo pelo diabo.

(2) Uma insinuação de base - que a piedade do patriarca procede de motivos puramente mercenários. Veja a malignidade de Satanás ao tentar depreciar o que ele acha impossível negar - uma arte na qual os servos de Satanás geralmente são adeptos.

(3) Uma implicação importante - a questão mais alta da eficácia do plano de redenção e da suficiência da graça divina estar praticamente envolvida na posição ou queda de Jó, cuja sinceridade foi impugnada. Nos sermões do diabo, sempre há mais do que o ouvido (cf. Gênesis 3:5).

(4) Uma proposição audaciosa - que Deus traga a questão em debate a um experimento com o patriarca, como se Deus tivesse dúvidas sobre a integridade de seu servo, ou como se, embora ele tivesse, ele provavelmente sujeitasse essa servo da provação do sofrimento, a fim de agradar o diabo! Na verdade, não há limites para a insolência de Satanás!

(5) Uma previsão precipitada - de que Jó imediatamente, com a aplicação da pedra de toque da adversidade, rebateria ao extremo oposto e "amaldiçoaria Deus à sua face", o que ele não fez, mostrando que as profecias de Satanás, como suas promessas, geralmente revelar mentiras.

IV A DETERMINAÇÃO DA CONTROVÉRSIA. Pelo julgamento do patriarca.

1. A permissão divina. "Eis que tudo o que ele tem está em teu poder." Uma permissão

(1) verdadeiramente espantoso quando consideramos por quem, a quem e a respeito de quem foi entregue, até onde chegou e com que finalidade foi projetado; ainda

(2) perfeitamente justificável, pois os bens de Jó eram mais de Jeová do que do patriarca (Salmos 24:1; Salmos 50:10; Êxodo 19:5; Ageu 2:18; Ezequiel 18:4), como patriarca posteriormente reconhecido (Jó 1:21), e pode ser descartado como Deus quiser, sem a acusação de fazer mal à sua criatura; e

(3) absolutamente necessário, para que o julgamento seja conduzido de maneira que nenhuma brecha permaneça com a menor suspeita de sua exaustividade e imparcialidade; embora ao mesmo tempo

(4) misericordiosamente limitado, apenas as posses do patriarca sendo colocadas no poder do adversário, e não sua pessoa como no segundo julgamento (Jó 2:7), Deus nunca sofrendo seu povo. ser testado acima do que eles são capazes de suportar (1 Coríntios 10:13), ou mais do que o necessário.

2. A limitação divina. "Somente sobre ele não estenda a mão"; o que nos lembra

(1) que Satanás não tem poder contra um santo além do que Deus permite (João 19:11);

(2) que Deus pode impor uma barreira à malignidade de Satanás, bem como às ondas do mar (Jó 38:11) e à raiva do homem (Salmos 76:10);

(3) que Deus pode colocar um escudo ao redor das pessoas do seu povo no dia de sua calamidade (Jó 22:25; Salmos 91:1); e

(4) que Deus freqüentemente protege seu povo contra os ataques de Satanás quando eles não estão conscientes.

Aprender:

1. Que, se Satanás pode encontrar seu caminho nas assembléias dos filhos de Deus no céu, dificilmente será uma surpresa detectá-lo entre as congregações dos filhos de Deus na Terra.

2. Que, se um santo eminente como Jó não escapou do impeachment pelo diabo, não será maravilhoso se os santos menores forem acusados.

3. Se Deus permitiu que um Jó fosse colocado no poder do diabo, como Cristo permitiu que Pedro fosse lançado na peneira de Satanás, é quase de se esperar que os cristãos comuns também sejam submetidos a julgamento.

4. Se Deus estabelecer um limite para o poder de Satanás ao lidar com seu servo Jó, ele não concederá autoridade ilimitada ao adversário quando vier tentar aqueles que são menos capazes de resistir a seus assaltos.

5. E que, se Jó foi sustentado ao passar pela provação ardente, todos os que gostam de Jó são sinceros de coração serão acolhidos no dia de sua calamidade.

Jó 1:7

Um sermão sobre Satanás.

I. O caráter da pessoa de Satanás. A questão implica:

1. A existência e personalidade do espírito do mal.

2. Sua natureza angelical.

3. Sua atividade incessante.

4. Sua vigilância não cansada.

5. A inquietação do seu coração perverso.

II A esfera da ação de Satanás.

1. Geralmente, a terra em oposição ao céu.

2. Particularmente,

(1) o coração humano;

(2) a família humana;

(3) a igreja cristã;

(4) o mundo pagão.

III O MODO DE TRABALHO DE SATANÁS.

1. Por tentação.

2. Por acusação.

Aprender:

1. A necessidade de vigilância.

2. O valor da oração.

3. A importância de vestir a armadura cristã.

4. A vantagem do trabalho cristão.

Jó 1:9

Jó teme a Deus por nada?

EU SIM! Os servos de Deus não são hipócritas.

1. Aqueles que servem a Deus por motivos mercenários não o servem verdadeiramente (Isaías 1:13).

2. Aqueles que servem a Deus sinceramente aderem a ele quando todos os confortos são retirados (Habacuque 3:17).

II Não, os servos de Deus não são recompensados. Como Jó, eles são homenageados com:

1. Atenção divina (Salmos 33:18).

2. Aprovação divina (Salmos 147:11).

3. Provisão divina (Salmos 34:9; Salmos 111:5).

4. Proteção divina (Salmos 85:9); cf. os santos do Antigo Testamento nos tempos de Malaquias 3:16.

Jó 1:13

O primeiro julgamento do patriarca.

I. A PREPARAÇÃO PARA O JULGAMENTO. O patriarca no auge de sua prosperidade. A temporada lançada para atacar o patriarca foi um dia de:

1. Alegria festiva; quando a família do patriarca foi convocada em um banquete de magnificência incomum, "comendo e bebendo vinho na casa do irmão mais velho"; um entretenimento tão suntuoso, sem dúvida, que se tornou o primogênito a fornecer.

2. indústria ocupada; quando toda a família do patriarca se agitava com atividades incontroláveis: os lavradores dirigindo sulcos pelo solo com a ajuda dos pacientes bois, enquanto as jumentos cortavam os pastos nas proximidades; os pastores cuidando das vastas massas de ovelhas que se espalham pela planície; e os motoristas de camelo indo e voltando com suas caravanas de mercadorias caras.

3. Felicidade sem igual; no qual o patriarca, pode-se imaginar, examinando sua sorte terrena, observando a unidade amorosa e a alegria inocente de seus filhos, e vendo a fidelidade e diligência de seus servos, percebeu que seu cálice de felicidade terrestre estava cheio e até transbordando.

4. Segurança fantasiada; em que nenhuma nuvem apareceu em todo o horizonte amplo e claro; nenhuma sombra ofuscava o brilho do céu, nem um pontinho de problemas em qualquer lugar podia ser detectado para excitar o alarme do patriarca. Era um dia em que raramente cai sobre o lote do povo de Deus na terra; e a seleção daquele dia, acima de todos os outros, por expulsar o patriarca do pináculo de sua grandeza e o cume de sua felicidade foi sem dúvida elaborada com astúcia que a própria elevação da elevação do patriarca poderia intensificar a profundidade e a gravidade de sua queda.

II A GESTÃO DO JULGAMENTO. A prosperidade do patriarca derrubada.

1. A ruína rapidamente concluída.

(1) Repentino em sua vinda; é mais provável que a cidadela da integridade de Jó seja carregada por um golpe de estado do que por um ataque deliberado e vagaroso, desde que avisada também seja preconizada, e os perigos que os homens vêem que geralmente podem adotar medidas para evitar.

(2) Universal em sua varredura; o diabo não ficava um passo atrás, se não pudesse dar um passo além, a permissão divina, com uma terrível avalanche de desastres que descia sobre o belo cenário da prosperidade do patriarca, e não deixava um ponto despercebido por sua fúria devoradora.

(3) Impiedoso em sua devastação; isentar apenas quatro domésticas (não filhos! o que pode ter sido uma atenuação; mas as misericórdias do diabo são geralmente cruéis), consignando todo o resto a uma destruição avassaladora e sem remorsos.

(4) Astúcia em seu artifício; sendo efetuado não direta e imediatamente pelo próprio diabo, mas por agentes naturais - sabes e caldeus, relâmpagos e furacões - para que pareça ser obra da providência comum de Deus e ser atribuída pelo homem atingido à Deidade a quem ele servido e adorado.

2. O relatório habilmente organizado.

(1) Mensageiro seguindo mensageiro, como Ahimaaz correndo atrás de Cushi (2 Samuel 18:22), para que todo o conto de infortúnios possa não ser declarado de uma só vez, mas com tortura requintada prolongada Ao máximo.

(2) Calamidade amontoada sobre calamidade; não um único mensageiro chegando com boas novas, mas cada um com um fardo mais pesado que seu antecessor.

(3) Golpe que desce após golpe; nenhum orador tendo a graça, como Aimaaz ao relatar a morte de Absalão a Davi, para mitigar o golpe ao velho; mas, como Cushi, cada um com minuciosamente excruciante detalhe detalhando sua história de miséria, e com algo como satisfação egoísta, enfatizando o fato de sua própria fuga ser o portador da notícia apavorante, sem perceber que isso poderia ser apenas um agravamento da angústia do patriarca; e sem interrupção na terrível torrente de adversidades, nem um momento para respirar, mas continuamente em um fluxo incessante: "Enquanto ele ainda estava falando;" e "Enquanto ele ainda estava falando"; e "Enquanto ele ainda estava falando". Claramente, se o ofício de Satanás era notável em sua preparação para o julgamento, era igualmente aparente a sua gestão do mesmo.

III A QUESTÃO DO JULGAMENTO. A recepção do noticiário pelo patriarca.

1. Com tristeza penitencial; expresso nas ações simbólicas de rasgar suas roupas (cf. Gênesis 37:34; Jos 7: 6; 2 Samuel 1:11; 2 Samuel 3:31) e raspando a cabeça (cf. Isaías 15:2; Isaías 22:12; Jeremias 7:29; Jeremias 41:5; Miquéias 1:16); o primeiro, revelando a veemência e intensidade da emoção do patriarca, e o segundo, apontando para sua calma e moderação.

2. Com resignação piedosa. Reconhecendo:

(1) Sua condição originalmente desamparada: "Nu saí do ventre de minha mãe"; de modo que suas calamidades apenas o colocaram onde ele estava - um argumento para satisfação (1 Timóteo 6:7).

(2) Sua saída em perspectiva do mundo: "Nu voltarei para lá"; de modo que, afinal, ele havia experimentado um pouco antes o que certamente aconteceria com ele no final (cf. Eclesiastes 5:15; Eclesiastes 12:7; e 'Measure for Measure', Atos 3. Sc. 2) - um argumento para envio.

(3) Toda a sua dependência de Deus por todas as bênçãos de sua sorte terrena: "O Senhor deu;" para que ele próprio não pudesse reivindicar propriedade absoluta de tudo o que havia perdido (1 Coríntios 4:7; Tiago 1:17) - um argumento por aquiescência.

(4) Seu devoto reconhecimento da mão de Deus em suas aflições e perdas: "O Senhor levou embora"; de modo que não apenas ele colocou a mão sobre quem tinha o direito perfeito de fazê-lo, mas, ao remover seus pertences e filhos, ele apenas tomou o que primeiro era seu - um quarto argumento para renúncia.

3. Com humilde adoração. Caindo no chão e adorando; assim, mentindo à calúnia de Satanás, mantendo sua firmeza e mantendo sua integridade; não amaldiçoando Deus na sua face, mas acrescentando solenemente, com reverência e devoção: "Bendito seja o nome de Jeová!"

IV O veredicto do julgamento. A vindicação completa do patriarca. Sua passagem triunfante pela provação terrível é:

1. Recomendado por Deus. A afirmação do historiador devemos considerar apenas a transcrição do julgamento divino sobre o julgamento: "Em tudo isso Jó não pecou, ​​nem acusou Deus de maneira tola".

2. Admitido por Satanás. Isso aparece em Jó 2:4, onde, embora o diabo seja preparado com uma explicação da causa, ele ainda é obrigado a admitir o fato da lealdade constante de Jó a Jeová durante sua primeira ataque.

3. Gravado pelo historiador. Para que, onde quer que este poema antigo encontre um leitor, a coragem e a fidelidade do patriarca atingido sejam conhecidas e admiradas.

Aprender:

1. Que, se Deus tem seus tempos e estações, e Cristo tem suas horas, e homem suas oportunidades de trabalhar, também o diabo tem seus dias para seus movimentos satânicos.

2. Que os ataques do diabo à virtude humana e à fidelidade cristã são sempre caracterizados por uma sabedoria consumada, tanto no tempo quanto nos instrumentos, bem como nos métodos de ataque.

3. Que o poder de Satanás de ferir o homem é quase ilimitado, pelo menos quando Deus permite.

4. Que o estado mais próspero do homem possa, em um momento, converter-se na mais profunda miséria, pois o dia mais brilhante pode ser seguido pela noite mais escura.

5. Que as calamidades raramente caem sobre o povo de Deus, sozinhas e sozinhas, tendem a ser mal interpretadas quanto à sua origem e design, mas nunca devem deixar de levar o coração para mais perto de Deus.

6. Que o povo de Deus, em tempos de adversidade, se lembre de sua origem e se prepare para seu fim.

7. Que, sofrendo ou regozijando, os santos devem imitar a piedade de Jó, reconhecer a mão de Deus em tudo e "em tudo dar graças".

HOMILIES DE E. JOHNSON

Introdutório

Sobre o ensino geral do livro.

Para todos os leitores sinceros; para todos que podem pensar seriamente, sintam-se profundamente; todos os que em suas próprias pessoas amaram e perderam; que conheceram a vida em seus modos mais brilhantes e mais sombrios; todos, novamente, que têm aquele belo dom de simpatia que faz com que a dor e o sofrimento da humanidade sejam seus; - este livro tem uma atração mais poderosa, um encanto profundo. Aqui temos sofrimento através de toda a escala do ser humano; sofrimento sintonizado com a música mais melancólica, que gera alguma resposta dos acordes de todo coração humano. Aqui também refletimos sobre o sofrimento, intenso pensamento curvado sem medo e sem reservas sobre as grandes questões da Vida. Quem, em alguma hora cansada e desanimadora, em algum momento ou outro, suspirou: "Qual é o significado de tudo isso?" É uma pergunta que parece responder a si mesma com alegria, ou melhor, sem exigir perguntas nos dias mais brilhantes da vida. A natureza e o coração do homem sorriem um para o outro com o reflexo da alegria da Mente Criativa ao ver que todas as suas obras eram muito boas. Mas, em muitas horas da meia-noite de escuridão mental, a pergunta que pensamos ter respondido e posta em repouso força sua presença sobre nós e exige uma resposta de nossa razão. E a razão, "de onda em onda de miséria imaginada," perde o rumo; ignorando a latitude, ela não sabe para onde dirigir por um porto. Esse é o clima de Jó. E o alívio chega longamente, de maneira inesperada, da Fonte, de onde somente ele pode vir. Nos é ensinada a grande lição do sofrimento - esperar e ter esperança. Quem se demorar na paciência até que veja o "fim do Senhor" encontrará uma recompensa abundante de sua fé e constância.

I. OS ENIGMAS DA VIDA. Dor, perda, doença, trocadas por prazer, ganho, saúde e riquezas. O homem não pode entender esse processo. E ele não pode se submeter voluntariamente ao que ele não entende.

1. Ele tem um instinto de felicidade, o qual não pode negar sem negar a si mesmo. Ele e toda a natureza, ele sente, e verdadeiramente sente, foram construídos para a felicidade. Ele é obrigado a trabalhar para esse fim, tanto em si quanto nos outros. O Criador (ele é naturalmente ensinado a raciocinar) deve ser um Ser feliz e que ama a felicidade, sempre abençoado, sempre abençoado. Assim, quando uma rejeição é dada a esses instintos poderosos e claros, e sua verdade é subitamente extinta, por assim dizer, no seio do homem; quando todas as fontes de alegria natural secam em um momento como a torrente de verão do Oriente; - que maravilha de que ele deveria reclamar? Ele é vítima de algum engano radical? Todos os seus pensamentos são ilusões? De onde vieram aqueles instintos de felicidade, qual deles

.

3. Jó, por outro lado, ousa, com toda a independência do pensador justo, do homem que não pode ser falso à luz mais clara de sua autoconsciência, negar a aplicação desse julgamento ao seu caso. Ele nega que seus sofrimentos atuais voltem aos pecados anteriores. Qualquer que seja a solução do problema, ele sabe que não pode ser o verdadeiro. Nenhum dilúvio de lugar comum religioso o moverá de sua posição fixa, de sua integridade consciente da alma. Nenhuma agonia pode fazer eco dele para o canto superficial dos homens que se preocupam com o sofrimento sem realmente terem sofrido. Apesar de tudo o que a esposa e os amigos podem insistir, ele não pode, não pode, abandonar o lado da verdade, ou o que ele sente ser a verdade. E nesta experiência a verdade não o condena; no geral, ele o absolve. Essa é uma das lições mais instrutivas que todo o poema nos dá - para sermos fiéis a nós mesmos, seguir a luz interior, deixar que os outros repreendam e repreendam como quiserem. Mais frequentemente, sem dúvida, precisamos aplicar esta lição de maneira humilhante. Se formos fiéis a nós mesmos, teremos que admitir que trouxemos nossos problemas sobre nós mesmos por nossas próprias falhas. Mas, às vezes, pode ser o contrário. Pode estar faltando o link que une o efeito à sua causa. Se achamos que sim, precisamos ter a coragem de dizê-lo; e no mesmo terreno em que devemos ter a honestidade de reconhecer a origem pecaminosa quando a detectamos. Jó é um exemplo dessa simplicidade masculina de coração, daquela fidelidade ao eu, sem a qual não podemos ser homens genuínos, nem justos e tolerantes com os outros. Não se segue, porque um homem defende o que sua consciência ou consciência lhe diz, que sua consciência está necessariamente correta. São Paulo apontou isso (Atos 26:9; 1 Coríntios 4:4). Ainda assim, um homem deve manter a consciência como o oráculo mais próximo até obter uma luz melhor, o que é certo no final, quando necessário.

4. Igualmente importante, por outro lado, é a repreensão de não poder, que este livro fornece tão poderosamente. O Cant não é o hábito de repetir opiniões de segunda mão, de tomar certas coisas como certas porque são comumente afirmadas, embora não tenhamos fundamento suficiente em nossa própria experiência de sua verdade. É o hábito de fingir sentimentos que não temos, porque são considerados os sentimentos corretos sob certas circunstâncias. É imitação no pensamento e afetação no sentimento. Atende ao pensamento genuíno e à emoção sincera, como a sombra do sol. Ninguém negará que o mundo religioso esteja cheio disso. Há uma boa ilustração disso nos discursos dos amigos de Jó, e a repreensão na manifestação do Todo-Poderoso no final.

5. Embora apresentemos os grandes enigmas da vida no decorrer do poema, também expomos as perplexidades do pensamento humano e as tentativas vãs de resolvê-los. O dogma estreito de que todo sofrimento é explicado pela culpa, na qual, de uma forma ou de outra, os amigos de Jó nunca se cansam de insistir, juntamente com esse grande princípio, na justiça estrita do Todo-Poderoso, que, a seu ver, torna o dogma indiscutível - essa é a única pista oferecida para guiar o pobre doente sombrio para fora da prisão de seus pensamentos. Mas isso não o leva à luz. E, de fato, quão completamente inadequados são esses princípios parciais, extraídos de uma área de experiência muito limitada, quando aplicados para medir a altura, profundidade e comprimento e largura do universo moral de Deus. Outra grande lição, então, que este livro O que nos lê é o da modéstia e do silêncio - a necessidade da confissão do fracasso e da incapacidade de penetrar nos segredos do mecanismo divino até o fundo. Nós vemos apenas em parte e sabemos em parte; não pode, procurando, descobrir Deus até a perfeição. Mais alto que o céu, esse conhecimento, o que podemos fazer? mais profundo que o inferno, o que podemos saber? Há revelações claras e indubitáveis ​​de sua bondade que enchem o coração de alegria e agitam a língua para louvar. Existem outros indícios misteriosos de si mesmo na dor e na tristeza, que dominam o coração com reverência e controlam a efusão dos lábios. Mas como nada pode refutar, ou justamente ser levado, sob qualquer pretexto de razão, a menosprezar sua justiça, sabedoria e amor, vamos adorar em silêncio. Que nossas almas esperem pacientemente por ele, até que ele apareça novamente, brilhando sobre nós com o brilho do meio-dia!

II SOLUÇÃO DOS ENIGMAS DA VIDA.

1. O livro parece pretender transmitir uma solução de nossos problemas mentais e dúvidas, até o momento, ou seja, como qualquer solução é possível. Uma solução completa é impossível; Escritura, filosofia, experiência, todos se unem para declarar isso. Poderíamos conhecer o segredo da dor e do mal, do sofrimento e da calamidade, em todas as suas formas, devemos tocar o próprio segredo da própria vida; e ao tocar esse segredo, devemos tocar o segredo do Ser de Deus - antes, devemos ser como Deus. Humanidade é outro nome para limitação; Deus é o infinito. Vivemos em pontos da circunferência da existência; ele é o centro. Não é um absurdo quando o homem se recusa a aprender e reconhecer de uma vez por todas que, ao tentar saber demais, ele está viajando fora de seus limites; em sua impaciência com a ignorância forçada, ele está impaciente de ser o que é e levanta uma briga contra seu Criador e contra o esquema de coisas que só podem terminar em seu completo desconforto e derrube?

2. Mas há alguma solução, embora não seja completa, nem positiva e que explique tudo. Existe uma solução negativa, que é muito reconfortante para todo coração verdadeiro e piedoso. Todo sofrimento não tem raiz no pecado pessoal. Pode haver intenso sofrimento no próprio seio da inocência, pois uma geada ou praga pode assentar na rosa mais pura do jardim. Este ponto é claramente estabelecido pela vindicação divina de "meu servo Jó". Ele não foi apontado como uma marca para as flechas do Todo-Poderoso, porque ele é um homem particularmente ruim. Pelo contrário, o oposto é verdadeiro. Os bons são reservados para julgamento. É o amado do Eterno a quem ele castiga, para que se possa ver que poder tem fé na alma do homem, que constância duradoura da virtude, como ouro três vezes provado, tem todo homem que confia na eterna retidão e amor.

3. O sofrimento é, então, consistente com a relativa inocência do sofredor. Este é um resultado do longo julgamento de Jó. O sofrimento é consistente com a perfeita bondade de Deus. Este é outro. Ele pode dar, e ele é bom; ele pode tirar, ainda assim, bendito seja o seu nome! Ele pode substituir a saúde florescente pela lepra repugnante; fazer com que o próspero prisioneiro de uma casa rica, de roupas macias, se sente de saco, em meio à cinza de uma lareira deserta; ainda assim-

"Perfeitos então são todos os seus caminhos, a quem a terra adora e o céu obedece."

Livro nobre! que deu, talvez, ao mundo antigo o primeiro indício da solução do mistério da dor, destacando dele a associação até então inseparável de uma maldição; que ensina os homens a acreditar que o Autor Divino de tudo o que sofremos e o que desfrutamos é um Deus sempre abençoado, e assim dispersa o temido maniqueísmo, tão agradável à mente natural; livro, que contém em germe as revelações do evangelho relativas ao castigo divino e santificação humana, e toda a sujeição da natureza humana às condições mistas da vida atual, na expectativa de uma manifestação gloriosa dos filhos de Deus!

4. O enigma do sofrimento humano, portanto, não deve ser lido, como os homens costumam ler superficialmente, à luz de alguma suposição que requer justificação. É e continuará sendo um enigma. E como a estátua de Ísis tão cuidadosamente velada, o livro impressiona silêncio, silêncio! repreendendo as explicações e soluções de nossas línguas tagarelas. O enigma da dor, de tudo o que chamamos de mal, é essencialmente o enigma da própria vida. A chave que abrirá uma abrirá também a outra, e estará pronta para nenhuma mão humana. Essa solução talvez não contenha ateu ou materialista. De nada servirá aos homens que ainda não se decidiram se acreditam em uma vontade de perfeita inteligência e justiça, em um autor pessoal desse esquema de coisas. É, de fato, a falha fatal em todos os sistemas de descrença ou não-crença, que eles não podem fazer nada do mal. Eles não podem se livrar disso, eles não podem explicar isso. Continua sendo um elemento perturbador para toda visão otimista da vida. Melhor homem, como você pode no corpo e na mente, não vai desaparecer. É um peso de chumbo sobre os pés de todos, exceto do crente no Deus eternamente sábio e justo. Os extremos se encontram; e, assim como o racionalista iluminado e o devoto obscuro da superstição, a dor é uma maldição. Mas para o crente em Deus isso faz parte da revelação de Deus. É um aspecto da Shechiná. É o lado escuro daquela nuvem cujas bordas são prateadas com o eterno esplendor. Escuridão e luz, tarde e manhã, semana de labuta e sábado de descanso, dor e prazer, tristeza e alegria, morte e nascimento, tempo e eternidade, semeadura curta e colheita longa, provações agudas, mas de curta duração, intermináveis frutas, essas são as condições da existência humana. Reconciliar-nos a eles no e através do Autor deles; não lutar contra eles, mas lealmente aceitá-los, e ver que o fim e o significado de tudo se refletem na própria alma; - essas são as lições do Livro de Jó. Pois não há força sem provação; nenhuma sabedoria sem experiência do bem e do mal; sem refinamento sem dor; nenhum progresso sem insatisfação; nada permanente ou real que não nos custe nada; nenhuma comunhão com o Eterno, exceto pela iniciação do sofrimento, pela perseverança da cruz. Para todos os que acreditam que o fim da vida deles deve ser melhorado do que o começo, pela vontade de quem chama, adota e santifica os homens para si mesmo, este livro será cheio de luz e ajuda. Eles se voltarão para suas páginas para lembrar aos seus corações que seu Redentor, seu Vindicante, sempre vive; que "a bênção, não a maldição, governa acima, e que nela vivemos e nos movemos." - J.

Jó 1:1

Vida e caráter de Jó.

A cena se abre com todo brilho, e o herói desse poema sagrado está diante de nós banhado pelo sol da prosperidade terrena e, melhor, coroado com o favor de Deus - um homem verdadeiramente invejável. Nessas poucas linhas, damos, em breve, toques sugestivos -

I. UMA FOTO DE FELICIDADE COMPLETA. Existem elementos internos e externos da bem-aventurança terrena; e nem deve estar ausente para que essa felicidade seja plena e completa. O primeiro em importância é o elemento interno - o reino el Deus dentro do homem. No entanto, uma virtude faminta ou maltratada, lutando com a pobreza e a adversidade, é uma visão para despertar piedade e admiração. Nosso senso moral só é completamente satisfeito quando vemos a bondade munida de suficiência dos meios deste mundo. As energias morais são limitadas pela extrema miséria; eles encontram com competência um estágio sobre o qual podem se mover com facilidade e graça e desenvolvem todos os seus poderes no desenvolvimento harmonioso. O grande mestre, Aristóteles, ensinou que o segredo da felicidade estava na atividade racional e virtuosa da alma durante toda a sua vida. Mas ele também insistia que uma provisão suficiente de bens externos era essencial para completar a felicidade, assim como o equipamento do coro grego era necessário para a representação de um drama. No entanto, a inferioridade dos elementos externos da felicidade em relação ao interno é indicada, não apenas pela segunda colocação na descrição do poeta sagrado, mas também pela rápida sequência trágica, pelo escurecimento da cena, pelo repentino rompimento de casa e lar. e fortuna do homem próspero. E aqui nos lembramos do ditado de outro ilustre grego, Solon: "Não chame ninguém feliz até o dia de sua morte". O destino de Creso, cujo nome era sinônimo de sorte mundana no mundo grego antigo, apontou a moral desse ditado, de acordo com a encantadora história de Heródoto, como as vicissitudes de Jó apontam para ele aqui. Este mundo passa; tudo o que é externo a nós é passível de perda, mudança, incerteza. Somente a "alma doce e virtuosa, como madeira temperada, nunca cede". As ruínas de um mundo em queda deixam o verdadeiro homem inabalável. Fazendo a vontade de Deus, unida a ele por obediência e confiança conscientes, ele permanece para sempre. Assim, na designação enfática concisa do caráter de Jó, no primeiro verso do poema, sua nota-chave é atingida.

II LINEAMENTOS DE PERSONAGEM. Quatro palavras, como alguns toques expressivos do lápis de um mestre, colocam diante de nós o caráter do patriarca.

1. "Aquele homem era perfeito." Ou seja, ele era sólido (integer vitae, como diz o poeta romano) no coração e na vida, irrepreensível no sentido comum em que usamos essa palavra, livre de vícios gritantes ou inconsistência grosseira. Devemos ter em mente que epítetos gerais como esses, denotando atributos de caráter humano, são derivados de nossa experiência com objetos externos. São, portanto, expressões figurativas, que não devem ser usadas no sentido matemático exato, o que, é claro, é inaplicável a um objeto como o caráter humano. Perfeito, como se diz ser um animal sadio; sem mancha, como um cordeiro nevado e sacrificado; imaculado, como uma "fruta colhida", sem "grão pontilhado". Existem dois aspectos da perfeição - o negativo e o positivo. A perfeição negativa é mais a visão do Antigo Testamento. É quando o personagem apresenta um espaço em branco ao lado daqueles vícios grosseiros, daqueles pecados contra a honra e a verdade e todas as inclinações divinas e sociais, que incorrem no ódio ou no homem e no descontentamento do céu. A visão do Novo Testamento traz à tona o lado positivo da "perfeição". Não é apenas a vida vazia de ofensa, mas é a plenitude do homem cristão nessas graças celestiais, aquele brilhante adorno resplandecente do caráter santificado, que aos olhos de Deus é de grande valor. Mas existem condições de vida em que há relativamente pouco espaço para o desenvolvimento! caráter amplamente no lado positivo. Há apenas um pequeno círculo de deveres, empregos, diversões, relações, em circunstâncias como a simplicidade primitiva e pastoral de Jó. Quão diferente desta nossa vida moderna altamente desenvolvida, ampla e diversamente interessante! Onde mais é dado, mais será necessário. Mas o exemplo de Jó consiste na simplicidade e integridade com que ele se moveu na esfera de sua pequena soberania e, com todas as facilidades para ceder à paixão, por infringir o direito, por invadir a felicidade dos outros, manteve-se branco como o lírio, nobremente livre de culpa. Não que ele fosse essa insipidez de caráter, um homem meramente correto. O egoísmo intenso é frequentemente encontrado nos homens corretos. Vimos por vislumbres atualmente dados no curso do poema que ele era um homem ativamente bom. Aqui podemos ler as descrições requintadas de sua vida passada em Jó 29:1. e 31; forçado dele em sua legítima defesa. Observamos a imagem de um homem que é o pilar de sua comunidade, uma luz, um conforto, uma alegria para dependentes e iguais. É uma imagem que os milhares de nossos compatriotas que desfrutam de fortuna, posição, educação e influência em seus respectivos bairros podem ser convidados a contemplar e imitar. Os prazeres divinos e a nobre recompensa de um uso correto da riqueza e da posição formam para multidões do grande campo, mas pouco exploradas. Em meio às sérias advertências das Escrituras e da experiência contra os perigos da prosperidade, destaque-se o exemplo puro de Jó para lembrar aos prósperos que eles podem fazer de seus meios uma ajuda, em vez de um obstáculo ao reino dos céus; pode escravizar o injusto mamom; ao ganhar grande parte deste mundo, não precisam necessariamente perder suas almas!

2. Ele estava de pé. A idéia é a de uma linha certa. E a imagem oposta é transmitida pela palavra "desajeitado" ou "torto", a partir da linha curva e divergente. Como o povo do campo diz de um homem honesto, "Ele age de maneira correta", e como nossa bela e antiga palavra em inglês diz "simples". Há uma certa matemática de conduta. Nunca se afastar da verdade, mesmo de brincadeira; para não atenuar, nem exagerar, nem ser parcial em nossas declarações; não acrescentar nem tirar fatos; "dizer a verdade, toda a verdade e nada além da verdade"; abster-se de bajulação, por um lado, e perversão caluniosa, por outro; considerar a palavra como vínculo; pensar e falar com os outros com essa sinceridade, com a luz mais clara em que sempre comungamos conosco; odiar aparências e semelhanças, livrar-se de duplicidades e confusões; em todas as relações, para si mesmo, para Deus, para outros, para ser o mesmo homem; evitar torções e torções em nossa rota; ir direto aos nossos fins, como uma flecha na sua marca; - este é o espírito, este é o temperamento, do homem "reto". Seu personagem lembra as linhas finas de uma verdadeira obra de arte; enquanto o homem "perverso" nos lembra o desígnio mal desenhado, cuja deformidade nenhuma quantidade de revestimento e ornamento pode disfarçar.

3. Temente a Deus. Este e o epíteto a seguir completam a representação dos dois primeiros. Ninguém é "perfeito" sem ser um temedor de Deus; ninguém na vertical sem se afastar do mal. A religião aumenta o sentimento de reverência do homem em relação ao vasto Poder e Causa invisível, revelado através das coisas vistas. Sua consciência, por suas exortações, fala com ele da justiça da Causa eterna invisível. Toda a sua experiência interna e externa lhe impressiona o sentido de sua dependência absoluta. A obediência, ativa e passiva, à Vontade Eterna é a lei primária revelada no coração do homem em meio a trovões do tipo Sinai, em todo o mundo e em todos os tempos. Sentimentos como esses constituem a religião mais antiga e universal do homem; As escrituras os designam por essa expressão abrangente, "o temor de Deus, o temor do eterno". Não é um sentimento servil, se o homem é fiel a si mesmo. Não é um terror cego, nem uma inspiração de pânico. É o medo castigado e elevado pela inteligência, pela comunhão espiritual; é respeito ilimitado, reverência incomensurável; está sempre a caminho de se tornar um amor perfeito. O resultado dessa religião genuína sobre o personagem é nos fazer ver todas as coisas em sua relação com o invisível e o eterno. Assim, a vida é digna, exaltada, recebe certo significado e significado em seus mínimos detalhes. Sem religião, existimos como animais, não vivemos como homens. A carreira mais movimentada, a reputação mais alta, o sucesso mundial mais esplêndido - que sentido, que significado há nela sem o princípio no coração que a liga conscientemente ao invisível? "É uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, mas sem significado."

4. "Evitou o mal". Ou, um homem que partiu do mal. Esse era o hábito de sua vida. Ele completa o que é dado na segunda característica. Sua retidão, levando-o a uma linha direta de conduta, o livra dos caminhos do engano, da transgressão, dos caminhos das trevas e da vergonha. Aqui, então, nessas quatro palavras, sugerimos a idéia de completa piedade, o retrato de uma vida constante e nobre, "quatro quadradas para todos os ventos que sopram". Vemos um personagem impecável, acompanhado por uma fama justa no mundo; o fundamento secreto sobre o qual repousa a estrutura moral é revelado a nós, no hábito de princípio, um coração cheio do temor de Deus. Nós olhamos para o patriarca, movendo-nos no ar puro e na santa luz do sol do favor do Céu, abençoados com a boa vontade dos homens e com todas aquelas esperanças do futuro que uma felicidade passada inspira, sonhando pouco que seus céus estão tão cedo seja obscurecido, e os fundamentos de sua alegria terrena sejam tão violentamente abalados.

III CARACTERÍSTICAS DA PROSPERIDADE EXTERNA. Estes também são esboçados de forma breve e sugestiva e não precisam ser detalhados. Todos os elementos de uma alta prosperidade e ótima posição nesse simples estado de vida estão presentes.

1. família dele Ele teve dez filhos, os filhos mais que o dobro da quantidade das filhas. Naqueles tempos, os homens sentiam que uma família numerosa era uma grande bênção, uma das marcas visíveis do favor do céu. Os filhos eram especialmente uma nova fonte de riqueza e importância para a família. Os pais de nossos dias talvez raramente tenham o hábito de agradecer a Deus por famílias numerosas. Eles estão prontos demais para gemer sob os cuidados, em vez de admitir alegremente a realidade da bênção. No entanto, com que frequência vemos provas da felicidade de famílias numerosas, mesmo na pobreza! Uma família ordenada corretamente é a mais divina das escolas. O caráter é tão diversamente desenvolvido e, de muitas maneiras, experimentado e educado neles. Na variedade deste pequeno mundo, há uma boa preparação em andamento para a atividade e a resistência no mundo maior. No geral, não há dúvida de que as famílias numerosas são uma grande fonte, não apenas de felicidade, mas também de riquezas de todo tipo. E a verdade precisa ser insistida de tempos em tempos, quando ouvimos o assunto mencionado em termos de depreciação ou pena. A aljava cheia não é objeto de piedade em nenhum momento em que os homens estão obedecendo às leis de Deus em sua vida social. São os solitários e os que estão condenados a levar uma existência demasiado egocêntrica que precisam da nossa piedade.

2. Sua propriedade. Dizem que consistia em amplos rebanhos de gado - ovelhas, camelos, bois, jumentos e em um número proporcional de criados. Toda a riqueza do homem é derivada da terra e de seus produtos em plantas e animais. E é bom lembrar disso. Nós cuja riqueza é representada por meros símbolos e figuras, na maioria das vezes, não temos o sentido de nossa dependência trazido para nós tão vividamente quanto aquele que leva a vida pastoral simples de Jó. Há saúde e bênção no chamado do lavrador e do pastor, vivendo tão perto da Mãe Terra, constantemente lembrando sua dependência dela, de seu poder pela diligência para extrair conforto de seu seio. Todos nós já fomos lavradores, pastores e caçadores; essas são ocupações primitivas do homem, e ele deve retornar a elas repetidamente para continuar prosperando. Tomemos a lição de que todas as fontes de lucro que estão relacionadas com a melhoria da Terra são as mais saudáveis ​​que podemos obter. Desenvolver a terra e a mente do homem - cultivo natural e espiritual - são obras nobres e atividades dignas. Que a emigração dos jovens e vigorosa para as vastas extensões não cultivadas do mundo seja incentivada. Lá, eles se casam com a natureza e constroem cenas de conforto e felicidade como aquela em que o patriarca morava.

IV PIETY ENTRE AS TENTAÇÕES DA PROSPERIDADE. Era um ditado antigo que um bom homem lutando contra as adversidades era uma visão para os deuses. Mas quanto mais um homem bom lutando com a prosperidade. Pois enquanto a adversidade ameaça o nosso bem-estar físico, a prosperidade também não põe em risco nossa saúde espiritual. Não ataca abertamente, amacia, relaxa, enfraquece. Para dez homens que podem suportar a pobreza, há alguém que pode suportar riquezas? Que amáveis ​​flores espirituais brotam do solo escasso da miséria exterior, como a flor do prisioneiro entre as pedras de sua masmorra! Que emaciação moral, que magreza de alma pode assistir a toda a bolsa, encolher-se na esplêndida mansão, escondida sob as vestes finas dos grandes do mundo! Mesmo com homens de verdade, que não podem ser facilmente vencidos pelas tentações externas, isso é bom, e eles possuirão, nas belas palavras de Milton, que as riquezas "afrouxam a virtude e diminuem sua vantagem". Não devemos, de fato, inferir, porque muito é dito no Evangelho sobre os perigos das riquezas para a alma, que não há perigos na pobreza. Mas a verdade é que os perigos das riquezas são mais sutis, menos óbvios, associados ao prazer, não à dor. A pobreza arde, as riquezas acalmam a alma. A miséria pode perverter a consciência; mas o luxo parece adormecer. Nossa vida é uma luta do exterior com o interior. O exterior, de uma forma ou de outra, ameaça tirar o melhor de nós. Nesta grande disputa e agonia, o verdadeiro interesse da vida, toda sua tragédia e poesia, depende. E se desperta admiração, entusiasmo, desperta o sentido do sublime de ver a vitória da alma sobre a adversidade, a pobreza, o desprezo, não deveria igualmente deliciar nosso melhor sentimento ao ver a vitória da alma sobre as riquezas e a prosperidade? No caso de muitos, tire o ambiente e eles não são nada. A imagem não vale nada além do quadro. Outros são ótimos em qualquer circunstância. Eles não fazem o homem. É o homem que os torna interessantes. Eles podem mudar, podem ser revertidos; o homem permanece o mesmo. É um herói moral das cenas tranquilas da paz que devemos contemplar em Jó. Sua piedade é bem destacada no contraste entre a falta de consideração de seus filhos e sua própria seriedade (versículos 4, 5). Eles, no auge da juventude, da saúde e dos espíritos, não costumavam passar férias ou aniversários para se reunir e realizar um grande festival nas casas uns dos outros. Eles dão o tipo de cultivadores impensados ​​do prazer. Também não se sugere que houvesse algo de cruel em seus prazeres. Eles amavam os passatempos alegres de sua estação da vida e tinham prazer na companhia um do outro - isso era tudo. Nenhuma dica é dada de que na calamidade subsequente eles foram vítimas do julgamento de Deus sobre seus pecados. Eles passam, com esta breve menção, fora de vista, e todo o interesse se concentra em Jó. O que ele sentia e sabia era que o prazer, por mais inocente, entorpece, como riquezas, a alma para com Deus. Viu-se que os jovens retiravam a Bíblia da família de seus preparativos para uma dança, como se tivessem consciência de que havia algo na indulgência das árvores dos instintos de prazer inconsistentes com a presença dos lembretes solenes da religião. Mas o prazer já viajou além dos limites da moderação e entrou na região da ilegalidade, licença e excesso, quando pode haver uma disposição para ignorar, mesmo por um momento, as sagradas influências da religião, a presença de Deus. Em contraste, então, com o abandono alegre da alegria, a devoção impensada aos prazeres da hora por parte de seus filhos, vemos em Jó uma mente que nenhuma distração poderia desviar do sentido constante de sua relação com seu Deus. Pai bondoso, ele não interferiu para estragar as festas naturais e inocentes de seus filhos nessas ocasiões especiais de alegria; mas seu pensamento os seguiu, com elevações do coração, e orações por sua preservação daqueles males que podem surgir no meio das cenas de maior prazer social, como serpentes de um canteiro de flores. Ainda assim, não precisamos assumir excesso ou maldade por parte dos filhos de Jó; a linguagem apenas sugere a ansiedade de sua mente, para que isso não ocorra. Pode ser que o temor de Deus também tenha penetrado em seus corações e, restringindo seu gozo dentro dos limites devidos e gratidão inspiradora, tenha permitido que suas festas fossem coroadas com o favor do céu.

Jó 1:6

Conselhos no céu sobre a vida do homem na terra.

I. A vida de todo homem é um objeto de interesse no céu. Esse é um pensamento sublime, poderosamente sugerido pela passagem atual, e cheio de conforto para todo homem que confia na bondade de Deus. "A vida de todo homem é um plano de Deus" (veja o poderoso sermão do Dr. Bushnell sobre esse assunto). Mesmo entre homens que não conhecem Deus conscientemente ou são donos de sua providência, isso é verdade. Sua carreira é controlada por uma direção misteriosa; seus erros ou ações anuladas para sempre. De Ciro, por exemplo, diz-se: "Eu te chamei pelo seu nome: te sobrenome, embora você não me conheça" (Isaías 45:4).

II MAS COMO UM SENTIDO ESPECIFICAMENTE FELIZ É ESTA VERDADEIRA DA VIDA DE CADA BOM HOMEM! Seu caminho é muitas vezes enredado, perplexo, obscurecido para si mesmo; mas nunca assim para Deus. Da cena brilhante da luz celestial e da contemplação, onde o mapa de toda vida se abre para ser visto, logo mergulharemos na escuridão e na tristeza ao lado do servo aflito de Deus. Mas vamos levar a lembrança desse vislumbre do céu através de todos os enrolamentos do labirinto de tristeza que em breve devemos pisar em fantasia, e que nenhum dia se siga na experiência real. Já vamos levar a lição para casa - que o caminho dos filhos de Deus não está oculto, a causa deles não é ignorada pelo Altíssimo. Seus passos são ordenados por ele. Em sua cegueira, serão conduzidos por caminhos que não conheceram. Eles podem parecer exilados da alegria, banidos da luz e do amor; mas ele ainda iluminará as trevas diante deles, e os caminhos tortos e retos, e nunca os abandonará. Pois na vida de flores e pássaros, muito mais na vida do homem, há um plano de Deus.

III A VIDA DE CADA HOMEM O OBJETO DE INFLUÊNCIAS OPOSTAS: de bem e mal, prazer e dor, felicidade e miséria, céu e inferno. Em nenhum lugar esse grande segredo do mecanismo de sermos mais claramente divulgados do que neste livro. A presença de uma influência maligna, sempre curiosa e ocupada com a nossa vida, é distintamente reconhecida; sua origem deixou em mistério. Devemos reconhecer esse dualismo de influência na vida do homem sem tentar resolvê-lo. Depois de tudo o que foi pensado e dito sobre o assunto, podemos apenas reconhecer que é uma condição fundamental de nossa existência terrena. Ignorá-lo e tentar viver em um paraíso idiota de extremo otimismo, é nos expor à decepção e ao perigo; ou cair no outro extremo de um pessimismo sombrio e desanimador é ser infiel ao sentido instintivo da bondade de Deus que está profundamente enraizado no coração. As escrituras nos guiam no meio termo entre esses extremos - colocam diante de nós, em igual distinção, os dois pólos de pensamento, as correntes opostas de influência; e isso manifesta o dever prático de abominar o mal e apegar-se ao bem, encher o coração de reverência e confiança em Deus e afastar-se do mal em todas as suas formas.

IV O ESPÍRITO DE ACUSAÇÃO RELATIVO À VIDA DE BOM HOMEM, Esta é a grande característica do espírito maligno mencionado em várias partes das Escrituras. Ele é "Satanás", isto é, "o adversário", alguém cujo prazer é pôr armadilhas para os homens, seduzi-los da retidão e depois caluniá-los e acusá-los diante de Deus. "O acusador de nossos irmãos, que os acusa diante de Deus dia e noite" (Apocalipse 12:10). Aqui, na corte do céu, a cena radiante da glória divina que é apresentada diante de nossa visão, enquanto o restante do séquito dos anjos, "filhos de Deus", está presente para desempenhar suas funções de louvor e serviço, o mal o gênio dos homens passa a desfrutar do prazer sombrio da depreciação e despeito. Enquanto esses espíritos brilhantes costumam olhar para o lado positivo das coisas, para a criação iluminada pelo sorriso de Deus, refletindo em toda parte sua sabedoria e seu poder, Satanás habita no lado sombrio das coisas - na fragilidade e corrupção do homem, que parece ser o único defeito na bela imagem do mundo de Deus. Observe a inquietação desse espírito de acusação. De um lado para o outro ele vagueia pela terra, procurando descanso, mas não encontrando nenhum. Quão verdadeira é essa imagem de todo coração humano que deu lugar ao mal e, assim, se tornou um espelho do espírito das trevas! Quão inquietos são todos os homens que estão pouco à vontade em si mesmos, porque desprovidos de paz com seu Deus! A fome de travessuras é a contrapartida da fome de retidão. Eles vagam, descontentes, loucos. negado à vista da bondade e pureza que eles perderam; latir, estalar, morder, devorar, como animais de rapina - apegando-se a reputações nobres e arrastando-as para o chão, enquanto a pantera salta sobre o nobre veado da floresta. Que necessidade temos de ser advertidos contra a miséria de nos tornarmos servos de um espírito tão sombrio, os agentes de tanta malícia! Sempre que encontramos a ferrugem da calúnia e da calúnia se acumulando com muita facilidade em nossas línguas, sempre que descobrimos que a visão de fracassos dos homens bons nos proporciona mais prazer do que o de seu sucesso e honra, precisamos olhar atentamente para o coração. Devemos estar doentes antes que possamos desfrutar desses prazeres doentes. Uma alma em saúde para com Deus se deleita em ver o reflexo dessa saúde nos rostos e na vida dos outros. É a miséria do pecado consciente que busca alívio no pecado dos outros. Seja no bem ou no mal, não podemos suportar ficar sozinhos. A plenitude da alegria do coração deve ter expressão, assim como o fardo de sua culpa não perdoada - aquela em palavras de caridade aos homens e louvor a Deus; o outro nos de amargura e blasfêmia. Mas essa cena coloca diante de nós um homem que se tornará o objeto, e não o sujeito, dessa influência maligna. Jó é a vítima, não o agente, das calúnias satânicas. E é bom considerar aqui o que existe na constituição de nossa natureza que nos abre a essas tentativas diabólicas.

1. Existe um lado fraco na natureza de cada um. O lado sensual da natureza apresenta uma abertura constante para o ataque. Podemos ser subornados facilmente por prazeres corporais e assustados por dores corporais. Nossas afeições muitas vezes nos expõem. Podemos ser fortalecidos por todos os lados; no entanto, há alguma porta secundária ou entrada secreta no assento da vontade, com a qual nossa esposa, ou criança pequena ou amigo conhecido conhece bem e tem a chave e pode facilmente passar a qualquer hora do dia ou da noite. . Nossos gostos, atividades, circunstâncias constituem diversas fontes de fraqueza. Alguns homens parecem mais ricos em relação a Deus em meio à pobreza e à luta; com muito conforto e competência parecem promover e embelezar sua piedade. No caso de Jó, um ataque é repentino ao longo de toda a linha; ele é assaltado em todos os pontos fracos da humanidade. E nesta completude de seu julgamento, com o resultado, reside um ponto principal de instrução no livro.

2. No melhor dos homens, há uma mistura de motivos. Um homem escolhe o direito por princípio - pelo temor de Deus em seu coração. Mas ele promete antecipadamente estimular e incentivar sua escolha, e sucede posteriormente para confirmá-la. Ninguém viaja no caminho estreito sem descobrir que não é apenas o caminho certo, mas o caminho sábio; não apenas o caminho certo e sábio, mas o caminho da felicidade, honra e paz. Portanto, em qualquer ponto do curso de um homem, pode ser difícil determinar qual é o motivo dominante do bem dentro dele. Ele começou a ser bom porque acreditava de antemão que tudo sairia bem com ele neste mundo? Ele persevera porque descobriu por experiência que a piedade é proveitosa para esta vida? ou o medo e o amor do Eterno e de sua justiça são o maior, mais profundo, segredo de sua carreira? Quem pode responder a essas perguntas? Qualquer observador de fora? O próprio homem pode responder a essas perguntas? Não. Julgamento, julgamento, a peneiração do leque, a limpeza do fogo do refinador, por si só, pode declarar que tipo de homem ele é para si e para os outros. Por julgamento, os motivos inferiores e superiores são separados. "Experiência trabalha conhecimento;" e todo novo conhecimento é novo poder. Abençoado, então, o homem que suporta a aflição. O bom e velho provérbio grego, no seu caso, παθήματα μαθήματα, se torna realidade - "sofrer é aprender". Assim, a própria malignidade de seu adversário, pela anulação da suprema sabedoria e bondade, vira vantagem; o inimigo calunioso se torna um amigo relutante. Como o general se sente grato por um ataque que foi severo, mas ao resistir ao que lhe foi ensinada uma nova lição na guerra, o coração fiel agradece a Deus no fim das contas pela permissão daquelas provações que exortaram ao máximo e corroborou as energias santas internas.

3. Toda boa ação exterior, toda boa vida exterior admite uma explicação dupla, até que os fatos reais sejam conhecidos. Isto decorre da teoria dos motivos. A ação mais desinteressada, aparentemente, pode ser referida, por uma análise sutil dos motivos, a algum motivo egoísta e mais ou menos defeituoso. Aqui temos, na teoria de Satanás, relativa à piedade de Jó, uma ilustração dessas leis. E o espírito maligno, podemos dizer, tem o direito de insistir nele, até que os fatos da experiência o refutem. Somente a provação pode, por sua manifestação clara, refutar as insinuações sombrias de nossos inimigos espirituais. Todo homem tem dois lados de sua vida - um exterior e um interior. O interior corresponde ao exterior? Quem pode julgar sem prova? Que prova de todo o silenciamento pode haver senão fatos carimbados pelo sofrimento, escritos em sangue e em fogo? Os gregos diziam que o caráter de um homem não era conhecido até que ele fosse colocado em autoridade (Sófocles, 'Antígona'). Certamente essa é uma forma de prova, pela qual Jó passou, ganhando nobre instrução. Mas é uma forma de tentação muito mais severa ser lançada repentinamente contra a influência e a riqueza anteriores, do que subitamente elevada a ela. Nossa simpatia instintiva e piedade por aqueles que sofreram nos ensinam que é assim. E, no entanto, este é o julgamento para os escolhidos de Deus, para os espécimes selecionados de Sua graça, os vasos de sua santa forma. Ele rebaterá e desajustará as calúnias do adversário e de todos os seus seguidores, que amam zombar da realidade do bem, descontar, depreciar e negar toda excelência humana, sujeitando seus fiéis à última intensidade do forno, que a verdade e a realidade eterna de sua obra na alma podem se manifestar aos olhos de todos, tanto do bem quanto do mal.

V. A VIDA, ENTÃO, É DIVINAMENTE ENTREGUE PARA O TESTE. Este é o ensino desta passagem; é o ensino de todas as Escrituras. Existe uma permissão precisa da vontade soberana do mal para causar sua malícia ao homem bom. Existe uma distinção entre a maneira pela qual o bem e o mal, respectivamente, vêm sobre nós da mão divina. O bem vem imediatamente, diretamente, fresco do coração e do amor daquele que é todo bem. Mas o mal vem indiretamente, através dos canais obscuros e tortuosos das vontades más e hostis. Na bênção, na alegria, Deus nos visita pessoalmente, seu raio de sol penetra através das janelas da alma que não são procuradas. Mas o mal é apenas um visitante licenciado em nossa habitação, em nosso coração. E é difícil reconhecer por trás da forma sombria uma mão controladora, um olhar solícito e amoroso. Mas é uma das lições profundas da piedade que todos temos que aprender - dizer na aflição: "Deus permite isso", assim como na alegria: "Deus envia isso". Pode ser aprendido. Na nuvem baixa e trovejante, na chuva estourando e granizo sobre nossas cabeças, podemos sentir a proximidade de Deus, saber que sua mão está imposta à nossa consciência, sua voz apela ao sentido mais íntimo de nossa relação com ele , que talvez tivesse adormecido sob o azul brilhante e sem nuvens.

VI DEUS NÃO OFERECE VIDA À DESTRUIÇÃO, PELO QUE PODE OFERECER UMA VEZ UM TEMPO AO PODER DO MAL. "Ele não nos designou para a ira, mas para obter a salvação." Jeová diz a Satanás: "Tudo o que ele tem está em teu poder; somente sobre si mesmo não estende a mão". Vamos fixar nossa atenção nessa antítese: o que um homem tem e o que é um homem. O estóico Epicteto habitava, em suas nobres exortações, esse contraste. Há coisas que ele diz que estão "dentro de nós", dentro de nosso poder, dentro do escopo de nossa escolha e controle; outras coisas que "não estão ao nosso alcance", sobre as quais nossa vontade tem pouco ou nenhum controle. A questão importante, então, no autogoverno, é dominar essa esfera interna de pensamento, sentimento) propósito. Então as mudanças externas não podem nos causar nenhum dano real. Alguém que havia absorvido devidamente essas lições disse sobre seus perseguidores: "Eles podem me matar, mas não podem me machucar." Mas o aspecto dessa verdade, à luz da revelação cristã, é mais vitorioso do que a autoconfiança fria e arrogante do estoicismo. Aquele que se entregou ao amor e à orientação de um Pai celestial sabe que sua alma está segura, qualquer que seja a doença de seu corpo ou os sofrimentos de sua mente. Abatido, ele pode ser, destruído, ele não pode ser, desde que seja segurado pela mão que sustenta o mundo. "Portanto, os que sofrem com o bem comprometem suas almas. a ele, como a um fiel Criador ".

VII Esta passagem nos mostra que EXISTE LUZ NO CÉU ENQUANTO EXISTE ESCURIDÃO NA TERRA. Há o revestimento de prata atrás da nuvem de toda aflição terrena; pois a presença da eterna sabedoria e amor está lá. Tudo logo logo trevas, consternação e dúvida para a mente de Jó; mas para quem vê o fim desde o início, tudo foi claro e cheio de significado. As maquinações do diabo servirão apenas para trazer à tona a fidelidade e paciência de seu servo escolhido, que viverá para ver o "fim do Senhor", de que ele é muito lamentável e de terna misericórdia. Vamos elevar nossos pensamentos, em todas as épocas de depressão pessoal ou nacional) em todo momento de desânimo, quando a iniquidade abunda, quando o diabo parece estar avançando em seu reino e a luz da fé está diminuindo, para aquela luz eterna e inextinguível de a sabedoria que não pode errar, a vontade que o mal nunca pode derrotar. Nunca esqueçamos isso

"Bênção, não maldição, governa acima, e nela vivemos e nos movemos."

J.

Jó 1:13

A invasão de problemas e seu primeiro efeito em Jó.

As lições em que vivemos e nas quais Jó, sem dúvida, meditava profundamente no lazer de seus dias prósperos, deviam agora receber a ilustração da experiência real. Uma série de ondas invade seu lar e coração pacíficos e, no espaço de poucas horas, transforma a cena sorridente em total desolação. Podemos notar na história os seguintes pontos: as calamidades de Jó e seu primeiro efeito sobre sua mente.

I. As calamidades. Sua repentina e inesperada. Um feriado brilhante foi escolhido pela Providência para a descarga dessas torrentes de aflição. Os jovens estavam se divertindo na casa do irmão mais velho - talvez no aniversário dele - quando o raio do nada, sem um aviso momentâneo, atingiu. A imaginação é poderosamente afetada por tais contrastes. Não sentimos pena de nós mesmos ou dos outros tão profundamente quando tivemos tempo de nos preparar para a tempestade. O choque do golpe é quebrado quando nos encontra avisados ​​e antepassados. Todos os homens devem sofrer em algum momento, e em algum momento devem morrer; mas o terror da tristeza não vista é tão grande quanto a alegria da bênção não vista. Mas como há uma verdade no ditado que diz que "o inesperado sempre acontece", é importante garantir que apenas a preparação para isso esteja ao nosso alcance - uma mente como a de Jó, fixada em princípio, porque fixada em Deus!

II EXISTE GRADUAÇÃO NESTES PROBLEMAS. Eles começaram nos elementos inferiores da vida e rapidamente subiram ao clímax no superior. Houve primeiro a perda de propriedade, em três golpes distintos. Primeiro os bois e as jumentos, depois as ovelhas e depois os camelos, foram destruídos; e todos os pastores foram varridos sucessivamente. Após a primeira perda, o instinto de Jó sem dúvida seria dizer: "Graças a Deus pelo que resta;" e o mesmo após o segundo; mas o terceiro interrompe essas reflexões e atinge a triste convicção: "Eu sou um homem arruinado!" Quem pode saber, a não ser aqueles que sofreram, o que é perder um terço ou dois terços de seus bens mundanos - muito mais a perder tudo? Shakespeare realmente diz que "é dez vezes mais amargo perder do que ótimo a princípio adquirir". Ainda assim, uma alma nobre e amorosa, acostumada a encontrar o benefício mais escolhido da vida, será consolada pelo pensamento: "Minha família me abandonou; e sua ternura e simpatia redobradas, seus cuidados e esperanças, ainda farão valer a vida. vivo." Mas mesmo esse sentimento, se surgia na mente do homem arruinado, é destruído pela raiz pelas terríveis notícias de que seus filhos e filhas pereceram por uma morte súbita e violenta. Assim, alguma ira oculta parecia esgotar seus frascos de fúria concentrada em sua cabeça dedicada; e aquele que se deliciava tanto tempo com o sol é mergulhado na escuridão, sem aparentemente um único raio de conforto ou de esperança externa. Não, mais; que seus filhos tivessem sido cortados em flor de seus pecados, no auge de sua alegria, se apressaram sem tempo para mais expiação ou oração, parecia alterar toda a piedade sincera do pai, como se o céu o tivesse abandonado e condenado. .

III Podemos notar também a variedade das fontes dessas aflições. A primeira veio da mão de homens, de ladrões, de homens de violência e engano. O segundo caiu do céu, na forma de fogo devorador. O terceiro, novamente, foi uma indignação humana; e o quarto e mais terrível novamente, com a violenta tempestade do céu. Para um homem justo ser vítima de injustiça, saber que homens maus ganham às custas de sua perda é uma experiência amarga; mas ver um poder misterioso e sobre-humano, por assim dizer, em aliança e compacto com os iníquos, é um terrível agravamento.

IV Mas QUAL É O EFEITO NA MENTE DO SOFRER? Uma auréola gloriosa de fato o envolve neste momento terrível. Agora é a hora de ver o que há na bondade, qual é a verdadeira natureza da fé; agora ou nunca, o acusador deve ser envergonhado, e corações fracos devem ter coragem, e Deus deve ser glorificado. Aprendemos com o comportamento de Jó que uma verdadeira vida em Deus está destinada a triunfar sobre todas as mudanças e perdas externas, sobre as trevas, os mistérios e a morte.

1. Fé. Ele acredita em Deus. Nem por um momento sua fé é abalada. E seu primeiro instinto é se lançar sobre seu Deus. Ele cai sobre "as grandes escadas do altar do mundo que descem pelas trevas até Deus". "Eis que ele ora", e Satanás já treme por sua aposta. Oh, vamos nos curvar, como juncos, sob a tempestade do julgamento enviado pelo céu; não se quebre como o carvalho rígido! Aquele que pode dizer de coração, como o pobre pai nos Evangelhos (Marcos 9:24), "Senhor, creio eu", encontrará atualmente as inundações diminuindo, e uma grande calma ao seu redor.

2. Demissão. Nossa vontade não tem nada a ver com as reviravoltas e as crises supremas do ser. Não viemos a este mundo, não devemos tentar sair dele, por um ato nosso. Nós devemos nos resignar a viver ou a morrer. Uma vontade suprema determina nossa vinda e nossa partida, nossa entrada e nossa saída, nesta curta cena da vida. Não determinamos a condição externa em que deveríamos nascer. Todos viemos nus ao mundo e passaremos sem levar nada conosco. Nossa composição corporal é terrena e deve desmoronar de volta à terra. Para ela, a mãe que tudo recebe da espécie humana, cada um de nós deve retornar. O sentido profundo dessas relações é adequado para impressionar o hábito de resignação. E, por outro lado, a transitoriedade e a fraqueza de nosso estado terrestre devem nos lançar sobre as grandes realidades espirituais. A resignação não é religiosa, a auto-renúncia não está completa, até que aprendamos não apenas a desistir da terra e da vontade terrena, mas a nos lançarmos no seio do Eterno. Ele dá e tira as coisas que não fazem parte de nós, mas apenas para que ele possa nos manter, nossas almas, para ele para sempre.

3. Ação de Graças. O que! graças a Deus quando ele toma, assim como quando ele dá? Isso é natural? Isso é possível? Tudo é natural, é possível, para a fé. Pois a fé não repousa sobre o que Deus faz neste ou naquele momento, mas sobre o que ele é. Sua ação varia; em si mesmo não há variabilidade, nem sombra de uma virada. Alegria e tristeza, luz e escuridão, todas as fases possíveis da experiência humana - estas são a linguagem de Deus para a alma. Seu significado é único em todos os tons de sua voz. Bendito, então, seja o Nome, não da doação, saúde e alegria que transmitem Pai da luz, Dador de todo presente bom e perfeito; mas bendito seja o Nome do Eterno, fiel a si mesmo em todos os seus propósitos, fiel a seus filhos em todos os seus tratos com eles para o bem deles.

"Bendita seja a mão que dá, Ainda abençoada quando for necessária."

Oh, que essas canções, e profundis e e tenebris - "das profundezas" e "trevas" - possam ser ouvidas com mais clareza, sem interrupção, em todas as nossas devoções públicas e em todas as nossas orações particulares! Essa oferta de si a Deus em confiança, submissão e ação de graças é um "sacrifício razoável". E quando seu sabor sobe ao céu, ele traz sua resposta pacífica de volta ao coração. O versículo vigésimo segundo nos lembra, por contraste, o perigo de pecar contra Deus por censuras e murmúrios em nossa tristeza. "Jó não pecou e não ofendeu a Deus", pois as palavras podem, talvez, ser melhor traduzidas. E depois de nos debruçarmos sobre esse temperamento que agrada ao Pai celestial, reforçamos a lição refletindo sobre o que estamos tão prontos para esquecer - que ele se sente desagradado pela indulgência em duvidar de sua existência ou bondade, rebelião contra o curso da vida. sua providência e a recusa de louvor ao seu santo Nome.

HOMILIES DE R. GREEN

Jó 1:1

As condições típicas da felicidade doméstica.

Este poema oriental, projetado para lançar luz sobre os métodos da disciplina divina dos homens, começa com uma imagem agradável da felicidade doméstica, apresentando um exemplo típico de vida familiar feliz. Mas Jó é a figura central. É o livro de Jó. Tudo tem sua relação com ele. Ele é o único sujeito do livro. Jó não é verdadeiramente mais perfeito do que as circunstâncias que o cercam. Todos os elementos da felicidade doméstica estão presentes. Eles são vistos em -

I. O PESSOAL PESSOAL DA CABEÇA DA CASA. Em seu espírito, ele é "perfeito", não marcado por falha moral. Como "um homem justo", ele caminha em sua integridade. Em sua conduta e no trato com os homens, ele é "reto". Nenhum capricho torto estraga seu caráter ou conduta. Honestidade, franqueza, sinceridade são as virtudes conspícuas desse bom homem. Para Deus, ele é reverente, devoto, obediente. O fundamento de toda sabedoria, como de toda virtude, está presente - ele "teme a Deus". O mal que ele "evita", evita. Tais são as características necessárias na cabeça de uma família feliz e piedosa.

II Uma segunda característica é vista no NÚMERO DE MEMBROS DA FAMÍLIA E SEUS RELACIONAMENTOS AFETADOS. Cada um acrescenta seu próprio elemento de caráter, e a variedade desses elementos garante a integridade da vida familiar, enquanto o carinho preserva sua unidade. O amor é o vínculo da perfeição na família e em todas as comunidades.

III Um elemento adicional é encontrado nas ABUNDANTES POSSESSÕES, elevando a família da falta de riqueza e trazendo ao seu alcance tudo o que poderia promover seu conforto e prazer.

IV Sobre o todo é lançada a guarda e a santidade da OBSERVÂNCIA RELIGIOSA HABITUAL. Declarando

(1) fé de Jó em Deus;

(2) seu medo reverente;

(3) seu conhecimento da doutrina da redenção pelo sacrifício;

(4) sua disciplina doméstica religiosa. Em tudo isso, Jó é um modelo para o chefe de uma família.

O mais apropriado foi que esse homem fosse "o maior dos filhos do Oriente". Feliz a nação cujos maiores homens são os melhores! Felizes as pessoas entre as quais as mais observáveis ​​são as mais dignas de imitação. Esse foi Jó, o assunto de um dos mais interessantes exemplos de escritos poéticos, dramáticos e religiosos. - R.G.

Jó 1:4, Jó 1:5

A santificação do lar; ou sacerdócio dos pais.

A paternidade envolve autoridade, responsabilidade, poder e honra. Impõe deveres espirituais ou religiosos especiais; exige conduta pessoal correta, como exemplo; disciplina prudente e instrução cuidadosa. É dever de um pai proteger sua família, não apenas dos males temporais, mas dos espirituais; suprir suas necessidades materiais e espirituais. Os deveres religiosos dos pais abraçam:

I. EXEMPLO RELIGIOSO.

II INSTRUÇÃO RELIGIOSA.

III GOVERNO RELIGIOSO OU DISCIPLINA.

IV ADORAÇÃO RELIGIOSA.

O pai cristão, como sacerdote ou representante de sua família diante de Deus, não deve oferecer um sacrifício pelos pecados de sua família, mas pode e deve p / cad o único sacrifício em nome de todos os que estão comprometidos com seus cuidados. Estas são as primeiras condições de um lar feliz. No caso de Jó, os instintos espirituais do pai são excitados em nome de sua família, expostos aos males da idolatria circundante. O pai cristão tem igual causa para ser vigilante. Considerar

1) responsabilidades,

(2) labuta,

(3) recompensas dos pais cristãos fiéis. - R.G.

Jó 1:6

A provação do homem justo.

O assunto central deste livro é a provação do homem justo. Jó é reconhecido por Deus como "um homem perfeito e reto, que teme a Deus e evita o mal". No entanto, ele é provado, e provado seriamente, e com permissão de Deus. A dificuldade a ser resolvida pela história de Jó é: como pode acontecer que os justos sofram? Para que fim isso é permitido? O julgamento de Jó é dividido em duas partes - a primeira é recontada brevemente, contém os principais fatos; a segunda parte é estendida. A discussão do livro está relacionada ao todo.

I. A ATENÇÃO É INSTANTANEAMENTE DIRETA AO AGENTE DO JULGAMENTO. Satanás - o adversário. Todo o nosso conhecimento do mundo espiritual é derivado da Sagrada Escritura. O ensino das Escrituras a respeito dos espíritos malignos é completo, minucioso, consistente. Nenhuma objeção válida à existência de espíritos malignos pode ser levantada com base em nossa ignorância ou em nosso desconhecimento dos fenômenos presentes na ação dos espíritos malignos. É impossível remover o ensinamento a respeito de Satanás das Escrituras sem fazer tanta violência a ponto de perturbar o todo. Para uma revelação, chegamos a ser ensinados, a não desrespeitar. Mas a história é representada pictórica e dramaticamente. Satanás está em todo o "agente da provação". A ação satânica não é impedida, mas controlada por Deus. O espírito de Satanás é revelado pela acusação maligna feita contra Jó. Ele cobra Jó por egoísmo; seu motivo de obediência é falso; sua integridade não resistirá a um teste severo. Muito significativa é a representação do teste satânico permitido: "Tudo o que ele tem está em seu poder".

II A ATENÇÃO É direcionada à natureza do julgamento. Ela abraça a perda de Jó de sua substância, de seus servos e de seus filhos. Onda após onda de inteligência dolorosa chega até ele. No entanto, é repentino. Enquanto um estava "ainda falando, veio outro". Roubou o homem da propriedade, de seus bens; o homem de honra, autoridade e influência de seus servos; o terno pai de sua família. Que triste a mudança nas circunstâncias dele! Quão pungente é a tristeza pela perda de seus filhos. Como desolado o lar! Como de repente o brilho do meio-dia mudou para a escuridão da meia-noite! Seria difícil conceber uma imagem de julgamento mais severo. Foi intenso, generalizado, irreparável.

III A ATENÇÃO É DIRIGIDA AO ENSINO DO ENSAIO.

1. A tolice de depender com muita confiança da felicidade terrena. Toda condição de felicidade presente; toda base de esperança para sua continuidade; mas quão rapidamente destruído!

2. A demanda por outros recursos de bem-aventurança que não os encontrados nas condições de mudança da vida atual. A mão não deve captar as riquezas terrenas com muita firmeza. Tudo o que é da terra desaparece: como é necessário procurar "riquezas duráveis"!

3. Todo o ambiente e posses da vida podem ser feitos nas ocasiões da prova da virtude.

4. A necessidade de uma visão da vida de alguém e de um hábito de obediência, de modo a se curvar à vontade divina no meio de nossas provações mais pesadas. - R.G.

Jó 1:8

O homem justo.

Justiça como descritiva do caráter humano ilustrada em Jó. Apenas algumas palavras usadas. A descrição divina. Maior testemunho. Geralmente "meu servo" - a distinção mais honrosa. Não existe maior chamado na vida do que servir a Deus. Mas Jó tem uma distinção especial - ele é inigualável entre os homens. O dele é o exemplo típico de justiça até um Maior do que parece. "Não há ninguém como ele na terra." Uma posição verdadeiramente honrosa para ser o primeiro homem da sua idade. Jó tem a honra especial deste julgamento divino. É necessário que conheçamos os elementos de um personagem tão exaltado. Eles são declarados. A justiça de Jó é exibida em -

I. SANTIDADE INTERNA. Liberdade do mal; "perfeito" - integridade, integridade de caráter; não estar livre da fragilidade humana, mas livre de manchas de caráter e conduta; um homem justo, com um espírito equilibrado, autocontrolado e cumpridor da lei.

II JUSTIÇA. Conformado com o que é certo; mantendo uma relação correta com Deus e o homem; correto e honrado em suas relações; um homem de probidade, verdade e honra. "Aquele que teme a Deus."

III REVERÊNCIA PARA DEUS. Piedoso; cumprir deveres religiosos; devocional. "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria;" "a raiz do problema" em Jó.

IV ABORRÊNCIA DO MAL. Tendo medo de Deus, ele se mantém distante de tudo sobre o qual repousa a desaprovação divina. Uma mente pura se retira da falta, como um homem caridoso do egoísmo, e um homem reto da baixeza.

Tal personagem está preparado para ser um servo de Deus. Nesses, a bênção do Senhor repousa. Mas tais não estão isentos de julgamento. Até a virtude deve ser testada. Nas mãos do agente sombrio da provação humana, mesmo Jó deve ser lançado. Este livro revela essa verdade e ilustra e responde às dificuldades sugeridas por ela.

Jó 1:20

O triunfo da fé.

O julgamento em sua grande severidade caiu sobre Jó. Seus bois e jumentos foram rapidamente arrancados dele pelos sabinos; muitos de seus servos foram mortos com o fio da espada; o fogo de Deus consumiu as ovelhas e os pastores que se encarregaram delas; os camelos que os caldeus roubaram e mataram os guardadores de camelos; a casa do filho mais velho, na qual os filhos e as filhas de Jó estavam festejando, foi atingida por um grande vento e caiu, esmagando os jovens sob suas ruínas. Poderiam ocorrer maiores calamidades com qualquer homem? Esta imagem de desolação está completa. Certamente todas as qualidades de caráter são testadas. O que exige reclamações apaixonadas e impacientes! Qual é a conduta de Jó nesta hora? Ele apresenta o exemplo da vitória triunfante da fé.

I. A VITÓRIA DA FÉ TEM SUA FUNDAÇÃO NO RECONHECIMENTO DA SUPREMACIA DIVINA. "O Senhor deu, e o Senhor tirou." Viver no reconhecimento permanente da supremacia divina é o primeiro requisito de uma fé pura e triunfante. Ele vê todas as coisas como sendo de Deus. Ele é o Senhor de todos. Jó temeu a Deus e confiou em Deus. O medo apóia a fé tão verdadeiramente quanto santifica o amor.

II A VITÓRIA DA FÉ É PROMOVIDA POR DEVOÇÃO REVERENCIAL. Mesmo as agudas dores de tristeza não impediram Jó de adorar humildemente. Ele procurou o Senhor no dia de sua calamidade e foi ajudado. Um permite que sua aflição o retire de Deus; mas ele é levado ao desespero, pois não há ajudante; e o pobre espírito ferido não pode ficar sozinho. Outro é levado a Deus e encontra um esconderijo e uma rocha de defesa. Quando fazemos de Deus nosso refúgio, ele se torna nossa força. É tolice esquecer Deus no tempo que precisamos. Ele pode nos ajudar quando toda outra ajuda falhar. Ele não verá suas criaturas fracas chegarem a ele com humilde oração, pedindo sua ajuda com coração sincero, e ainda assim deixá-las com seus próprios recursos. Quem, diante de Deus, confessa que deseja, ganha para si as riquezas divinas.

III A VITÓRIA DA FÉ É CONSISTENTE COM GRANDE DOR E PENSÃO Jó alugou seu manto e raspou os cabelos - métodos orientais de representar a tristeza. O grande exemplo foi "extremamente triste até a morte". Ele também "sofreu" - era preeminentemente "um homem de dores". Os piedosos de todas as épocas foram postos à prova. "Aconteceu que Deus tentou Abraão". Isto é para ser dito de todo filho de Abraão.

IV A VITÓRIA DA FÉ É A MENOR HOMEM QUE TORNA-SE TRIBUTO DO CORAÇÃO HUMANO À SUPREMACIA, À SABEDORIA E À BEM DEUS.

V. A VITÓRIA DA FÉ ASSEGURA A ÚLTIMA APROVAÇÃO DIVINA; e, como essa história completa é projetada para mostrar, termina em uma recompensa final que esconde a lembrança do trabalho e do sofrimento pelos quais é alcançada. A grande lição de todas: "Tenham fé em Deus". - R.G.

HOMILIES BY W.F. ADENEY

Jó 1:1

Trabalho.

O Livro de Jó é aberto com uma descrição de seu herói. O retrato é desenhado com os poucos movimentos rápidos e fortes de uma mão-mestre. Temos primeiro o homem exterior e depois o interior - primeiro Jó como ele era conhecido por qualquer observador casual, e depois Jó como ele era visto pelos mais atenciosos e penetrantes, isto é, como ele era em seu verdadeiro eu.

I. O homem externo.

1. um homem Jó aparece diante de nós como homem.

(1) apenas um homem. Não é um semi-deus, não é um anjo. Frágil como homem, fraco e falível.

(2) um homem verdadeiro. Diógenes andava com um lanthorn à procura de um homem. Ele não precisava ter ido longe se estivesse na terra de Uz. Aqui estava alguém que revelou o heroísmo da verdadeira masculinidade na hora da prova mais severa

(3) Um homem típico. Jó não é chamado "o homem", mas "um homem", o de uma raça. Ele não é chamado "o filho do homem". Somente um poderia suportar esse título em sua plenitude de significado. Jó era realmente um homem excepcional. Mas ele não era único. Não devemos pensar nele como estando sozinho. O drama que é representado em sua experiência é um tipo - embora em larga escala - do drama da vida humana em geral.

2. Um gentio. Jó era da "terra de Uz" - um sírio ou árabe. No entanto, sua história ocorre nas Escrituras Judaicas, e lá ele aparece como um dos santos mais escolhidos por Deus. Mesmo no Antigo Testamento, os Livros de Jó e Jonas mostram que toda a graça divina não se limita à estreita linha de Israel que Deus tem agora aos que possui em terras pagãs. Estar fora da aliança não deve ser renunciado por Deus, se o coração e a vida de alguém são voltados para o céu.

3. Um indivíduo marcado. "Cujo nome era Jó." Este homem tinha um nome e sua história o tornou um ótimo nome. Embora seja de uma raça, todo homem tem sua própria personalidade, caráter e carreira. O significado de um nome dependerá da conduta do homem que o leva. Jó - Judas: que idéias opostas esses dois nomes sugerem? Qual será o sabor de nossos nomes para aqueles que vierem depois de nós?

II O HOMEM INTERNO.

1. Um caráter moral.

(1) Interiormente verdadeiro. Isso parece a idéia da palavra bíblica "perfeito". Ninguém é perfeito no nosso sentido da palavra. Certamente Jó não tinha falhas, nem alcançara o topo do mais alto pináculo da graça. Mas ele não era hipócrita. Não havia dolo nem duplicidade nele. Ele era fiel ao âmago, um homem de simplicidade moral, que não usava máscara. Testes de problemas não poderiam provar que esse homem fosse falso.

(2) Externamente na vertical. Essa característica é uma conseqüência necessária da anterior. Nenhum homem pode ser interiormente verdadeiro cujo modo de vida é torto. A verdade nas partes internas deve ser seguida pela justiça do couduct. Observe o tremendo estresse que a Bíblia coloca na integridade pura. Não há santidade sem ela. Jó era um homem honesto - fiel à sua palavra, justo no trato, confiável e honrado. Tal é o homem em quem Deus se deleita.

2. Um caráter religioso.

(1) Devoto positivamente. "Aquele que temia a Deus" Assim, Jó tinha "o princípio da sabedoria". Aqui estava o segredo de sua integridade moral. As características morais mais profundas de um homem bom repousam em sua religião. A vida interior não pode ser sonora sem isso; pois, mesmo que a segunda tabela de mandamentos possa ser mantida, a primeira é negligenciada.

(2) Negativamente contra o pecado. O pecado é o oposto da devoção. O homem religioso não apenas evita; ele odeia isso. Embora às vezes ele sucumba fracamente a ele, ele o detesta. Não basta não pecar, devemos odiar e odiar o pecado.

Jó 1:2

Os perigos da prosperidade.

Este livro propõe nos dar uma imagem da adversidade extrema e provavelmente sem precedentes. É apropriado que ele se abra com uma cena de excepcional prosperidade, para servir de contraste com as cenas sombrias que se seguem. Além disso, a idéia do livro é mais bem realizada se observarmos que a prosperidade original é considerada em seu aspecto moral, como ocultando uma possível tentação ao pecado.

I. A PROSPERIDADE FOI SUBSTANCIAL.

1. Uma família numerosa. Isso é sempre considerado na Bíblia como uma marca de prosperidade. É uma condição social não natural de populações congestionadas que levou à idéia oposta em nosso próprio tempo. Certamente, onde há meios de subsistência, a família é uma fonte de alegria e influência, além de um auto-sacrifício saudável.

2. Ótima propriedade. Jó tinha mais do que os meios de subsistência. Segundo a estimativa de uma vida pastoral, ele era um homem muito rico, notoriamente rico e sem igual. No entanto, este homem conhecia e temia a Deus. Portanto, é possível para Deus que um homem rico entre no reino dos céus (Mateus 19:26).

II A prosperidade foi aproveitada. Os filhos e filhas de Jó estavam festejando juntos. Aqui está uma foto da vida familiar feliz em meio à riqueza. O ciúme e a amargura que às vezes envenenam o cálice da prosperidade não eram conhecidos na casa de Jó. Sua família era unida e carinhosa. Não era de modo algum ascético; mas não temos motivos para pensar que deveria ter sido assim. Nenhuma censura é feita contra os filhos e filhas de Jó por festejarem juntos. Há um tempo para o prazer inocente, e quando isso é tomado com moderação e gratidão, apenas medos supersticiosos podem sugerir a idéia de um Nêmesis. O lema Carpe diem é mesquinho e execrável, porque traz consigo uma renúncia implícita ao dever.

III Havia um perigo nessa prosperidade. Jó temia que seus filhos não tivessem renunciado a Deus em seus corações.

1. Um perigo de falta de Deus. Isso é sério na mente de Jó, embora não se mostre em conduta cruel ou injusta com os homens. Abandonar Deus é pecado, mesmo que um homem pague suas dívidas.

2. Um mal interno. "Em seus corações" Pode não haver blasfêmia aberta; no entanto, o coração dos jovens e homens gays e descuidados pode ser alienado de Deus. Até isso é pecado.

3. Um mal ameaçado pela prosperidade. É notável que este é o próprio pecado que Jó é subseqüentemente tentado a cometer pelas agonias de calamidades esmagadoras. Aqui ele pensa que a prosperidade pode induzi-la em seus filhos, pois isso tenta os homens a serem satisfeitos com a terra, a serem vaidosos, orgulhosos e auto-complacentes.

IV TRABALHO PROTEGIDO CONTRA O PERIGO. A religião patriarcal fez do pai o padre de sua casa. Portanto, ele deve estar sempre quando perceber sua posição. Os pais criam propriedades para os filhos; é mais importante que eles providenciem o bem-estar espiritual de seus filhos. Eles observam ansiosamente os sintomas da doença neles; muito mais devem estar atentos aos primeiros sinais de defeitos morais. Os filhos de Jó foram santificados - cerimonialmente limpos. Os nossos precisam ser verdadeiramente dedicados a Deus pelas orações dos pais. - W.F.A.

Jó 1:7

As andanças de Satanás.

Aqui Satanás aparece em uma posição muito importante e privilegiada. Ele é o acusador e não o tentador. De qualquer forma, ele tem uma série de influências que sugerem as mais terríveis possibilidades. Devemos lembrar que talvez estejamos lendo um drama simbólico, e não devemos considerar cada linha dele com exata exatidão literal, como necessariamente descritiva de eventos históricos reais. No entanto, sugere verdades de grande e duradoura importância.

I. Satanás é grande. Ele estava solto nos dias de Jó, e ele é assim agora. Ainda não chegaram os dias em que Satanás será completamente amarrado e impotente para causar danos. Precisamos, portanto, estar assistindo, pois quando estamos mais desprevenidos, é mais provável que ele apareça.

II Satanás está em movimento. "Indo para lá e para cá na terra." Ele nem sempre está nos tentando. Ele deixou Cristo "por uma estação", depois da grande tentação de quarenta dias (Lucas 4:13). Mas se ele nos deixar por um tempo, é voltar novamente - ninguém pode dizer em quanto tempo. Um de seus dispositivos é surpreender-nos com novas tentações.

III Satanás é cuidadoso. Ele estava de olho em Jó. Ele encontrara aquele homem perfeito e correto, o estudara e traçara planos profundos para atacá-lo. Satanás é realmente a velha serpente, astuta e capaz. Não há lugar fraco na armadura que possa escapar da vigilância de nosso terrível inimigo.

IV Satanás está sujeito ao julgamento de Deus. Ele aparece em Jó como privilegiado por se apresentar entre os filhos de Deus. A rebelião completa e a queda total do príncipe do mal ainda não foram vistas. Mas mesmo onde isso é reconhecido, como no Novo Testamento, o juiz de toda a terra deve ser capaz de chamar sua criatura rebelde para prestar contas.

V. Satanás agora está restrito à vitória de Cristo. Ele não pode variar tão livremente como antes. Jesus Cristo viveu na terra, lutou com ele e jogou o demônio imundo na terra. Nosso Senhor amarrou o homem forte e roubou sua casa (Marcos 3:27). É verdade que a escravidão ainda não está completa. Mas os poderes do mal são aleijados onde quer que a luz de Cristo brilhe.

VI A GAMA DE SATANÁS NÃO ESTENDE ACIMA DA TERRA. Ele vagueia de um lado para o outro - na terra. Uma vasta gama, mas limitada. Aqui somos tentados pelo espírito do mal. Mas nenhuma tentação pode entrar no céu. Temos apenas de nos manter fiéis através de nossa peregrinação terrena, e haverá descanso dos assaltos de nosso grande inimigo quando passarmos para a casa dos vitoriosos.

VII A escala de Satanás deve ser igual à dos mensageiros do evangelho. Se ele assim vagar, os missionários cristãos também deveriam. Onde quer que a mordida da serpente seja encontrada, deve ser enviado o bálsamo de cura. O pecado é mundial, assim como a graça e o poder de Cristo. - W.F.A.

Jó 1:9

Piedade desinteressada.

A sugestão de Satanás é óbvia o suficiente. Jó é religioso; mas Jó é próspero. Derrube sua prosperidade, e sua religião também cairá como um castelo de cartas.

I. A VERDADEIRA RELIGIÃO TRAZ GRANDES RECOMPENSAS. De fato, Jó estava fazendo o melhor dos dois mundos. Enquanto ele temia e servia a Deus, Deus estava abençoando e sorrindo para ele.

1. A religião geralmente traz prosperidade terrena. É freqüentemente verdade que "a honestidade é a melhor política". Deus mostra seu amor de maneira muito evidente a muitos de seus filhos, abençoando-os "na cesta e na loja". Quando um homem bom é próspero nos negócios ou no lar, é justo que reconheça a mão amável da qual toda a sua felicidade vem.

2. A religião sempre traz prosperidade celestial. Deve estar bem com a alma que está perto de Deus. Aquele que é dono de Cristo certamente possui uma pérola de grande valor. Até o pobre homem em sua adversidade é rico em tesouros espirituais quando tem o amor de Deus em seu coração.

II A RELIGIÃO QUE DEPENDE DE RECOMPENSAS NÃO É VERDADEIRA. Jó conseguiu muito com seu serviço a Deus, ou melhor, junto com esse serviço; pois tudo o que ele tinha era da graça gratuita de Deus, não do deserto. Mas se ele fosse religioso apenas no espírito dos mercenários, trabalhando por salário, sua religião teria sido hipocrisia. Isso vale tanto para o futuro quanto para as recompensas terrenas. Aplica-se não apenas ao comerciante que vai à igreja que ele pode agradar os clientes que frequentam a igreja; é verdade também para quem é escravo da "mundanidade" e se comporta como um maometano fanático quando se apressa para a morte certa na batalha, inspirado pela expectativa de voar imediatamente para um paraíso de hora. A auto-busca na religião é sempre fatal. É natural esperar ansiosamente pelas recompensas que Deus promete; mas é fatal para toda devoção tornar a busca dessas recompensas nosso principal motivo. O verdadeiro servo de Deus dirá:

"E eu não pedirei recompensa,

Exceto para te servir ainda "

III É POSSÍVEL PRESTAR SERVIÇO DESINTERESTADO A DEUS. O acusador não acreditou nisso; ele falou com cinismo satânico. Há pessoas que se orgulham de serem homens do mundo e negam que exista algo como generosidade desinteressada. Possivelmente, a razão é que eles julgam todos os homens por seu próprio padrão baixo; ou que eles não têm olhos para ver o melhor lado da vida. Com toda a sua jactância de visão, existe todo um reino de vida nobre que está completamente além do seu conhecimento. O espírito de Satanás nunca pode entender o espírito de Cristo. Agora, o grande problema do Livro de Jó está nisso. Esse livro é para provar a falsidade da insinuação básica de Satanás. É para mostrar ao acusador atônito que a devoção desinteressada é possível. É para provar, no caso extremo de Jó, que um homem pode perder todas as recompensas aparentes da religião e, no entanto, não abandonar sua religião; para que ele sofra severas adversidades e, no entanto, não renuncie ao seu Deus. Jó é uma magnífica ilustração dessa verdade. Mas por trás de Jó está Deus, e o verdadeiro segredo é que Deus pode e realmente inspira devoção desinteressada. - W.F.A.

Jó 1:12

No poder de Satanás.

I. DEUS PERMITE ADVERSIDADE TEMPORAL.

1. Não pode vir sem a sua permissão. Satanás vagueia sobre a terra, ansiando por travessuras; no entanto, ele não pode causar nenhum dano até obter licença da corte do céu. É um consolo na adversidade saber que isso não caiu sem que Deus a observasse, nem mesmo apesar de sua vontade. O que ele distintamente sanciona não pode ser realmente ruim. Portanto, a adversidade não é o mal que parece ser.

2. Deus nem sempre inflige o mal imediatamente. Não é Deus, mas Satanás, que fere Jó. Parece que Deus nunca teria feito isso e que, se Satanás não tivesse pedido permissão para ferir Jó, a prosperidade de Jó teria permanecido inabalável. Não é como as narrativas de destruição de anjos enviados por Deus para ferir Jerusalém (2 Samuel 24:16) e destruir o exército assírio (2 Reis 19:35). Nesses casos, a calamidade era de Deus. Aqui se origina em Satanás, embora seja permitido por Deus. Possivelmente, podemos ver um raio de luz sobre o mistério do sofrimento nesse fato, especialmente como algo semelhante é visto no Novo Testamento, na facilidade da mulher "a quem Satanás ligou" (Lucas 13:16), e no caso de uma pessoa "entregue a Satanás" (1 Timóteo 1:20). O espinho de São Paulo na carne não era um mensageiro de Deus, mas "um mensageiro de Satanás" (2 Coríntios 12:7). Existem males que Deus não iniciaria, mas que não seria bom para ele conter imediatamente pela força.

II DEUS LIMITA A ADVERSIDADE QUE PERMITE. É permitido a Satanás se apossar de tudo o que Jó possui, mas não tocar no próprio homem. Assim, a adversidade é limitada e por vários motivos.

1. De acordo com a necessidade. Não deve ser maior do que o necessário para atingir seu objetivo. Deus é pródigo de misericórdias; ele é parcimonioso com aflições - mesmo no caso das enormes aflições de um trabalho! Mas ele é o juiz de quantos problemas são necessários, e não podemos estimar isso.

2. De acordo com os poderes de resistência. Deus não permitirá que sejamos tentados além do que somos capazes de suportar (1 Coríntios 10:13). Ele conhecia Jó quando ele enfrentou enormes problemas sobre ele. Aqueles ombros do Titanic podiam carregar a carga de calamidade de um gigante. Almas mais fracas são tratadas com mais gentileza.

III A ADVERSIDADE É PERMITIDA SOMENTE POR UMA GRANDE BEM. Para o observador casual, parece que Jó foi meramente entregue para Satanás fazer esporte diabólico com ele, assim como os filisteus fizeram esporte com Sansão cego. Mas Deus não iria assim cruelmente lidar com qualquer homem. O fato é que Jó deve provar uma grande verdade aos demônios e anjos e, finalmente, também aos homens. O teste de sua fidelidade é uma lição para o universo. Isso mostra que Deus inspira devoção desinteressada. Agora, Jó não estava ciente desse propósito. Se ele soubesse, o julgamento teria sido frustrado. Para ele, a série de calamidades é um mistério avassalador, e ele é mais provado por seu caráter inexplicável. Não podemos ver o propósito de nossos problemas. Mas existe um propósito. Possivelmente, uma explicação é: não apenas devemos sofrer pela disciplina de nossa própria alma, mas, como Jó, pelo bem de lições que, sem conhecê-las, podem ser ensinadas a outras pessoas por meio de nossa experiência. - W.F.A.

Jó 1:13

Calamidades incomparáveis ​​de Jó.

Tudo é feito para aumentar e intensificar a impressão das calamidades de Jó. Vamos observar suas características salientes.

I. OCORREM EM UMA TEMPORADA DE FESTIVIDADE. Era um dia de festa, e a família inteira de Jó estava reunida na casa do filho mais velho. Então, de todos os tempos, o pai afetuoso estaria menos preparado para rumores sinistros de calamidade. O raio caiu do céu azul sem nuvens. Sem uma nota de aviso, a terrível tempestade ardeu em um dilúvio esmagador. Esta é uma lição contra confiar na prosperidade, como se contivesse uma promessa de sua própria continuidade. Mas não é um acordo impiedoso da Providência que o futuro sombrio esteja escondido de nós. Ficamos tristes porque

"Nós cuidamos antes e depois."

Se víssemos todo o futuro, não poderíamos suportar o presente.

II Eles ocorrem em rápida sucessão. Tão intimamente essas calamidades se sucedem que, antes que o primeiro mensageiro conte sua história, um segundo arauto chega com mais más notícias, seguido tão rapidamente por um terço, e ele depois de mais nenhum atraso pelo último, com seus mais terríveis mensagem. Tem sido frequentemente observado como os problemas ocorrem em lotes. No caso de Jó, podemos ver o motivo. Um poder terrível da malignidade está por trás de toda a série.

III Eles vêm de vários trimestres. Embora Satanás seja a causa última de todas as calamidades, ele não as inflige com suas próprias mãos. Ele mantém isso escondido e encontra meios de enviar emissários de todos os lugares - árabes do sul caem na fazenda; relâmpagos do céu ferem as ovelhas nas profundezas; três bandos de ladrões de caldeus itinerantes do norte mergulham na caravana de camelos que carrega a riqueza de mercadorias de Jó; e, pior que tudo, um furacão do deserto atinge e abate a casa onde os filhos e filhas de Jó estão se banqueteando. Quem pode permanecer em segurança quando os problemas podem vir em tantas direções? É impossível para o homem mais forte se fortalecer contra isso. Nenhum de nós pode fazer mais do que fazer preparativos razoáveis, que podem ser inúteis. Mas todos podem confiar na providência daquele que governa o vento, a tempestade e o coração do homem, e sem cuja permissão nem um fio de nossa cabeça pode ser tocado.

IV ELES SÃO AGRAVADOS COMO PROCEDEM. O pior vem por último. É terrível para um homem rico ver sua riqueza derretendo diante de seus olhos em alguns momentos. Esse foi o problema de Antonio quando sua frota de mercadorias foi destruída ('Mercador de Veneza'), mas não era tão temerosa quanto a de Malcolm, quando todos os seus filhos foram assassinados ao mesmo tempo ('Macbeth'), ou o falecido arcebispo Tait, quando um depois de outro, seus filhos morreram de uma epidemia de febre. Que o homem empobrecido seja grato se sua família for poupada a ele. Nota:

1. Possivelmente o problema é atenuado com choques sucessivos. Cada um pode afogar o efeito de seu antecessor.

2. O problema de Jó só foi superado uma vez - no Getsêmani. - W.F.A.

Jó 1:21, Jó 1:22

Renúncia de Jó.

Não podemos deixar de ficar impressionados com a magnífica calma de Jó depois de receber os sucessivos golpes de calamidades sem precedentes. Ele não está atordoado; ele não está distraído. Ele possui sua alma em paciência. Com uma dignidade singular de sustentação, ele é visto como maior agora em sua calamidade do que jamais aparecia quando estava no auge do sucesso.

I. COMO O TRABALHO SE COMPORTAU.

1. Ele lamentou. Isso era natural, razoável e correto. Ele teria sido menos do que shopping, se ele tivesse tomado seus problemas sem uma pontada. Deus ama o coração de carne, não o coração de pedra; e o coração da carne deve sentir grandes problemas muito profundamente. O santo de Deus não é estóico. Mas, embora Jó lamentasse, ele o fez com calma e autocontrole. Ele não se jogou na tristeza apaixonada. Sua ascensão, seu rasgar seu manto - do pescoço à cintura, conforme o costume -, raspar a cabeça, tudo indica sua maravilhosa posse de si. Ele passa pelo triste processo do luto convencional com uma decisão inflexível. Sua calma, no entanto, apenas cobre a profundidade de sua tristeza. Há algo de terrível nesse processo metódico. A tragédia é sublime.

2. Ele adorou. Ele não renunciou a Deus. Pelo contrário, ele abençoou o Nome do Senhor. Ele não conseguia entender o significado e o fim de sua estranha experiência. Mas ele conhecia a Deus e nunca sonhou em duvidar de Deus. Além disso, seu problema o leva a Deus. Ele cai diante de Deus em adoração. O singular é que ele não é visto orando por ajuda. Seu problema está além da ajuda, e ele não é de lamentar em uma miséria fraca. Ele se perde em adoração a Deus. Esse é o grande segredo da fortaleza - não chorar por libertação, mas esquecer-nos em Deus.

II O TRABALHO RECEBIDO. Ele falou com Deus, ou talvez proferiu um solilóquio, para o alívio de seu próprio coração, mas sem dúvida consciente da presença sustentadora de Deus. Suas palavras mostram sua perfeita razoabilidade. Não há nada que torne as pessoas tão irracionais quanto problemas. No entanto, Jó ainda não tinha um fio de profundidade da linha da verdade e da razão por suas terríveis calamidades. É uma grande segurança ver as coisas como elas são. Metade de nossa angústia decorre de vê-las sob falsas luzes de paixão e preconceito. Se estivermos calmos o suficiente para nos olhar, podemos descobrir uma luz reveladora estranha em grandes calamidades. Eles rompem as formas convencionais e mostram fatos.

1. Jó viu sua própria pequenez. Em um momento ele percebeu que não tinha direito natural a tudo o que possuía. Ele não tinha nada quando entrou no mundo; ele não poderia realizar nada com ele. O orgulho se prepara para aflições às quais a humildade escapa. Quando percebemos o quão pequeno somos, não podemos nos surpreender com nenhuma perda que possamos suportar.

2. Jó reconheceu o direito de Deus. Quem dá tem o direito de se retirar. Tudo o que temos é emprestado por Deus. Essa verdade não diminui nossa perda, mas a percepção dela acalma o espírito tolo e rebelde, que é a fonte de nossa mais profunda miséria. - W.F.A.

Jó 1:22

Fogo em pé.

Assim termina a primeira cena. Satanás é completamente derrotado. Sua suposição é provada que ele é totalmente falso. Deus permitiu que a barreira sobre Jó fosse rompida, e o destruidor destruiu suas posses até que o jardim se transformasse em deserto. No entanto, o homem bom não renuncia a Deus.

I. CARREGAR A DEUS COM ERRADO É UM PECADO. Este foi o pecado ao qual Satanás estava tentando Jó. A sugestão era que ele deveria dizer que Deus estava agindo de forma cruel, injusta e errada. Agora, como isso parece uma inferência natural dos eventos, por que estava errado para Jó segui-lo? A resposta deve ser encontrada na verdade que Deus não é conhecido indutivamente por meio de fenômenos externos.

"Não julgue o Senhor por um sentido fraco."

Ele se tornou conhecido por revelações especiais, e está se tornando cada vez mais conhecido na voz da consciência. A partir dessas fontes, sabemos que o juiz de toda a terra deve fazer o que é certo. Duvidar disso é abandonar a luz superior e afundar na loucura culpada. Preferir uma acusação contra Deus é pior do que duvidar dele. Pelo menos podemos ficar em silêncio.

II A AUSÊNCIA DE PECADO SÓ PODE SER PROVADA POR ENSAIOS. É fácil esconder o pecado da vista em tempos de quietude. Então o metal base pode brilhar tão intensamente quanto o ouro puro. O teste de fogo revela sua inutilidade. A questão importante é se temos um personagem que resistirá. É de pouco valor para um homem não pecar quando não tem incentivo para pecar. Sua bondade então é, na melhor das hipóteses, uma inocência negativa, e muito possivelmente é apenas uma sonolência do mal latente

III A coisa mais difícil não é pecar quando alguém é mais tentado. Havia muitos pecados, sem dúvida, aos quais Jó não era de todo responsável. Foi pouco para o seu crédito que ele não era culpado deles. O ponto de interesse era que "em tudo isso", isto é, nesta série de calamidades especialmente tentadora, Jó não cometeu o pecado específico ao qual eles apontaram, isto é, acusando Deus de errado. As pessoas se orgulham de sua bondade em várias direções; mas isso é de pouca importância se eles falham quando são realmente tentados.

IV O segredo do fogo permanente está na força de Deus. Agora Jó tem a recompensa de sua longa devoção a Deus. O versículo 5 mostra a ele um homem de oração nos dias de prosperidade; mostra-o orando pelos filhos em necessidade deles; assim, Jó estava sendo preparado inconscientemente para o dia mau. Quando chegou, o encontrou pronto, embora fosse bastante inesperado, porque o encontrou morando perto de Deus. Quando o turbilhão está sobre nós, é tarde demais para pensar em fortalecer as estacas. Precisamos da força interior de Deus, que advém do lento crescimento da experiência cristã, se quisermos permanecer como o carvalho robusto no repentino turbilhão de calamidades. - W.F.A.